terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Biografia - Adérito Sedas Nunes

Licenciado em Economia e Finanças pelo ISCEF (1955), onde começou a carreira acadêmica, passou, em 1973, para o ISCTE. Lecionou também na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Fundou e dirigiu o Gabinete de Investigações Sociais da Universidade de Lisboa e a sua revista Análise Social. Fez parte da "ala liberal" na Câmara Corporativa (1969 l973), foi presidente da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (1976-1977) e ministro da Cultura e Ciência e da Coordenação Cultural no V Governo Constitucional (1979-1980). Foi o grande renovador e impulsionador das modernas Ciências Sociais em Portugal, muito particularmente da Sociologia. Obras principais: Situação e Problema do Corporativismo (1954), Sociologia e Ideologia do Desenvolvimento (1968), A Situação Universitária Portuguesa (1971) e Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais (1972).


Noticia retirada daqui

Vídeo - Isto É Matemática T01E05 O paradoxo do barbeiro - parte 1

Fotografia - Pormenor do painel do Campo Alegre


Notícia - Rãs mudam de sexo quando expostas a pesticida

As rãs do sexo masculino mudam de sexo quando expostas a um pesticida comum e relacionam-se com outros machos, ao ponto de serem capazes de produzirem ovos.

A conclusão é do estudo divulgado pela revista norte-americana ‘Proceedings of the National Academy of Sciences’, que expôs os animais a um produto que é utilizado há muitos anos em plantações agrícolas.

Em consequência, 10 por cento das rãs estudadas mudaram completamente de sexo, algo que é inédito. Anteriormente, animais como pássaros e peixes já tinham desenvolvido os dois sexos, mas nunca se tinha tegistado uma mudança radical.

Os machos registaram mudanças no comportamento reprodutivo, diminuição da produção dos espermatozóides e da testosterona.

O estudo foi, entretanto, questionado por alguns dos produtores de pesticidas, que negam efeitos tão profundos.




R.P.V

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Biografia - John Locke

Filósofo inglês, iniciador do iluminismo.
Nasceu em 29 de Agosto de 1632 em Wrington, Inglaterra ; 
morreu em Oates em 28 de Outubro de 1704.

Filho de um advogado e proprietário rural do Somerset, no sudoeste de Inglaterra, que se transformou em capitão de cavalaria durante a Guerra Civil, Locke despertou muito cedo para os problemas da vida política inglesa da sua época. Mas os problemas políticos não influenciaram em nada o decurso da sua educação. Entrou para a escola de Westminster em 1646, tendo ido para Oxford para o Colégio de Christ Church em 1652, tendo aí vivido até 1684. Parece ter-se preparado para entrar na vida clerical, mas sabe-se que recusou um futuro cargo em 1666, ano em que pediu dispensa das ordens para continuar os seus estudos. Num dado momento começou a estudar medicina, tendo-se licenciado em 1674. 

Em 1666 conheceu Lord Ashley, conde de Shaftesbury em 1672, passando a integrar a casa do aristocrata, chefe do partido Whig. Dirigiu, ou realizou, uma operação que salvou o seu patrono o que lhe abriu as portas da Royal Society. A sua posição junto de Ashley tornou-se assim indispensável, tendo negociado o casamento do seu herdeiro e tornando-se o seu tutor, apoiou o conde nas suas obrigações, tanto na administração dos seus interesses privados, como nos do serviço público. Assim, quando Shaftesbury foi nomeado Lorde Chanceler, Locke tornou-se o seu secretário para a apresentação de benefícios, sendo nomeado no ano seguinte, em 1673, secretário da Junta de Comércio, que abandonou em 1675 devido à queda política do seu protector.

A vida política de Locke fê-lo viajar bastante. Visitou a Alemanha em 1666, quando acompanhou uma embaixada inglesa à corte prussiana, durante a primeira Guerra contra a Holanda. Em 1675 foi viver para França, realizando algumas excursões, mas tendo vivido sobretudo em Montpellier. Foi nesta cidade que começou a tomar forma o seu Ensaio sobre o Entendimento Humano, obra que começou em 1671 e que só será publicado em 1690. Regressado a Inglaterra em 1679, exilou-se na Holanda em Agosto de 1683, depois de uma breve passagem por França, devido às posições políticas de Ashley que, em luta aberta contra o rei católico de Inglaterra, Jaime II, se tinha exilado no mesmo país, e aí morrido no ano anterior.

Na Holanda, andando de cidade em cidade, para fugir à prisão, requerida pela Inglaterra, conheceu Philip van Limbroch, dirigente de uma seita protestante, teólogo liberal a quem foi dedicada a Carta sobre a Tolerância, Epistola de Tolerantia no seu nome original latino. Foi aqui que terá concluído o seu Ensaio, pouco tempo antes de regressar a Inglaterra acompanhando a futura rainha Maria, em Fevereiro de 1689.

O novo regime quis reconhecer os serviços e nomeou-o embaixador ou para Berlim ou para Viena, à sua escolha, mas Locke recusou devido ao «ar frio» e às «bebidas quentes». Foram-lhe propostos outros cargos menos importantes, que aceitou, como o de comissário de comércio. Mesmo ocupando cargos públicos, que o obrigavam a estar em Londres, foi viver para o campo, para Oates, para casa de Francis Masham, casado com a filha do célebre filósofo platónico de Cambridge, Cudworth. Aí viveu até à sua morte, acontecida em 1704.

Biografia retirada daqui

3ºAno - Estudo do Meio - Ficha de Avaliação - Os Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Conteúdo - Os computadores numa empresa


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biografia - Albert Einstein

Vídeo - Isto é Matemática T01E04 - O efeito borboleta

Fotografia - Três aspectos do 25 de Abril em Lisboa


Desenhos para colorir - Outono


Biografia - Amor Electro


Amor Electro é uma banda portuguesa, com Marisa Liz (ex Donna Maria) na voz.

Em Maio de 2011 lançam o primeiro disco Cai o Carmo e a Trindade. O disco entrou directamente para o quarto lugar do top de vendas em Portugal, chegando depois ao primeiro lugar.

Foi anunciado a 19 de setembro de 2011, que a banda estava nomeada para os prémios MTV Europe Music Awards, na categoria "Best Portuguese Act".

Foram nomeados para o título de Best Portuguese Act nos MTV Europe Music Awards de 2012,que viria a ser ganho pela cantora Aurea.

Em Janeiro de 2013 foram galardoados na Holanda com o EBBA – European Border Breakers Award 2013. Ainda nesse ano lançaram o disco (R)evolução que inclui 8 temas originais e 2 versões.

A banda é nomeada para melhor canção, com "Só é fogo se queimar", nos Globos de Ouro da SIC.

Em 2014 são convidados a fazer o genérico da novela Mar Salgado (SIC) na qual surge a reedição do álbum de 2013 (R)evolução. O single foi apresentado no Último Jornal (SIC).

Ainda em 2014 são os convidados especiais do programa infanto-juvenil The Voice Kids na RTP 1.

Álbuns
2011 - Cai o Carmo e a Trindade
2013 - Revolução

Singles
A Máquina
Rosa Sangue
A Nossa Casa
Só é fogo se queimar
Mar Salgado
Meia-Noite(2015)

Notícia - Busca de vida em lago subglacial na Antártica


Aproveitando a luz de Sol de dia e noite, do mês de Dezembro na Antártica, investigadores britânicos lançaram uma expedição para recolher amostras de um lago isolado do mundo pelo gelo.

Investigadores britânicos deram início a uma expedição na Antártica para procurar vida num lago isolado há milhões de anos por baixo da camada de gelo com três quilómetros de espessura. A equipa instalou acampamento por cima da camada de gelo do lago Ellsworth para aproveitar o sol de 24 horas diários desta região no mês de Dezembro. 

Nos próximos dias irão perfurar o gelo, com ajuda de água quente, até chegarem ao lago subglacial e recolher amostras de água e de sedimentos que podem ter estado isolados do resto do mundo ao longo de milhões de anos e pelo menos 100 mil anos. 

