sábado, 3 de setembro de 2016

Era uma vez Ida, a maior descoberta de todos os tempos...


Nem o Google escapou à histeria. Quinta-feira de manhã, o logótipo da empresa tinha-se transformado numa paisagem do Eocénico com o mais recente "elo perdido" da evolução humana estampado no centro.

Ida ou Darwinius masillae - para celebrar os 200 anos do nascimento de Charles Darwin -, o fóssil de uma primata com 47 milhões de anos, tinha sido dada a conhecer ao mundo no dia anterior, a 19 de Maio, e veio embrulhada num pacote irresistível, com o laçarote "a oitava maravilha do mundo" ou "a Mona Lisa" de Oslo, à escolha do freguês. Nessa quarta-feira o estudo foi publicado na revista científica online "Public Library of Science One" (PLoS One), ao mesmo tempo que em muitas redacções do mundo algum jornalista ou editor recebia um comunicado de imprensa intitulado The link.

Poucos órgãos de comunicação sabiam o que estava para acontecer. O comunicado da PLoS One explicava que aquela informação era "para publicação imediata, não há embargo associado a este artigo", por isso os jornais estavam livres para publicar a notícia quando quisessem. Resultado, a descoberta tem 763 ligações no Google Notícias UK e 62 no português. No mesmo dia o fóssil foi apresentado numa exposição em Nova Iorque pelo mayor da cidade. Foi também disponibilizado um site, lançado um livro e a BBC e o Canal História, que seguiram os vários passos da pesquisa do fóssil, tinham documentários televisivos prontos para serem apresentados. Era difícil conseguir mais imediatismo à volta do fóssil, mas a máquina que lançou Ida pôs ainda David Attenborough à frente do esqueleto. "Ela representa a semente de onde vieram a diversidade dos macacos, os macacos antropóides e em última análise todas as pessoas do planeta", disse o famoso comunicador de ciência britânico ao jornal "Guardian", que já tinha preparado duas páginas de jornal para contar toda a história.

Ida teve um pontapé de saída explosivo, dirigido com ângulo certo para ser apanhado por todos os meios de comunicação. "A ciência já está muito permeável às técnicas jornalísticas", esclareceu ao P2 Helena Mendonça, jornalista e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia, apontando como exemplo a técnica do lead - o primeiro parágrafo com que os artigos no jornalismo arrancam, onde se responde ao quê, quando, como, onde e porquê da notícia - que já é utilizada em todos os comunicados na ciência.

A crítica principal feita aos autores foi a forma como apresentaram Ida ao público, transmitindo a ideia de que as ossadas eram a maior descoberta de sempre de um elo perdido e que iriam revolucionar tudo o que se sabia até aqui sobre a evolução do Homem, o que estava bastante distante da informação patente no artigo científico. Se mais nada fosse dito, e se ninguém estivesse atento, Darwinius masillae ficava na História como nosso antepassado directo com 47 milhões de anos, na altura em que os primatas ainda se estavam a diversificar.

Só por si Ida é impressionante. Está preservada em 95 por cento, raríssimo se olharmos para outros fósseis de primatas da mesma altura que chegam às nossas mãos só com uma mandíbula ou outro osso. A primata teria nove meses quando caiu no lago Messel, que fica na região que hoje é a Alemanha, quando a Terra tinha um clima mais quente, com florestas tropicais a alcançarem a latitude actual do Sul de França e florestas temperadas a tocarem nos pólos, uma verdadeira estufa - foi na época do Eocénico, há 56 a 34 milhões de anos.

O lago Messel manteve a primata preservada em sedimentos finos. Quando em 1983 um coleccionador privado encontrou as ossadas na cova de Messel - que é Património da Humanidade classificada pela UNESCO devido aos inúmeros fósseis desta época que guarda em condições extraordinárias -, não só era possível ver o contorno dos pêlos da primata, alguns até estavam conservados, como a última refeição vegetariana ainda não tinha sido comida pelo tempo.

O fóssil teve uma vida atribulada até 2002. As ossadas foram divididas em duas metades, tendo uma sido restaurada e vendida como se estivesse completa. Em 1991, o Dinosaur Center at Thermopolis, no Wyoming, EUA, adquiriu-a. Mas em 2000, Jens Franzen, primeiro autor do novo artigo sobre Ida, estudou e compreendeu que o restauro era um logro, só com uma pequena parte verdadeira. A outra metade, que era maior, foi adquirida só há dois anos pelo Museu de Oslo, numa bem sucedida aventura de Jorn Hurum, o show man norueguês da paleontologia, grande responsável pela exposição mediática de Ida.

"O meu coração começou a bater muito depressa", disse o investigador do Museu de Oslo aos jornalistas há duas semanas, referindo-se à compra do fóssil. "Eu sabia que o vendedor tinha nas mãos um acontecimento mundial. Não consegui dormir durante duas noites." Há poucos dias, Hurum revelou que adquiriu a segunda parte do fóssil por mais de 500 mil euros. Depois, o paleontólogo contactou vários investigadores para analisar o fóssil.

Mas antes de reunir aquilo que chamou a sua "equipa de sonho", o norueguês apresentou Ida a Anthony Geffen, o director executivo da Atlantic Productions, uma produtora sedeada em Londres. Os dois já estavam envolvidos num programa sobre o Predador X - o fóssil de um réptil e carnívoro aquático do tempo dos dinossauros que Hurum estava a investigar. O monstro foi dado a conhecer em Março, na mesma altura em que o documentário foi exibido pelo Canal História, com a frase-anúncio "Faz o Tyranossaurus rex parecer um cachorrinho".

