domingo, 4 de setembro de 2016

Os dias estão mais curtos

Primeiro o Haiti, com cerca de 300 mil mortos. Depois o Chile, com centenas de vítimas, e Japão, onde, por sorte, não ninguém morreu. Em pouco mais de um mês a Terra tremeu como nunca se viu.

Mas foi o terramoto chileno o que maiores repercussões teve no Planeta, libertando energia equivalente a vinte mil milhões de toneladas de TNT (1333 vezes a potência da bomba de Hiroxima) – a Terra tremeu nas latitudes abaixo do Equador.

Segundo a NASA, o sismo pode ter encurtado a duração do dia na Terra em cerca de 1,26 microssegundos (um microssegundo é a milionésima parte de um segundo). A conclusão é de uma equipa de cientistas liderada por Richard Gross que fez os seus cálculos através de um complexo modelo computadorizado. Investigadores alemães já contestaram esta teoria.

Segundo Richard Gross, os terramotos podem deslocar até centenas de quilómetros de rochas, o que modifica a distribuição da massa no Planeta, afectando a rotação da Terra. O cientista calcula que o abalo sísmico tenha movido o eixo do Planeta (eixo imaginário sobre o qual a massa da Terra se mantém equilibrada) cerca de oito centímetros.

Ao contrário do terramoto de Sumatra, em 2004, que provocou o maior tsunami da história e também pode ter reduzido a duração do dia em 6,8 microssegundos, o sismo chileno aconteceu nas latitudes abaixo do Equador, o que o torna mais eficaz na mudança do eixo do Planeta.

Por outro lado, a falha (placa tectónica) responsável pelo sismo chileno é mais profunda e num ângulo ligeiramente mais acentuado do que a falha responsável pelo terramoto de Sumatra. Isso faz com que a falha no Chile seja mais eficaz para deslocar verticalmente a massa da Terra e a sua mudança de eixo.

Por causa destes dois sismos – o do Chile, com magnitude de 8.8 na Escala de Richter e o de Sumatra que chegou aos 9.1 – o dia deixou de ter 24 horas. De salientar, porém, que esta alteração não tem impacto na segurança do Planeta.


Os efeitos colaterais do sismo do Chile ainda não terminaram. Primeiro foi o alerta de tsunamis no Pacífico (que não tiveram a intensidade esperada), agora é a hipótese de erupções vulcânicas explosivas, outro dos fenómenos mais destrutivos da natureza. Será bom recordar que o Chile possui 123 vulcões activos, 60 deles com actividade durante os últimos séculos, incluindo dois dos mais violentos da América do Sul: Villarrica e Llaima. Foi Charles Darwin um dos primeiros cientistas a sugerir a relação entre os fenómenos, e hoje os cientistas confirmam que depois dos terremotos de 1906 e 1960 (com magnitudes de 8.3 e 9.5, respectivamente) a frequência de erupções vulcânicas desses anos se multiplicou por quatro numa área de 500 km em redor dos epicentros.

Mário G
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Emprego Docente

Noticias da Educação

Blogues

Recomendamos ...