terça-feira, 6 de setembro de 2016

Os planetas telúricos

Os planetas telúricos possuem um núcleo formado por elementos metálicos e têm um diâmetro menor ou próximo do da Terra. São constituídos por materiais sólidos e apresentam-se estruturados em camadas com densidade elevada. As atmosferas, se existem, são pouco extensas quando comparadas com as dimensões dos respectivos planetas. Situam-se mais próximo do sol e têm maior densidade que os planetas gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno). Mercúrio, Vénus, a Terra e Marte são planetas telúricos.



Manifestação da actividade geológica
Os planetas do Sistema Solar foram criados sensivelmente ao mesmo tempo, partindo de uma nebulosa primitiva original, há cerca de 4600 milhões de anos. Mercúrio, Vénus, a Terra e Marte apresentam características semelhantes no que diz respeito ao tamanho, massa, densidade, número de satélites naturais e estrutura interna. No entanto, embora existam várias semelhanças entre eles, cada um possui as suas próprias características morfológicas, geológicas e ambientais:

Métodos utilizados na geologia planetária
Como qualquer ciência, a geologia planetária recorre a metodologias específicas e tem como ciências auxiliares a Física, a Química, a Óptica e a Topografia, entre outras. Os vários parâmetros utilizados pela geologia planetários são os seguintes: Estrutura interna dos planetas, mediante estudos de densidade, campos gravitacionais e magnético, sismologia, temperatura e meteoritos. Cartografia com recurso a fotografias, imagens por radar e comparação com estruturas da terra. Composição, fazendo uso de análises directas e análises espectrais remotas. Cronologia relativa e, se possível, absoluta, com utilização de métodos isotópicos. O estudo da morfologia e formas presentes nos planetas é feita através do processo da comparação com estruturas existentes no planeta Terra. Conhecendo as estruturas, é possível saber o que lhes deu origem, partindo do princípio que forças idênticas às da Terra se podem aplicar a outros planetas. Assim sendo, foram definidos três tipos de estruturas: endógenas, exóticas e exógenas.
As estruturas endógenas resultam de processos e forças que actuam no interior dos planetas. As exógenas são originadas por processos que ocorrem na superfície do planeta. As estruturas exóticas têm origem exterior ao planeta. Os planetas telúricos podem ser classificados como geologicamente activos e geologicamente inactivos. A Terra é um planeta bastante activo e Vénus apresenta alguma actividade vulcânica e sísmica. Mercúrio e Marte são considerados planetas geologicamente inactivos.

A energia necessária para a actividade geológica interna provém: 
-da radioactividade, que se deve ao decaimento de certos elementos existentes no núcleo terrestre, que libertam grandes quantidades de energia;
-da contracção gravitacional, que tem origem na posição combinada da Terra, do sol e da lua e que interfere nos campos gravíticos destes astros;
-do bombardeamento primitivo onde se acumulou grandes quantidades de energia no interior da Terra e que gradualmente se tem vindo a libertar.

A actividade geológica externa provém:
-do sol - esta estrela introduz a energia necessária para activar os agentes que modelam a superfície da terra.
dos impactos - ainda hoje a Terra é bombardeada por corpos vindos do espaço.

Sistema Terra-Lua, um exemplo paradigmático
No espaço, a Lua é o mais próximo vizinho natural da Terra. Pensa-se que ambas se tenham formado separadamente. A Lua, provavelmente, condensou-se a partir de uma nuvem de matéria quente, pouco depois da formação da Terra, há mais de quatro mil milhões de anos. Como existe uma forte ligação gravitacional, entre estes dois corpos, muitos investigadores referem-se a estes planeta como um «planeta duplo».
A Terra, ou planeta azul, é o único planeta solar onde se conhece vida. Os valores médios de distância ao sol, a temperatura superficial, a existência de água no estado líquido, a densidade da atmosfera e a existência da camada do ozono são factores propícios para a existência de uma enorme biodiversidade.
A Lua é conhecida pelo seu corpo rochoso, marcado por inúmeras crateras, que se pensa terem sido formadas pelos impactos de meteoritos. Em alguns locais, as erupções vulcânicas produziram as planícies escuras de lava. Os primeiros astrónomos deram nomes latinos às diversas regiões. Às regiões mais escuras, desprovidas de relevo, deram o nome de maria que significa «mares». Sabemos agora que a Lua não tem mares nem água, estas vastas superfícies são planícies poeirentas. A Lua é um mundo morto, pois é desprovida de ar, de água e a vida, tal como a conhecemos, não existe sem água.
A Lua gira em torno do seu eixo durante o mesmo período de tempo que demora a descrever uma órbita em redor da Terra, pelo que conserva permanentemente a mesma face voltada para nós. Um grande mistério da Lua é o facto de o seu lado oculto ser completamente diferente daquele que vemos: quase toda a superfície é montanhosa, coberta de crateras e sem os grandes «mares». Não existe qualquer explicação para esta diferença.
A Lua tem 3476 quilómetros de diâmetro, ou seja, menos de um terço do da Terra, e a sua distância ao planeta que habitamos é de 384 400 quilómetros. As suas temperaturas são algo difíceis, com 100ºC à luz do Sol e 150ºC negativos durante a noite. A Lua é muito mais pequena que a Terra, pelo que a sua força gravitacional é relativamente fraca, incapaz de conservar uma atmosfera.
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Emprego Docente

Noticias da Educação

Recomendamos ...