domingo, 9 de julho de 2017

Conteúdo - Síndrome de Asperger - Mecanismo


A Síndrome de Asperger é uma condição neuropsicológica que causa efeitos no desenvolvimento cerebral em geral, provocando mudanças nos vários sistemas funcionais existentes. Embora a dissociação da SA com outros transtornos do espectro autista ainda não seja clara e não tenha sido descoberta nenhuma patologia em comum para todos os distúrbios, há probabilidade de que a síndrome tenha mecanismos distintos das demais desordens. Alguns estudos neuroanatômicos e supostas ações de agentes teratogênicos presumem que a alteração no desenvolvimento cerebral ocorra logo após a fecundação. A migração anormal de células embrionárias durante o desenvolvimento fetal pode afetar a estrutura definitiva do cérebro e seus circuitos nervosos, afetando ligações diretamente relacionadas ao pensamento e comportamento. Existem várias teorias e estudos relacionados, porém nenhum fornece uma explicação completa a respeito do mecanismo da Asperger.

A teoria da underconnectivity trabalha com a hipótese do subfuncionamento das conexões e sincronizações neurais de alto nível e com um excesso de processos de baixo nível. Ela mapeia bem as teorias de processamento geral tais como a teoria da coerencia central fraca, que hipotetiza que uma capacidade limitada de ver grandes imagens adjascentes a disturbios centrais no TEA.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Conteúdo - Síndrome de Asperger - Os desafios da idade adulta de portadores de Asperger


Como explica Mónica Pinto, os “aspies” têm capacidades cognitivas normais e, por isso, têm capacidade de ser autónomos e ter a sua profissão: “claro que se não houver uma intervenção poderão manter dificuldades na integração social e comunitária e alguma dependência dos pais, mas os casos em que a intervenção é eficaz e atempada, evoluem com perfeita autonomia e integração (…)”

De acordo com a pediatra do desenvolvimento, são habitualmente adultos que gostam de rotinas, pelo que se adaptam melhor a profissões mais sistemáticas e com menos contacto social, da mesma forma que tendem a ter grupos de amigos mais restritos e alguns comportamentos peculiares. No entanto, podem ser completamente funcionais e alguns mesmo brilhantes na sua profissão pela enorme dedicação aos seus interesses que os caracteriza.

Mas mesmo quando não alcançam o brilhantismo, como refere a APSA, os portadores de Asperger têm características muito prezadas por qualquer entidade patronal: a pontualidade, a fiabilidade do trabalho executado e a dedicação às tarefas que realizam. Claro que, para que possam estar integrados, precisam que o ambiente de trabalho que os rodeia seja harmonioso e que as pessoas à sua volta estejam sensibilizadas para as suas diferenças de forma a compreenderem as suas características e “feitio” particular.

No caso de Bruno, a mãe descreve-o como um rapaz feliz, de bem com vida, sincero e honesto, carinhoso e também ele preocupado com seu futuro. A grande preocupação de Maria é o que acontecerá com Bruno depois dela, uma vez que, no seu caso, apesar de muitos anos de terapias, não tem autonomia suficiente para viver sozinho. No entanto, considera que pode continuar a ser feliz com uma autonomia protegida e até com um emprego, pela que a mãe sente essa necessidade de lhe criar esse “chão seguro”. Está certa de que haverá um lugar seguro com qualidade, privacidade, respeito pela individualidade, onde ele possa ficar protegido onde consigam lidar com ele e aprender com ele. E continuará a procurá-lo.

Informação retirada daqui

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Conteúdo - Síndrome de Asperger - O “Feitio” Especial dos Portadores de Síndrome de Asperger.


São por vezes acusados de ser antipáticos. São quase sempre obsessivos com os temas pelos quais se interessam. Têm dificuldade em entender uma piada com um sentido subentendido. E odeiam alterações a rotinas. Conheça o “feitio” especial dos portadores de síndrome de Asperger.

Comecemos por aquilo que aquilo que ainda não aconteceu: o Asperger é um síndrome em vias de extinção. Na nova versão do Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM -V), que será publicado em maio, síndrome de Asperger deixará de constar.