Encontrar formas de vida em ambientes extremamente inóspitos, comparativamente com os consideramos apropriados para a existência de vida, é desde logo uma prioridade deste projecto e que permitira trazer mais dados novos para a compressão da existência de vida, não só na Terra como para outros planetas.  

O lago Ellsworth é um de 360 lagos subglaciais da Antártica, formados quando o calor do interior do planeta derreteu a base do glaciar. Estes lagos têm condições de oxigénio nulas, fraca disponibilidade de nutrientes, escuridão total e um intensa pressão. 

Mas para além das eventuais formas de vida, os investigadores pretendem recolher grandes quantidades de informação como dados da alteração do ambiente ao longo do tempo através dos sedimentos a recolher.  

Fonte: Nuno Leitão/Gaurdian

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Biografia - Nicolau Maquiavel

Filósofo político do século XVI.
Nasceu em Florença a 3 de Maio de 1469, e 
morreu em 20 de Junho de 1527.

Nada se sabe da sua vida antes de entrar ao serviço da República de Florença, após a queda do governo clerical de Sovanorola, para além de ser filho de um jurista. Maquiavel serviu na administração da República de Florença, de 1498 a 1512, na segunda Chancelaria, tendo substituído Adriani, e como secretário do Conselho dos Dez da Guerra (Dieci di Libertà et Pace), a instituição que na Signoria tratava da guerra e da diplomacia. Tornou-se um conhecedor profundo dos mecanismos políticos e viajou incessantemente participando em vinte e três embaixadas a cortes italianas e europeias, conhecendo vários dirigentes políticos, como Luís XII de França, o Papa Júlio II, o Imperador Maximiliano I, e César Bórgia.

Em 1500 foi enviado a França onde se encontra com Luís XII e com o Cardeal de Orleães. A sua missão mais memorável, acontecida em 1502 quando visitou César Bórgia estabelecido na Romagna, foi objecto de um relatório de 1503 intitulado «Descrição da Maneira empregue pelo Duque Valentino [César Bórgia] para Matar Vitellozzo Vitelli, Oliverotto da Fermo, Signor Pagolo e o Duque de Gravina, Orsini», no qual descreveu com uma precisão cirúrgica os assassinatos políticos do filho do Papa Alexandre VI Bórgia, explicando subrepticiamente a arte política ao principal dirigente de Florença, o indeciso e timorato Pier Soderini.

Maquiavel casou em 1502 com Marietta Corsini, de quem teve quatro filhos e duas filhas.

Em 1504 regressa a França, e no regresso, inspirado nas suas leituras sobre a História Romana, apresenta um plano para a reorganização das forças militares de Florença, que é aceite. Em 1508 é enviado à corte do imperador Maximiliano, estabelecido em Bolzano, e em 1510 está de novo em França. Em 1509 dirigiu o pequeno exército miliciano de Florença para ajudar a libertar Pisa, missão que foi coroada de sucesso. Em Agosto de 1512, devido à invasão espanhola do território da república, a população depôs Sonderini e acolheu os Médici.

Maquiavel foi demitido em 7 de Novembro, devido à sua ligação ao governo republicano, retirando-se da vida pública. Tendo-se tornado suspeito, em 1513, de envolvimento numa conspiração contra o novo governo, foi preso e torturado. Tirando algumas nomeações para postos temporários e sem importância, em que se conta em 1526  uma comissão do Papa Clemente VII para inspeccionar as muralhas de Florença, e do seu amigo Francesco Guicciardini, Comissário Papal da Guerra na Lombardia, que o empregou em duas pequenas missões diplomáticas, passou a dedicar-se à escrita, vivendo em San Casciano, a alguns quilómetros de Florença. 

Em Maio de 1527, tendo os Médici sido expulsos de Florença novamente, Maquiavel tentou reocupar o seu lugar na Chancelaria, mas o posto foi-lhe recusado devido à reputação que O Príncipe já lhe tinha granjeado. Pouco tempo depois morreu, pouco tempo depois do saque de Roma.

Duas das obras de Maquiavel foram publicadas em vida, La Mandragola (A Mandrágora), de 1515, publicada em 1524, um grande sucesso na época, ainda hoje considerada uma das mais brilhantes comédias italianas, e o tratado Arte della guerra ( A Arte da Guerra), de 1519-1520, que tem como cenário as reuniões intelectuais dos Ortii Oricellari (Jardins de Rucellai), local onde se reunia a Academia Florentina e onde tinha sido colocada a estatuária retirada aos Médici.

Foi neste cenáculo que Nicolau Maquiavel leu uma versão dos seus Discorsi sopra la prime deca di Tito Livio (Discursos sobra a primeira década de Tito Lívio), escritos em 1517 e publicados em 1531. As suas outras obras incluem a Vita di Castruccio Castracani (1520), um condottieri que governou Lucca de 1316 a 1328,  uma Istorie Fiorentine (escrita entre 1520 e 1525), as comédias Clizia (escrita por volta de 1524) e Andria, o conto Belfagor, e a sua mais conhecida obra Il Principe (O Príncipe) escrito 1513 e publicado em 1531.

O Príncipe é um tratado político em 25 capítulos com uma conclusão que propõem a libertação da Itália das intervenções de franceses e de espanhóis, considerados bárbaros. Escrito originalmente em 1513 e dedicado a Giuliano de Médici, em 1516 passou a ser dedicado ao sobrinho deste Lorenzo, antes deste se tornar duque de Urbino.

Fonte:
Enciclopédia Britânica

Vídeo - Isto é Matemática T01E03 - O bilhar, o dentista e o Teatro São Carlos

Fotografia - Pormenor do painel da Avenida Fernão Magalhães


Conteúdo - Autismo - Comunicação


Cerca de um terço da metade dos indivíduos com autismo não se desenvolvem o suficiente para ter uma fala natural e que satisfaça suas necessidades diárias de comunicação. As diferenças na comunicação podem estar presentes desde o primeiro ano de vida e podem incluir o início tardio do balbucio, gestos incomuns, capacidade de resposta diminuída e padrões vocais que não estão sincronizados com o cuidador. No segundo e terceiro anos, as crianças com autismo têm menos balbucios frequentes e consoantes, palavras e combinações de palavras menos diversificadas; seus gestos são menos frequentemente integrados às palavras. As crianças com autismo são menos propensas a fazer pedidos ou compartilhar experiências e são mais propensas a simplesmente repetir as palavras dos outros (ecolalia) ou reverter pronomes, trocando o "eu" pelo "você", por exemplo. A atenção conjunta geralmente tem prejuízo, fazendo com que não apontem um objeto que julguem interessante com o intuito de comentar ou compartilhar a experiência com alguém, bem como não demonstrem interesse no que outra pessoa deseja compartilhar. Déficits de atenção são comuns em crianças com ASD. As crianças com autismo podem ter dificuldade em jogos imaginativos e com o desenvolvimento de símbolos em linguagem.

Em um par de estudos, as crianças autistas altamente funcionais entre 8 e 15 anos de idade concluíram igualmente bem ou melhor individualmente do que os adultos pareados, em tarefas de linguagem básica que envolvem vocabulário e ortografia. Ambos os grupos autistas desempenharam pior do que os controles nas tarefas complexas da linguagem como a linguagem figurativa, compreensão e inferência.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Biografia - Biografia de Hawking

3ºAno - Estudo do Meio - Ficha de Trabalho - O Sistema Solar


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Manual - A História da Informática


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Fotografia - Pormenor do painel do Campo Alegre


Conteúdo - Autismo - Desenvolvimento social


Déficits sociais distinguem o autismo dos transtornos do espectro do autismo de outros transtornos do desenvolvimento. As pessoas com autismo têm prejuízos sociais e muitas vezes falta a intuição sobre os outros que muitas pessoas consideram trivial. A notável autista Mary Temple Grandin descreveu sua incapacidade de compreender a comunicação social de neurotípicos (nomenclatura utilizada para se referir a pessoas com o desenvolvimento neural normal), como "sentindo-se como uma antropóloga em Marte".