Geffen ficou imediatamente interessado em Ida. "Na realidade, é raro alguém que faz televisão compreender a importância de um pequeno animal com o tamanho de um gato", explicou o norueguês à revista "Seed". Durante dois anos, enquanto a investigação sobre o fóssil prosseguiu, a campanha mediática foi crescendo.

"É provável que pudesse ter sido publicada uma pesquisa mais detalhada", disse por email ao P2 o paleontólogo Christophe Soligo, referindo-se ao resultado dos dois anos de estudo de Ida. "E pelo menos um dos autores (Phil Gingerich) parece admitir que estiveram sob pressão para coordenar o artigo com os planos de publicidade", referiu o investigador do London College.

O artigo científico publicado na PLoS One foi comparar várias características entre as novas ossadas e os esqueletos de primatas da mesma época. O Darwinius masillae pertence aos adapiformes, um grupo de primatas extinto que se pensa estar mais próximo dos primatas inferiores como os lémures e mais distante dos grupos de primatas superiores que incluem os társios e os verdadeiros símios - macacos dos velho e novo mundo, antropóides e o Homem.

Mas Ida, que não tem mais do que 66 centímetros de comprimento, apresenta características que a afastam dos lémures e aproximam-na dos macacos superiores: não tem uma garra no segundo dedo do pé, nem dentes fundidos, os polegares dos pés são oponíveis e já apresenta o talus, um osso do tornozelo que aparece mais desenvolvido nos humanos. Estas características dão força a uma teoria que defende que os adapiformes estão incluídos no ramo que deu origem aos primatas superiores, levemente sustentada pelo artigo.

"Isto não é uma hipótese nova", explica Christophe Soligo. "Os Cercamoniinae (a subfamília dos adapiformes a que Darwinius pertence) tem sido durante muito tempo um dos grupos dos primatas do Eocénico que se teoriza ter estado na origem da evolução dos antropóides, apesar de esta hipótese se ter tornado menos popular nos últimos anos."


Embora haja no meio científico quem considere que o estudo tem lacunas quanto ao número de características que se compararam entre Ida e os outros fósseis, tanto o paleontólogo como Adam Rutherford, jornalista da "Nature" que escreveu um artigo de opinião a criticar a campanha mediática, defendem que o estudo apresentado na PLoS One é cauteloso.

"Houve coisas ditas sobre Ida que não estavam no artigo, que sofreu peer review [o processo de revisão dos artigos que é feito por outros especialistas na área e é fundamental no processo de produção científica]: quando dito pelos media, isso é mau jornalismo. Quando dito pelos cientistas, isso é perigoso e desrespeita o processo de revisão", explicou ao P2 por email o jornalista, que também edita os podcasts da Nature.

"O que neste caso parece ser paradigmático", aponta por outro lado Helena Mendonça, "é que fez-se o artigo o melhor possível, mas agora para a imprensa vai-se tornar isto numa grande bomba", refere a jornalista, que está a tirar o doutoramento sobre a relação entre o jornalismo e a ciência.

Em resposta a acusações parecidas, Jorn Hurum atenuou o significado do elo perdido. "Nós não estamos a alegar que [a Ida] é o nosso ancestral directo. Isso é de mais. Nós só existimos há poucos milhões de anos e a Ida esteve viva há 47 milhões de anos." Mas o cientista assume o espectáculo, que aliás, já tinha sido utilizado no Predador X, que segundo o paleontólogo é a melhor forma de pôr os miúdos interessados em paleontologia. "Qualquer banda pop ou atleta faz o mesmo tipo de coisas. Nós, na ciência, temos que começar a pensar da mesma forma", disse, citado pela "Times Online".

O norueguês defende ainda que o público deve ser o principal crítico da ciência, justificando desta forma a escolha da PLoS para publicar o artigo em detrimento de uma Nature ou Science, mais reputadas, mas com acesso limitado a assinantes ou a quem queira pagar pelo artigo, o que não acontece com a PLoS One que tem os conteúdos disponíveis gratuitamente.

"É difícil porque não há público que possa legitimar uma coisa destas", referiu Helena Mendonça em relação a esta posição do norueguês. "Nem acredito que outros antropólogos cá [em Portugal] possam olhar para o artigo e dizer que 'é verdade' ou 'não' o facto do elo perdido. Quem somos nós para dizer que isto é mau, no máximo poder-se-á dizer 'isto cheira mal'."

Rutherford põe no factor tempo a decisão final sobre o que representa o fóssil Ida. "Com o tempo, vamos compreender o que Ida é na realidade, e isso vai ser feito por cientistas motivados não por horários televisivos ou vendas de livros, mas pela procura do conhecimento, puro e simples", defendeu o jornalista, que apontou os blogues - e não os meios de comunicação tradicionais - como os locais de informação onde "mais uma vez" saíram as melhores notícias sobre o assunto.

"O problema com a apresentação da Ida é que foi demasiado grande em magnitude", desabafou o jornalista. "Algumas das declarações feitas pela equipa foram um absurdo, como compará-la à ida à Lua, à Mona Lisa ou ao Cálice Sagrado. Ela não é nada disso, mas é um fóssil verdadeiramente notável. Pessoalmente, acho que ela não precisa de nenhuma hipérbole, porque é impressionante."
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Emprego Docente

Noticias da Educação

Recomendamos ...