sábado, 3 de setembro de 2016

As dez descobertas científicas do ano

A revista ‘Science’ realizou o balanço das descobertas científicas do ano. Eis a lista das dez maiores:



1) Identificação do Ardipithecus ramidus, uma espécie de hominídeo que viveu há 4,4 milhões de anos na actual Etiópia e conhecido por 'Ardi”. Os seus restos fossilizados precedem em mais de um milhão de anos os de 'Lucy', o mais antigo esqueleto parcial conhecido de um hominídeo e aproximam os investigadores do último antepassado comum a humanos e chimpanzés.

2) Detecção de pulsars pelo Fermi: o telescópio espacial de raios-gama Fermi, da NASA, ajudou a identificar novos pulsars (estrelas de neutrões muito magnetizadas e de rotação rápida) e a compreender melhor a sua emissão única de raios-gama.

3) Rapamicina: investigadores constataram que mexendo numa via essencial de sinalização podiam agir sobre a duração da vida de ratinhos, no primeiro resultado deste tipo obtido em mamíferos. A descoberta teve a particularidade notável de revelar que o tratamento só funciona quando os ratinhos atingem a meia-idade.

4) Grafeno: numa série de progressos fulgurantes, cientistas de materiais testaram as propriedades do grafeno (camadas muito condutoras de átomos de carbono) e começaram a utilizar este material para fabricar sistemas electrónicos experimentais.

5) Receptor de ácido abscísico (ABA) nas plantas: a resolução da estrutura no espaço de uma molécula crucial para ajudar as plantas a sobreviver às secas poderá ajudar os cientistas a conceber novos meios de protecção das plantas contra períodos prolongados de seca, o que poderá ajudar a melhorar os rendimentos agrícolas em todo o mundo e permitir a produção de biocarburantes em terrenos marginais.

6) LCLS e SLAC: o SLAC National Accelerator Laboratory (o acelerador linear de partículas de Stanford) apresentou o primeiro laser de Raios-X do mundo, uma poderosa ferramenta de investigação capaz de captar imagens de reacções químicas em progresso, de alterar estruturas electrónicas dos materiais e fazer muitas outras experiências numa vasta gama de áreas científicas.

7) Regresso da Terapia Genética: investigadores europeus e norte-americanos descobriram uma forma de combinar a terapia genética e a terapia celular com células estaminais do sangue para tratar a cegueira hereditária, uma doença genética mortal que afecta o cérebro.

8) Monopolos: Físicos que trabalham com estranhos materiais cristalinos chamados 'vidros de spin' realizaram uma proeza experimental ao criar ondulações magnéticas que reproduzem o comportamento previsto dos 'monopolos magnéticos', ou seja, partículas fundamentais com um único pólo magnético.

9) LCROSS (Lunar CRater Observation and Sensing Satellite) encontrou água na Lua: em Outubro, sensores a bordo daquela sonda da NASA detectaram vapor de água e gelo em detritos de uma colisão de um segmento de um foguetão que os investigadores fizeram despenhar deliberadamente perto do pólo Sul da Lua.

10) Reparação do Hubble: em Maio, uma última missão quase perfeita de reparação efectuada por astronautas da estação espacial permitiu conferir ao telescópio espacial Hubble uma melhor visão e prolongar a sua duração, com a obtenção das imagens mais espectaculares de sempre.

Numa antevisão de 2010, a revista aponta como 'assuntos quentes a acompanhar' o metabolismo das células cancerosas, o Espectrómetro Alpha Magnetic (MAS), a sequenciação das doenças do exoma (pequena parte do genoma humano com influência nos fenótipos), a utilização de células estaminais pluripotentes no tratamento de doenças neuropsiquiátricas e o futuro dos voos tripulados no espaço.




Lusa
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Emprego Docente

Noticias da Educação

Blogues

Recomendamos ...