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Notícia - Segredo dos ursos para hibernar pode ajudar na medicina

Todos os Invernos o urso-preto deita-se durante cinco a sete meses para evitar a temporada fria e volta durante a Primavera, em forma e pronto para caçar. Os cientistas descobriram o que acontece durante a hibernação e acreditam que este método poderá vir a ser aproveitado na medicina e até em viagens interestelares. O estudo foi publicado hoje na revista científica Science.

Já se conhece bem o sistema de hibernação dos pequenos mamíferos, que durante os longos meses de Inverno enroscam-se numa toca e adormecem longamente. A temperatura baixa muito: cada vez que a actividade do organismo diminui para metade, a temperatura baixa dez graus. No urso-preto, Ursus americanus, a hibernação passa-se de forma diferente.

“O metabolismo do urso-preto abranda 75 por cento, mas a sua temperatura corporal só diminuiu cinco a seis graus”, disse em comunicado Øivind Tøien, cientista do Instituto de Biologia do Árctico, da Universidade do Alasca de Fairbanks, que fica no Alasca, Estados Unidos.

A equipa de cientistas estudou cinco ursos-pretos que foram capturados quando se aproximaram demasiado de povoações e colocaram-nos em covis artificiais feitos de madeira e com palha lá dentro. Os ursos hibernaram durante cinco meses.

Durante este tempo, a equipa mediu a temperatura, o batimento cardíaco e a actividade muscular, através de transmissores de rádio implantados nos mamíferos. O covil era observado com câmaras de infra-vermelhos e tinha detectores de oxigénio, dióxido de carbono e de movimento.

“Sabíamos que os ursos baixavam a sua temperatura corporal durante a hibernação, mas descobrimos que estes ursos-pretos regulam a sua temperatura através de ciclos variáveis ao longo de um período de vários dias”, explicou o cientista.

A temperatura média desta espécie, quando estão activos, é de cerca de 37 graus célsius. Durante os meses de hibernação, o que a equipa verificou, é que os mamíferos vão baixando gradualmente a temperatura do corpo até aos 30 graus.

Quando chegam a este valor, os ursos começam a tremer e a temperatura vai subindo devagar até aos 36 graus. Esta subida demora entre dois a sete dias. Assim que os animais alcançam os 36 graus param de tremer e a temperatura começa a decair outra vez, iniciando um novo ciclo.

Esta variação é acompanhada por uma respiração e batimento cardíaco irregular. Durante a hibernação, os ursos batem o coração 14 vezes por minuto, em vez das 55 vezes, quando estão activos. “Eles têm um batimento cardíaco quase normal quando inspiram. Mas entre as respirações, os batimentos ficam muito lentos”, explicou Tøien. Nestas ocasiões, o coração chega a ficar parado durante 20 segundos.


Ao longo dos meses, os ursos não comem, bebem, não urinam ou defecam. Entre duas vezes por dia até uma vez de dois em dois dias, os mamíferos levantam-se, rearranjam a cama e voltam a deitar-se, com a temperatura a subir em média até aos 33 graus.

Quando a temporada de hibernação termina, os ursos não retomam o metabolismo normal imediatamente, demoram até três semanas a ficarem totalmente acordados. Mas não têm perda nenhuma de massa muscular, tecido ósseo, estão perfeitamente em forma.

A equipa defende que esta “técnica” pode ser utilizada para a medicina humana. “Se descobríssemos a base molecular e genética desta protecção, há a possibilidade de desenvolvermos novas terapias para prevenir a osteoporose, a atrofia muscular ou até para colocarmos as pessoas feridas num tipo de animação reduzida ou suspensa até poderem ter um tratamento médico avançado”, disse Brian Barnes, cientista sénior e um dos responsáveis pela investigação.

Craig Heller, um investigador sénior da Universidade de Stanford que também integrou a equipa, vai mais longe e toca na ficção científica. “Sempre houve a ideia, de que se alguma vez existir viagens espaciais de longa distância, seria bom colocar as pessoas num estado de menor metabolismo ou de animação suspensa – isto é quase ficção científica, mas pode-se ver a lógica”, disse, citado pelo Guardian.

Fotografia - Pormenor do painel da Rua Passos Manuel


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Conteúdo - Índia


O período entre o quinto e nono século d.C foi a mais brilhante época no desenvolvimento da filosofia indiana, hindu e budista, filosofias que floresceram lado a lado.

Destas várias escolas de pensamento, a não-dualista Advaita Vedanta emergiu como a mais influente e a escola mais dominante. Os principais filósofos dessa escola foram Gaudapada, Adi Shankara e Vidyaranya.

Advaita Vedanta rejeita o teísmo e o dualismo, insistindo que Brahma a realidade final é sem partes ou atributos... um sem um segundo. Uma vez que Brahma não tem propriedades, não contém diversidade interna e é idêntico com o conjunto da realidade, não pode ser entendido como Deus. Brahma apesar de ser indescritível é melhor descrito como Satchidananda (Existência, Consciência e Bem-Aventurança) por Shankara.

Advaita inaugurou uma nova era na filosofia indiana e, como resultado, muitas novas escolas de pensamento surgiram no período medieval.

Biografia - Lise Meitner (1878-1968)


Química e investigadora austríaca, deu grande glória ao seu país de adopção (Suécia). Pelo facto de ser judia, foi uma das muitas pessoas forçadas ao exílio, como Fritz Lang, Albert Einstein, ou como a matemática Emmy Noether. Lise Meitner, em 1938, partiu para a Suécia, depois da Áustria ter sido anexada pela Alemanha. No seu país chegou a dirigir o Instituto Kaiser Wilhelme. Foi docente da Universidade de Berlim. Estudou e fez investigação com o químico Otto Hahm, que recebeu o Prémio Nobel da Química, em 1944, quando diversas vozes se levantaram, dizendo que o prémio deveria ter sido partilhado pelos dois. Estudou a fusão nuclear. Defendeu o uso da energia nuclear para fins de paz e progresso. Recebeu cinco vezes o doutoramento honoris causa. Concederam-lhe a prestigiada medalha de ouro de Max Plank (célebre físico alemão). As suas investigações despertaram grande apreço pela sociedade científica do Reino Unido, onde viveu e morreu.

Biografia retirada daqui

Notícia - Abutres subnutridos aproximam-se das pessoas em zonas urbanas no Alentejo


Tornou-se um fenómeno recorrente no interior alentejano, sobretudo nesta altura do ano, o aparecimento de grifos poisados em praças e ruas dos centros urbanos apresentando evidentes sinais de subnutrição. A primeira reacção das pessoas é de medo, dada a corpulência desta ave, que tem contra si um imaginário ligado à morte. Isto acontece desde que a legislação comunitária determinou, em 2003, a recolha dos cadáveres de animais como medida profiláctica contra a transmissão de doenças como a BSE ou a tuberculose animal.

O efeito desta decisão passou a afectar as populações das três espécies de abutres existentes em Portugal: o grifo (Gyps fulvus), o abutre-negro (Aegypius monachus) e o abutre-do-egipto (Neophron percnopterus), e de outras aves com hábitos necrófagos, nomeadamente a águia-imperial (Aquila heliaca adalberti).

Assim, e à medida que as regras sanitárias se foram tornando cada vez mais restritivas, obrigando a que as carcaças dos animais mortos fossem retiradas dos campos para serem eliminadas, criou-se um problema grave de escassez de alimento para estas aves selvagens protegidas, forçando-as a procurar alimento em zonas habitadas.

O exemplo mais recente aconteceu em Reguengos de Monsaraz. Militares do Núcleo de Protecção Ambiental (NPA) recuperaram no dia 7 de Dezembro um grifo que foi encontrado na Zona de Peixinhos, Vila Viçosa, “apresentando sinais de subnutrição, o que não lhe permitia voar”, adiantou ao PÚBLICO o capitão Ricardo Samouqueiro, oficial de Comunicação e Relações Públicas do comando de Évora da GNR.

