quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Réptil marinho do Jurássico mordia mais do que o T-rex

“Podia ter comido qualquer coisa que lhe aparecesse à frente”, disse Espen Madsen Knutsen, da Universidade de Oslo, na Noruega. E dará um óptimo vilão no próximo filme com gigantes do passado, propomos nós. O maior pliossauro de sempre nadou nos mares da Terra há 147 milhões de anos, no Jurássico, e foi descoberto de relance, no último dia em que a expedição de cientistas noruegueses esteve no arquipélago de Svalbard, no Árctico, em 2007.

A equipa tem descoberto várias espécies de pliossauros na região. Dessa vez foi o líder da equipa, Jørn Hurum, do Museu de história Natural da Universidade de Oslo, que viu um grande osso a sair da terra. O ponto ficou marcado no GPS, no ano seguinte os paleontólogos voltaram e passaram alguns meses a estudar parte do crânio e 20.000 fragmentos fossilizados do esqueleto de uma nova espécie.

Segundo os paleontólogos, a criatura tinha 15 metros de comprimento, pesava 45 toneladas e tinha uma fileira de dentes com 30 centímetros. “Este era mesmo grande. Temos partes da mandíbula inferior que são enormes”, explicou Madsen, citado pelo jornal britânico "The Guardian". Os pliossauros eram um grupo de répteis marinhos que viveram durante a era dos dinossauros e extinguiram-se no final do Cretácico, há 65 milhões de anos. Tinham normalmente uma cabeça grande, pescoços pequenos e quatro barbatanas que serviam para nadar.

A cabeça da nova espécie tinha o dobro do tamanho da de um Tyrannosaurus rex. O réptil nadava normalmente utilizando as duas barbatanas dianteiras e só se servia das quatro para dar um impulso rápido quando queria abocanhar uma presa. A equipa, com a ajuda do biólogo Greg Erickson, da Universidade da Florida (EUA), descobriu que uma mordida do monstro teria quatro vezes mais força do que a do T-rex. Até o carnívoro poderia tornar-se comida se caísse nos mares do Jurássico.
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Emprego Docente

Noticias da Educação

Recomendamos ...