A ave foi tratada, alimentada e entregue na delegação do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas no Parque Natural do Vale do Guadiana, em Mértola, para avaliação, recuperação e posterior devolução ao seu habitat natural.

Nos finais de Novembro, uma equipa do NPA de Montemor-o-Novo recolheu outro grifo também em estado de subnutrição. Foi enviado para o Centro de Recuperação de Aves de Santo André, no litoral alentejano.

Ricardo Samouqueiro confirma que os animais se “aproximam das pessoas porque têm fome”, mas não têm representado uma ameaça para a integridade física dos cidadãos, apesar da envergadura das suas asas, observa.

Dário Cardador, responsável pelo Centro de Recuperação de Animais Selvagens de Santo André, adiantou ao PÚBLICO que não se registou até agora “um número anormal de entradas de abutres” naquele centro, que ascendem, até agora, a apenas dois exemplares, um recolhido em Montemor-o-Novo e outro que tinha “pousado exausto e com fome em cima de uma bóia de pesca em pleno mar”, conta o dirigente da Quercus. O grifo foi visto pelos pescadores a cair ao mar, apanharam-no e levaram-no para o centro de recuperação onde neste momento estão três necrófagos.

Os sucessivos alertas lançados, nomeadamente pelas organizações ambientalistas, junto das autoridades da União Europeia, procurando sensibilizá-las para o impacto que estava a ter a escassez de alimentos para as espécies necrófagas, levaram a que a legislação fosse alterada em 2011. Os agricultores passavam a poder deixar de novo nos campos as carcaças dos animais mortos, mediante regras específicas, uma prática que estava proibida desde 2002, na sequência da doença das vacas loucas.

Contudo, a Estratégia Nacional de Conservação de Aves Necrófagas, que esteve em consulta pública no passado mês de Setembro, “continua na gaveta” salientou Samuel Infante, da Quercus, confirmando que a escassez de alimentos se “agudizou” em 2015, provocando uma concentração “anormal” de abutres nos três campos de alimentação que a organização ambientalista instalou no Tejo Internacional. “Só num dia contámos 270 animais provenientes até de Espanha e de uma área de 100 quilómetros em redor.”

O dirigente da Quercus diz que diariamente são recolhidos em Portugal cerca de 1000 cadáveres de animais, uma operação que custa ao erário público “mais de 26 milhões de euros para produzir farinhas e gordura destinada à produção de energia”.

A falta de alimento está a potenciar, nalguns pontos do interior do país, ataques das aves necrófagas a crias de bovinos acabadas de nascer. Os produtores, alarmados, “recorrem ao abate das aves ou ao seu envenenamento”, denuncia Samuel Infante.

No sul do país só existe um campo de alimentação para abutres, na herdade da Abóbada em Vila Verde de Ficalho, propriedade do Estado. Havia outro em Beja mas está desactivado.

Artigo retirado daqui

Fotografia - Pormenor do painel da Avenida Fernão Magalhães


Desenhos para colorir - Outono


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

3ºAno - Estudo do Meio - Ficha de Trabalho - Função Digestiva


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Manual - Guia de controlo parental e-escolinha


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Notícia - Dupla de biólogos ibérica descobre nova espécie de escaravelho na Serra de Monchique


A dupla de biólogos formada por Amália Espiridão Oliveira (Universidade de Évora) e Vicente Ortuño (Universidade de Alcalá – Madrid) descobriu uma nova espécie escaravelho no sítio Rede Natura 2000 da Serra de Monchique, a que deu o nome Microlestes alljezurensis.

O escaravelho da família Carabidae, que é descrito num artigo agora publicado na revista Zootaxa, distingue-se das outras seis espécies do mesmo género que ocorrem em território nacional, devido a três características anatómicas - presença nos machos de: pequenos dentes nas patas, uma ranhura no último segmento abdominal, e um dente na face ventral do órgão reprodutor.

Os vários exemplares de M. aljezurensis que permitiram esta descrição foram capturados entre abril e junho, numa área de apenas 9 km2 a baixa altitude (150-230 m), em zonas de montado de sobro com e sem esteva e em manchas arbustivas em que predominavam o medronheiro, a esteva, a roselha e espécies do género a que pertence rosmaninho.

A descoberta da nova espécie de escaravelho aconteceu no âmbito do trabalho de campo do projeto de doutoramento de Amália Espiridão, intitulado “A comunidade de Carabidae do Sitio RN2000 da Serra de Monchique”.

A mais recente descrição científica de uma espécie nova do género Microlestes antes de M. aljezurensis na Península Ibérica, onde ocorrem 16 espécies, tinha acontecido em 1941. No presente artigo, para além da descrição científica da espécie, é apresentada uma chave de identificação atualizada das espécies do mesmo género que ocorrem na Península Ibérica, uma vez que a chave disponível datava de 1927. 

Fonte: Filipa Alves/Zootaxa

Fotografia - Pormenor do painel do Campo Alegre


Ficha de Trabalho - Exercícios 7ºAno - Parte 3


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Biografia - Luís Pasteur


Hoje, quando tossimos em público, temos o hábito de colocar a mão na boca. Não é apenas por boa educação, esse pequeno gesto generalizou-se no início do séc. XX, depois do cientista Luís Pasteur ter descoberto anos antes que os micróbios se podem transmitir entre as pessoas apenas pela tosse. Pelo seu contributo para a cura de inúmeras doenças através de vacinas Pasteur podia ter sido o primeiro Prémio Nobel da Química e Medicina, porém, morreu um pouco cedo de mais e o seu contemporâneo sueco Alfredo Nobel só em 1896 decidiu criar esse prestigiado galardão, atribuído apenas a partir de 1901. 
             A segunda metade do séc. XIX foi o primeira grande época das descobertas científicas na química, medicina e princi-palmente biologia – e contou com um número considerável de grandes investi-gadores que transformaram o mundo, até aí pasto de mortíferas e inexplicáveis doenças, num planeta onde a mortalidade infantil começou a decrescer visivelmente. No séc. XX, as vacinas, os antibióticos e as anestesias permitiam que o sofrimento físico da humanidade fosse significativamente reduzido. Hoje esquecemos como eram comuns epidemias que devastavam números astronómicos de pessoas em vastas regiões dos continentes europeus, africano e asiático, às portas do séc. XX. Em finais de Setembro de 1892 grassava uma epidemia de cólera na Europa que abrangia a Alemanha, Áustria, Bélgica, França e parte da Rússia, ao ponto de ser notícia de primeira página no jornal português O Século. A população de Portugal, devido à situação geográfica e à pouca mobilidade das pessoas, não foi contaminada. 
             Na base da cura de doenças epidémicas estiveram investigações e estudos levados a cabo, na maior parte dos casos, não por médicos mas por químicos. A Europa de 1815 assistiu à derrota de Napoleão em Waterloo. Em1831 Charles Darwin partiu para a sua viagem à volta do mundo para estudar as origens das espécies. Entre estes dois acontecimentos, nasceu a 27 de Dezembro de 1822, em Dale, no Leste de França, Luís Pasteur, terceiro filho de Jean-Joseph Pasteur, industrial de peles. Luís frequentou a escola de Arbois e em 1839 entrou para o Colégio Real e Besançon para cursar Letras e Ciências, mas curiosamente não teve grande nota a Química, disciplina que o tornaria famoso e admirado. Seguiu-se a Escola Normal Superior, em 1843, tendo-se distinguido como bom aluno nas Cadeiras de Física, Matemática e Química. Os colegas admiravam a sua vontade indomável e as muitas horas que dedicava ao estudo. 
             Pasteur fez o doutoramento em Ciências, a 23 de Agosto de 1847, apenas com 25 anos. Nesse tempo a ignorância sobre as bactérias era grande e não se sabia que estavam espalhadas no ar, por todo o lado. O médico húngaro Ignaz Semmelweisse, nesse mesmo ano aconselhava todos os médicos a lavarem bem as mãos com água e sabão. Esse simples gesto fez decrescer significativamente o número de parturientes que sucumbia, devido a febres contraídas logo após o parto, provocadas por germes. Mais tarde Pasteur estudaria também os efeitos dos micróbios (termo que data de 1878) causadores das febres puerperais. 
             Um dos fundadores da química orgânica foi Jean-Baptiste Dumas, que Pasteur sempre considerou o seu pai espiritual, a cujas aulas assistiu na Sorbonne e que foram o incentivo para que o jovem Luís estudante se sentisse atraído em prosseguir os estudos da química do sangue. Depois, entre 1844 e 1847, Pasteur irá estudar os ácidos contidos nos frutos observando-os ao microscópio e expondo-os à luz polarizada, até chegar a conclusões inéditas. Foi o seu primeiro triunfo científico, que apresentou publicamente na Academia das Ciências de Paris. Já professor de Química em Estrasburgo, aos 27 anos, casa com Marie Laurent, filha do reitor da universidade dessa cidade, e tiveram cinco filhos, tendo apenas dois chegados à idade adulta. As mortes de dois filhos ainda muito pequenos com febre tifóide afectaram vivamente o casal Pasteur e foram decisivos para o prosseguimento dos estudos e investigações sobre as doenças causadas por micróbios. Porém Pasteur ficou sobretudo famoso pela descoberta da vacina contra a raiva, em particular pela circunstância de estar em risco a vida e uma criança.
             É mundialmente conhecido o caso do rapazinho alsaciano de nove anos, José Meister, que, em Julho de 1885 foi mordido catorze vezes por um cão com a doença da raiva. A mãe suplicou a Pasteur que lhe salvasse o filho. Até à data ninguém sobrevivera a estas mordeduras. O cientista esteve hesitante, porque ainda só testara a sua vacina em animais e era um risco enorme experimentá-lo num ser humano. Pasteur disse mesmo ao seu colega de investigação Emílio Roux que estava disposto a servir ele próprio de cobaia para poder testar a reacção. Porém surgiu esta emergência e Pasteur passou momentos de angústia até se decidir. E pensou: se o rapaz morre depois de vacinado? Como as hipóteses de sobrevivência sem vacina eram nulas, arriscou. Luís Pasteur era químico e hoje diríamos biólogo, mas não era médico, por isso não podia ser ele a ministrar a vacina sob pena de ser processado. Pediu então ao dr. Grancher, seu assistente que o fizesse. Sessenta horas depois de ter sido mordido, José Meister recebeu a primeira de 12 injecções anti-raiva, que lhe foram sendo injectadas uma após outra sob apertada vigilância. Família e cientistas aguardaram várias semanas. Por fim o jovem sobreviveu. Este jovem ficou para sempre agradecido a Pasteur e deu mesmo a vida por ele, já vamos saber como e quando. 
             A repercussão do sucesso da vacina anti-rábica foi tal que a Academia das Ciências desenvolveu um projecto para criar uma instituição de investigação (futuro Instituto Pasteur) que foi bem acolhido no estrangeiro, tendo o próprio czar Alexandre III contribuído com cem mil francos. O Instituto foi inaugurado em 1888, no mesmo ano em que Vicent Van Gogh pintava na Provença, a sequência dos «Girassóis». 
             Pasteur foi admitido como membro da Academia de Medicina, em 1873 e em 1882 na Academia Francesa, prestigiadas instituições. 
             Em 1940, na 2ª Guerra Mundial, quando as tropas de Hitler invadiram a França, um grupo de militares quís forçar a entrada do Instituto Pasteur – onde repousam, numa cripta os restos mortais de Pasteur. José Meister era o responsável pela segurança e, ao verificar que não conseguia impedir os nazis entrassem, suicidou-se (os cientistas nazis tinham a paranóia de estudar os cérebros de pessoas consideras génios). Mas o cérebro de Pasteur não foi roubado. 
             Luís Pasteur já entrara na História pela sua descoberta, mas o seu contributo para a Humanidade foi muito maior. O estudo da fermentação levá-lo-ia a descobrir o porquê dos vitivinicultores, de diversas zonas do seu país verificarem, com tanta frequência que os seus vinhos se transformavam em vinagre, sendo uma enorme perca para a economia francesa. E isto passou a ser particularmente grave a partir de 1860, depois de assinado o tratado comercial entre a França e a Grã-Bretanha, por se verificar que grande percentagem dos vinhos não resistiam à viagem, estragando-se irremediavelmente. Nessa época a França produzia 50 milhões de hectolitros de vinho por ano. A perda do precioso líquido era uma calamidade. O imperador Napoleão III (sobrinho de Napoleão Bonaparte) pediu a Pasteur que investigasse o porquê da fermentação do vinho e proporcionou-lhe as melhores condições de trabalho, equipando laboratórios para que o grande químico pudesse dedicar-se inteiramente a essa investigação. Foi criado, em 1867 o laboratório de físico-química expressamente para Pasteur, na Escola Normal Superior. Depois de aturados estudos o cientista descobriu que submetendo o vinho a um aquecimento elevado durante alguns segundos, e logo de seguida, a um repentino abaixamento da temperatura a menos de dez graus, matava os germes que alteravam os líquidos. Este sistema foi depois utilizado na cerveja e vinho, daí o termo «pasteurizado» que todos conhecemos.
             O cientista ao verificar a disseminação de germes no ar lançou as bases da microbiologia (1858-1864). Também estudou a doença que atacava os bichos-da-seda ainda em casulo. Como se sabe, a França tem uma centenária tradição de fabrico de seda natural e as descobertas de Pasteur tiveram uma imensa repercussão na economia do País. Modesto e simples Pasteur recusou receber cem mil francos pelos direitos da vacina contra o carbúnculo que até então dizimava os carneiros da África do Sul e recordava com pesar que o seu colega alemão Liebig tinha autorizado que o seu nome fosse comercializado nas famosas sopas enlatadas. Hoje poucos sabem que Justus von Liebig (1803-1873) foi um eminente químico alemão que estudou a fermentação dos frutos e legumes e foi o fundador da química orgânica, em 1840. 
             Na vida do casal Pasteur também havia convites irrecusáveis, como aquele que lhes foi feito pelo Imperador Napoleão III para irem passar uns dias com o casal imperial a Compiègne. Napoleão III foi casado com uma espanhola a imperatriz Eugénia do Montijo, extremamente bonita e que morreu com mais de 90 anos. 
             Pasteur aos 46 anos é vítima de uma trombose que lhe paralisou o lado esquerdo do corpo, mas continuou a trabalhar, mas sabe-se que o cientista era difícil no trato com os colaboradores. Um deles queixava-se. «É uma excelente pessoa, excepto quando trabalhamos com ele. Aí, é inflexível e autoritário».
             Por essa época o médico e cientista Robert Koch (1843-1910), prémio Nobel da Medicina em 1905, descobriram, com base nas investigações de Pasteur, que o germe do antraz (doença grave detectada primeiro nos animais e de fácil propagação aos humanos) poderia ser estudado em laboratórios. Koch descobre a cura da tuberculose, que foi conhecida como «bacilo de Koch.» Mas Pasteur também tinha as suas intolerâncias e não quís trabalhar com Koch, porque este, além de alemão, tinha sido militar e lutado contra a França na sangrenta guerra franco-prussiana entre 1870-1871. 
             Pasteur passou a usufruir de uma pensão dada pelo governo de Napoleão III, a partir de 1887. Sempre a trabalhar em 1882 descobre a cura do carbúnculo. Aos 70 anos recebeu da III República Francesa uma grandiosa homenagem, na Sorbonne, estando presentes representantes dos Governos de Itália, Rússia, Suécia, Alemanha e Turquia. Deve-se à rainha D. Amélia de Orleães e Bragança, de origem francesa teve a iniciativa de abrir em Portugal o primeiro Instituto Pasteur. 
             Luís Pasteur morreu a 28 de Setembro de 1895 e a viúva opôs-se a que fosse para o Panteón onde repousam os notáveis de França. No ano seguinte passou a repousar numa cripta especialmente concebida para ele no Instituto Pasteur. As cerimónias fúnebres ocorreram em 5 de Outubro no Palácio de Versalhes e tiveram as honras de um funeral de Estado. O cortejo fúnebre saiu da basílica de Nôtre-Dame e o presidente da República Feliz Faure esteve presente. O rei D. Carlos de Portugal fez-se representar pelo seu ajudante de campo e o elogio fúnebre coube a Poincaré, ministro da Instrução. Pasteur ocupa um lugar cimeiro na Ciência mundial do séc. XIX. 

Informação retirada daqui

Notícia - Como a rápida Internet está a conquistar o cérebro aos vagarosos livros

É só mais uma desculpa para não ler ou é para levar a sério? A Internet está a mudar-nos o cérebro, isso é certo, mas estará a interferir com a nossa capacidade de ler? O grande problema, diz um neurologista português, é que as pessoas não têm consciência das transformações que se estão a viver.

A Internet está a mudar-nos o cérebro. Esta frase tem saltado para títulos de jornais e para tema de discussões na própria Internet - por vezes, em tom de alarme (DR)

Maryanne Wolf tem na sua lista de livros preferidos O Jogo das Contas de Vidro, de Herman Hesse, uma elaborada biografia ficcionada do mestre de uma austera ordem de intelectuais que se treina para jogar um jogo sofisticadíssimo que é uma síntese de todas as artes e de todo o conhecimento. Não é um romance fácil - mas esta cientista norte-americana que estuda a forma como o cérebro se adapta para aprender a ler também não é uma leitora qualquer. No entanto, ela teve uma enorme surpresa, quando resolveu voltar a lê-lo: "Não conseguia! A minha necessidade de velocidade, fomentada nos últimos anos pela Internet, tornava-me impossível desacelerar e concentrar-me!", confessou.

A Internet está a mudar-nos o cérebro. Esta frase tem saltado para títulos de jornais e para tema de discussões na própria Internet - por vezes, em tom de alarme. Convenhamos que, dito assim, a seco, parece algo assustador - "Oh não, mais uma coisa moderna que está a dar-nos cabo da vida!" Mas esta mudança na intimidade do órgão que nos permite pensar não é algo anormal: se está a ler estas linhas, o seu cérebro já mudou irreversivelmente, e de forma única: aprendeu a ler, algo para o qual os seus genes nunca o prepararam.

A verdade é que todas as nossas experiências nos modificam o cérebro, redesenham-nos os circuitos, como se fosse um computador - mas estes chips cerebrais são feitos de axónios e dentrites, as extensões através das quais os neurónios comunicam, por impulsos eléctricos e sinais químicos, dando forma a ideias e a memórias.

E, quanto mais repetitivas e praticadas forem as nossas acções, mais intenso será esse efeito de plasticidade do cérebro. Os músicos profissionais têm mais matéria cinzenta nas áreas cerebrais relacionadas com o planeamento dos movimentos dos dedos. Os cérebros dos atletas são mais volumosos nas zonas responsáveis por controlar a coordenação entre os olhos e as mãos.

Numa experiência célebre, feita na década de 1990, cientistas britânicos espreitaram para dentro do cérebro de taxistas londrinos, alguns com 42 anos de experiência de trabalho nas ruas da capital britânica, e descobriram que o seu hipocampo posterior, uma área cerebral onde são armazenadas representações espaciais da área que nos rodeia, era muito maior do que em pessoas normais - enfim, que não fossem taxistas com décadas de experiência e um verdadeiro mapa das ruas da cidade de Londres na cabeça...

Vendo bem, parece óbvio que o cérebro vá mudando à medida que aprendemos coisas novas. Mas a descoberta desta plasticidade do cérebro, desta capacidade permanente de se alterar, é algo recente, que ficou assente apenas na década de 1990. Até então, o que se aceitava era algo que a sabedoria popular traduzia no provérbio "de pequenino se torce o pepino": o cérebro não mudava grande coisa desde a infância. O que não se aprendia em pequenino dificilmente se aprenderia em adulto.

Mas tanto a arquitectura do cérebro como as próprias células que o compõem vão mudando bastante ao longo de toda a vida. O que é redesenhado são as ligações entre os neurónios, a comunicação entre as várias áreas do cérebro, a sequência em que são activadas para que completemos uma determinada tarefa.

"Isso que está a fazer, a escrever assim, à mão", diz o neurologista Alexandre Castro Caldas, do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica de Lisboa, notando como a Pública tira notas da conversa, "é-lhe possível porque existe uma pequena área no seu cérebro que guardou memória gráfica das palavras". É por isso, explica, "que às vezes escreve uma palavra à mão, para ver como lhe parece correcto, mesmo quando está a escrever no computador".

Público

Fotografia - Pormenor do painel da Trindade


sábado, 18 de fevereiro de 2017

Conteúdo - China


O filósofo K'ung-fu-tzu (Confúcio, 551 a.C. – 479 a.C.) desenvolveu o sistema filosófico-religioso do Confucionismo. Este, valoriza os preceitos da bondade, cortesia, moral, integridade, fidelidade e honra.

Outros filósofos importantes foram: Mozi (470 a.C. - 391 a.C.), fundador do Moísmo que enfatiza o pragmatismo. Chuang-Tzu: (369 a.C. - 286 a.C.) considerado um precursor do antinomismo, anarquismo, multiculturalismo e relatividade e, que criticava tanto confucionistas quanto moístas.

Conteúdo - Autismo - Características


O autismo é um transtorno neurológico altamente variável, que aparece pela primeira vez durante a infância ou adolescência e geralmente segue um curso estável, sem remissão. Os sintomas evidentes começam gradualmente após a idade de seis meses, mas geralmente estabelecem-se entre os dois ou três anos e tendem a continuar até a idade adulta, embora muitas vezes de forma mais moderada. Destaca-se não por um único sintoma, mas por uma tríade de sintomas característicos: prejuízos na interação social, deficiências na comunicação e interesses e comportamento repetitivo e restrito. Outros aspectos, como comer atípico também são comuns, mas não são essenciais para o diagnóstico. Os sintomas individuais de autismo ocorrem na população em geral e não são sempre associados à síndrome quando o indivíduo tem apenas alguns traços, de modo que não há uma linha nítida que separe traços patologicamente graves de traços comuns.

Notícia - Portugal candidata-se a centro de alerta de tsunamis

Portugal, através do Instituto de Meteorologia (IM), vai integrar um projecto europeu para alerta precoce de tsunamis e apresenta-se como candidato a acolher um centro regional para o Atlântico Nordeste e Mediterrâneo, anunciou esta sexta-feira o IM.
O primeiro projecto (TRIDEC) é coordenado pelo Centro Geofísico de Potsdam (Alemanha), no âmbito da instalação de futuros sistemas de alerta precoce de tsunamis e tem uma duração prevista de três anos para desenvolver "arquitecturas inteligentes" destinadas ao processamento de grandes volumes de dados que sirvam de suporte à decisão num quadro de alerta de tsunami, segundo informação divulgada pelo Instituto de Meteorologia (IM).
"Tem por objectivo desenvolver ferramentas informáticas capazes manipular grandes volumes de dados. No caso de acontecer um tsunami é necessário analisar um grande conjunto de informação", desde dados sísmicos, ao nível do mar, altura da onda, cenários de tsunamis e ondas expetáveis em vários pontos da costa a cartas de inundação, explicou àc agência Lusa o diretor do Departamento de Sismologia e Geofísica do IM.
"É muita informação que tem de ser rapidamente trabalhada e colocada à disposição do decisor", referiu Fernando Carrilho.
O projecto que agora vai ter início é financiado pela União Europeia, foi "aprovado há dias" e a primeira reunião que dará o "pontapé de arranque" deverá ocorrer em Outubro ou Novembro, acrescentou.
Paralelamente, Portugal propõe-se acolher o Centro Regional de Alerta de Tsunamis na Região do Atlântico Nordeste e Mediterrâneo, no âmbito do sistema de alerta que se encontra em desenvolvimento na Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, a agência das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.
Além do IM, o projecto integra mais nove instituições de seis países europeus.
No âmbito do sistema de Alerta de Tsunamis para o Atlântico Nordeste e Mediterrâneo e deste sistema que está a ser preparado, Portugal faz-se representar com um grupo de trabalho.
"Para funcionar no futuro, prevê a existência de centros regionais de alerta e, para este em que está Portugal, o país é candidato a albergar o centro que desempenhe essas funções", indicou.
Caso a candidatura vingue, o centro de processamento de dados, em terra, deverá ficar no Instituto de Meteorologia, mas ainda não há apoio explícito dos vários governos envolvidos no processo, nem decisões políticas sobre o modelo de financiamento.
Numa primeira fase, os sistemas de alerta irão ter como preocupação detectar tsunamis originados por sismos no mar.

Fotografia - Pormenor do painel da Avenida Fernão Magalhães


Desenhos para colorir - Outono


Biografia - Carolina Michaëlis


Carolina nasceu em Berlim, a 15 de Março de 1851. O pai, Gustavo Michaëlis (1813-1895), era professor de Matemática e dedicou-se ao estudo da história da escrita, ortografia e estenografia - em 1 85 1, era professor na Universidade de Berlim, tendo sido chefe dos Serviços Taquigráficos do Parlamento. A mãe, Luise Lobeck (1809- 1863), era originária de Stettin, onde casaram, em Setembro de 1838. 
             Carolina, a mais nova de cinco irmãos, perdeu a mãe apenas com 11 anos. Dos sete aos dezasseis anos, estudou na Escola Superior Municipal Feminina de Berlim. Nesse tempo (meados do século XIX), não eram admitidas senhoras nas universidades alemãs. Assim, Carolina Michaëlis teve professores em casa: estudou literatura greco-romana, línguas eslavas, semitas e românicas, onde se integra o português. Também estudou árabe, para poder ler manuscritos no original. Na Universidade de Coimbra, há cadernos de apontamentos seus, escritos nessa língua difícil. 
             A sua inteligência e as suas qualidades de trabalho eram notoriamente acima do vulgar Sabendo isso, o seu professor Carlos Goldbeck deu-lhe, aos catorze anos, como trabalho de férias, a tradução do Nuevo Testamento. Carolina, que não dominava o castelhano, perguntou admirada ao professor se não se teria enganado... ao que ele respondeu: "Estude. Estude!" E Carolina estudou, traduziu, fez uma pequena gramática de espanhol e um caderno de significados em francês e italiano. 
             Em 1867, com apenas 16 anos, Carolina começou a publicar, em revistas alemãs da especialidade, trabalhos sobre língua e literatura espanhola e italiana, O interesse pelo português chegou depois. Rapidamente Carolina se tornou conhecida no meio dos estudos filológicos da Europa. O eminente professor Gaston Paris escreveu-lhe uma carta em que lhe perguntava: 
             "Onde aprendeu aos dezanove anos aquilo que muitos de nós, depois de doze ou quinze anos de trabalho, ainda não conseguiram saber?" 
             Em Portugal, Teófilo Braga, Alexandre Herculano e Oliveira Martins, entre outros, repararam na erudição daquela jovem alemã tão interessada pela cultura e literatura portuguesas - e trocaram cartas com ela. 
             A sua facilidade para as línguas dá-lhe o reconhecimento oficial para ser tradutora, ainda muito jovem.

Em 1872, foi publicada a tradução do Fausto, de Goëthe, feita por António Feliciano de Castilho, que gozava de grande reputação como educador e escritor. O jovem Joaquim de Vasconcellos insurgiu-se contra os erros e a forma menos cuidada de tratar uma obra universal. Estalou a polémica. Uns posicionaram-se a favor do velho escritor e outros, do lado do jovem Vasconcellos. Certo é que saíram à liça escritores como Camilo Castelo Branco, Pinheiro Chagas, Antero de Quental, Adolfo Coelho e muitos outros. Foi tal a repercussão do caso, conhecido por" Questão do Fausto". Carolina Michaëlis, com pouco mais de vinte anos, tomou conhecimento dele e resolveu escrever uma carta a Joaquim de Vasconcelos. Este respondeu. E sucederam-se outras cartas. Joaquim foi diversas vezes a Berlim, onde gostava de se passear com o seu capote alentejano. Depressa descobriram haver, entre ambos, mais do que afinidades pelas coisas da cultura portuguesa.
Em Março de 1876, casaram em Berlim. Depois de uma viagem de núpcias pela Europa, foram viver para o Porto, para a Rua de Cedofeita. Viveram no n° 150 e depois no n° 159, onde a Câmara Municipal mandou colocar uma placa evocativa, recordando que ali viveu a insigne mestra. 

             Foi por um acaso curioso que a alemã Carolina Michaëlis conheceu o português Joaquim António da Fonseca Vasconcelos, nascido no Porto, em 1849. Eram muitos irmãos e, tendo ficado órfão aos quatro anos, em 1859 mandaram-no para Hamburgo, onde estudou Arte, Arqueologia, História da Literatura e Música. Regressou a Portugal e, quando se preparava para voltar à Alemanha, eclodiu a Guerra Franco-Prussiana (1870-71) e permaneceu em Portugal. Viajara pela Europa e o seu trabalho desenvolveu-se nas áreas das artes e da arqueologia, tendo deixado inúmeros estudos pioneiros da História de Arte em Portugal, bem como na área da Música (por exemplo, em 1870, Os Músicos Portugueses com nomes de 400 músicos). Foi professor da Escola de Belas-Artes de Lisboa e deixou uma vasta obra nas áreas da arqueologia, do estudo de monumentos, da ourivesaria e joalharia portuguesas. Os seus desenhos são preciosidades guardadas pelos descendentes.

             Em Dezembro de 1877, nasceu Carlos Joaquim Michaëlis de Vasconcelos. Este filho único de Carolina estudou na Alemanha, tendo-se formado em engenharia de máquinas.

             Nas férias e nos fins-de-semana, a família reunia-se na casa de Águas Santas, nas margens do rio Leça e aqui, Carolina com o marido, a nora e os netos. Conviviam no jardim, porque Joaquim e Carolina adora-vam o ar livre, a Natureza e as plantas. Iam regularmente ao Palácio e à mata do Buçaco, tendo mesmo desenhado os trilhos mais acessíveis.

             Aos vinte e sete anos, Carlos Joaquim casou com uma alemã, de 23, Ana Lina Minna Gertrudes Lautensach, que para a família era simplesmente Lotte. Carolina gostava muito da nora e dos netos (três rapazes). Depois de morrerem os sogros e o marido, Lotte foi viver para Lisboa. Faleceu em 1950, em Águas Santas, o que prova como estava apegada àquela casa de família. O neto, Carlos Joaquim, recorda com saudade "a avó Lotte", que era muito culta e bonita, e como mantinham em família o gosto pelos passeios ao Buçaco e pelos jogos de mímica. Hoje, as mais novas descendentes da grande senhora que foi Carolina Michaëlis de Vasconcelos são três gémeas ainda pequenas. Irá alguma delas ser tão célebre como a tetravó?

             Quando se fala de Carolina Michaëlis de Vasconcellos, afirma-se que ela foi a primeira catedrática portuguesa. É certo que foi realmente a primeira mulher a leccionar numa universidade, a Universidade de Coimbra. Porém, convém desfazer um equívoco. A sua craveira intelectual e as suas investigações tinham-na tornado uma das mais eruditas pessoas do seu tempo, mas Carolina Michaëlis foi apenas convidada para leccionar. A primeira catedrática portuguesa foi, e é, a Professora Doutora Maria Helena da Rocha Pereira, especialista em estudos clássicos, que prestou provas de doutoramento em 1956, na Universidade de Coimbra, e se reformou há escassos anos. Como professora, Carolina era de uma enorme dedicação aos alunos e fazia, várias vezes por semana, a viagem do Porto para Coimbra e regresso, que naquele tempo devia ser bastante incómoda. Aproveitava para preparar as aulas, porque o tempo continuava a ser de ouro! 
             
Entre os títulos que detinha a das letras os de doutora honoris causa pelas Universidades de Friburgo (1893), Coimbra (1916) e Hamburgo (1923). E o rei D. Carlos concedera-lhe, em 1901, a insígnia de oficial da Ordem de Santiago da Espada. A Academia das Ciências de Lisboa, com a oposição de alguns sócios menos abertos à mudança, admitiu, em 1912, as primeiras duas mulheres como sócias daquela instituição: Carolina Michaëlis de Vasconcelos e Maria Amália Vaz de Carvalho.

             O trabalho de investigação de Carolina Michaëlis levou-a a trocar cartas com inúmeros portugueses e estrangeiros, nas áreas da Literatura, Filologia e Folclore, entre outras disciplinas que estudou. Daí haver, no seu espólio, sobretudo na Biblioteca da Universidade de Coimbra, cartas de nomes grandes da cultura, como os portugueses Eugénio de Castro, Antero de Quental, João de Deus, Henrique Lopes de Mendonça, José Leite de Vasconcelos - um dos mais entusiastas adeptos da entrada das duas senhoras para a Academia -, o Conde de Sabugosa, Braamcamp Freire, Sousa Viterbo, Alexandre Herculano, os médicos e escritores Egas Moniz e Ricardo Jorge, os espanhóis Menéndez y Pelayo e Menéndez Pidal, sem falar das perso-nalidades francesas, inglesas e alemãs.

             Há quem pense que a vida de uma investigadora como Carolina Michaëlis era apenas dedicada aos estudos. Chegava a trabalhar 18 horas por dia, quando ia ler e estudar manuscritos na Real Biblioteca da Ajuda, onde o director foi, até à data da sua morte, o escritor Alexandre Herculano. Mas sabe-se que Carolina conciliava bem a vida de família com a de estudo. Trocava alegremente "o escritório pela cozinha e a secretária pelo fogão". Um seu bisneto, Carlos Joaquim Michaëlis de Vasconcellos, engenheiro como o avô, guardou cuidadosamente diversas receitas de cozinha escritas pela bisavó Carolina, que gostava muito de cozinhar. Na casa de Cedofeita ou na de Águas Santas, Carolina descia à cozinha, pui o avental, ia buscar os ovos, a farinha, o açúcar, as amêndoas e, durante horas, esquecia os seus estudos, preocupando-se apenas com a consistência da massa e a temperatura do forno.

             O Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, de que Carolina Michaëlis foi sócia honorária, prestou-lhe homenagem com um número especial da sua revista Alma Feminina, em 1926. Este ano, também os CTT a homenagearam, numa emissão de selos em que está rodeada de sete vultos da cultura portuguesa: o médico e político Miguel Bombarda, o educador e Presidente da 1ª. República Bernardino Machado, o cantor de ópera Tomás Alcaide e os escritores José Régio, José Rodrigues Miguéís, Vitorino Nemésio e Bento de Jesus Caraça. 


Bibliografia
Ascendem a cerca de 180 os títulos publicados por Carolina Michaëlis de Vasconcellos, dos quais destacamos:
- Poesias de Sá de Miranda, 1885
- História da Literatura Portuguesa, 1897
- A Infanta D. Maria de Portugal e as suas Damas (1521-1577), 1902
- Cancioneiro da Ajuda (2 volumes), 1904
- Dicionário Etimológico das Línguas Hispânicas
- Estudos sobre o Romanceiro Peninsular: Romances Velhos em Portugal
- As Cem Melhores Poesias Líricas da Língua Portuguesa, 1914
- A Saudade Portuguesa, 1914
- Notas Vicentinas: Preliminares de uma Edição Crítica das Obras de Gil Vicente, 1920-1922
- Autos Portugueses de Gil Vicente y dela Escuela Vicentina, 1922
- Mil Provérbios Portugueses

Carolina Michaëlis dirigiu a revista Lusitânia, uma das publicações de maior projecção cultural no nosso país. Dos artigos publicados nos jornais, destacam-se os do Comércio do Porto, sobre o Congresso Feminista de Berlim, e do Primeiro de Janeiro, sobre educação e literatura para crianças.

A autora agradece as fotografias e os documentos cedidos pelo Eng.º Carlos Joaquim Michaëlis de Vasconcelos, pela Biblioteca da Universidade de Coimbra, através do seu director, Prof. Aníbal Pinto de Castro, e da bibliotecária, Dr.ª Maria da Graça Pericão, bem como à Dr.ª Maria de Lourdes Amorim, investigadora e conferencista.

Texto de Maria Luísa V. de Paiva Boléo

Biografia retirada daqui

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

3ºAno - Estudo do Meio - Características dos Planetas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha de Avaliação - 10ºAno


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Notícia - Twitter pode servir para alerta de epidemias


A página de 'micro-blogues' Twitter poderia servir de sistema de alerta antecipado para epidemias, segundo especialistas que analisaram as entradas da palavra "gripe" naquela rede social.

Investigadores de uma universidade de Londres encontraram três milhões de mensagens, escritas em inglês, contendo a palavra gripe, entre Maio e Dezembro de 2009, de acordo com o estudo apresentado no congresso europeu de doenças infecciosas, que reúne cerca de oito mil peritos, em Viena.

Depois deste estudo, pretende-se estabelecer se "estes dados são utilizáveis como sistema de alerta crescente", ou seja, antes de os pacientes consultarem o seu médico, afirmou Patty Kostkova, responsável pelo estudo.

"Como se trata um meio de comunicação em tempo real, pode permitir, se necessário, uma resposta imediata das autoridades de Saúde", acrescentou à Agência France Press.

Entre os "tweets", os investigadores contaram 12.954 mensagens que continham a frase "Eu tenho gripe A" e 12.651 com a informação "Eu tenho gripe". Outras palavras muito utilizadas foram "H1N1", "vacina", "caso" e "informações".

A equipa de Patty Kostkova trabalha com as autoridades de Saúde britânicas, no âmbito da preparação dos Jogos Olímpicos de 2012.

Com o Twitter as autoridades poderiam, nomeadamente, conhecer melhor as necessidades e informar os visitantes o melhor possível sobre centros de socorro, médicos ou dentistas mais próximos.

No entanto, na terça-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e peritos reunidos, em Genebra, acusaram estes novos meios de comunicação de terem perturbado a gestão de informação sobre a gripe A (H1N1), que surgiu há cerca de um ano.

Patty Kostkova admite haver muitos "tweets parasitas", mas sublinha que o estudo permite conhecer as apreensões da população e pode ser interessante para detectar o início de uma epidemia.

Os meios de vigilância existentes continuam a ser no entanto, segundo a investigadora, os melhores para assegurar o acompanhamento destas situações.

Fotografia - Lisboa, o dia 25 de Abril de 1974 - PIDE - Rua António Maria Cardoso


Ficha de Trabalho - Exercícios 7ºAno - Parte 2


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Conteúdo - África


A filosofia desenvolvida no Antigo Egito caracterizava-se pela flexibilidade, pragmatismo e a busca pelo controle das emoções.

De modo geral, a filosofia africana foi fortemente influenciada pela filosofia helenística (na Idade Antiga), pelas filosofias cristã (antiguidades clássica e tardia) e islâmica (desde o período medieval).

Recomendamos ...

Recomendamos ...