Este manual, publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, serve de referência aos profissionais de saúde de todo o mundo na classificação e diagnóstico de perturbações mentais. A partir de maio, data em que sai a quinta versão, as perturbações do espectro do autismo passam a ter uma nova classificação na qual o Síndrome de Asperger desaparece e esta condição passa a designar-se como uma perturbação do espectro do autismo ligeira.

Mónica Pinto, pediatra do desenvolvimento que nos adianta esta informação, explica: “vai passar a haver sim uma gradação dos sintomas e a existência concomitante ou não de défice cognitivo e de perturbação da linguagem.”A pediatra do desenvolvimento explica que há muito pouco diferença entre o Asperger e o autismo de alto funcionamento: “a diferença era sobretudo a idade de erupção das palavras e das frases (normal no Asperger e tardia no autismo de alta funcionalidade), embora a clínica de ambos por volta dos 4-5 anos fosse completamente sobreponível.”

Informação retirada daqui

terça-feira, 4 de julho de 2017

Biografia - Guiomar Vilhena

«Era abastada madeirense que mercê de um secular processo de concentração de morgadios, sucedeu na administração dessas terras vinculadas, revelando-se não só como uma gestora desses bens fundiários, mas sobretudo, como mulher de grande actividade comercial, fazendo concorrência à colónia inglesa que detinha o principal comércio da Ilha, sobretudo relacionado com o vinho» Aproveitou as terras da então desaproveitada Quinta das Angústias mandando restaurar as casas que iam da capela de Santa Catarina até à Quinta da Vigia (hoje sede do governo Regional, até ao mirante que ficou conhecido por «Mirante de Dona Guiomar» já assinalado no séc. XVIII em mapas, pois detinha ancoradouro. A Dona Guiomar se deve a introdução da casta malvasia que se deu particularmente bem naquelas terras. «Era possuidora do último engenho de açúcar ainda existente na Madeira (Ribeira dos Socorridos).» Desenvolveu a economia da Ilha, e soube com coragem e determinação lutar para ultrapassar os preconceitos da sua condição de mulher empresária. «Perdeu, nos negócios, algumas pratas e jóias, vendeu algumas das casas que reconstruíra no Funchal, mas os bens vinculados permaneceram invioláveis e puderam, mais tarde, passar para os herdeiros, um dos quais o conde Carvalhal, não só vendeu a Quinta das Angústias, como também a do Palheiro Ferreiro, hoje em dia morada de ingleses, grandes comerciantes.» (Paulo de Freitas, ex-director da Casa-Museu Frederico de Freitas- Funchal) 

Biografia retirada daqui

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Vídeo - Isto é Matemática T04E06 O Caminho Mais Curto

Notícia - Frenesim solar



A nossa estrela enlouqueceu?
A ciência está de olhos postos na estrela que nos aquece. O principal objectivo é saber a que se devem as suas repentinas e inquietantes mudanças de humor.

A cada segundo que passa, uma sucessão de potentes reacções nuclea­res no coração do Sol transforma um pouco mais de 667 milhões de toneladas de hidrogénio em um pouco menos de 663 milhões de toneladas de hélio. O processo liberta 4,5 milhões de toneladas de energia na forma de luz (isto é, calor), o que permite, por exemplo, que a vida prospere na Terra. Graças à decomposição do espectro luminoso nas suas mais ínfimas partes, os astrónomos conseguem determinar a composição da nossa estrela, a qual inclui, além dos já referidos hidrogénio (72 por cento da massa) e hélio (26%), outros 65 elementos mais pesados: o grosso destes dois por cento restantes é formado por oxigénio, carbono, néon, azoto, magnésio, ferro e silício. Conhecer com exactidão estes pormenores químicos é fundamental, pois só assim podemos saber como funcionam outros astros e mesmo o nosso próprio planeta.

Efectivamente, todos esses dados são inseridos em complexos modelos informáticos para verificar as previsões sobre a evolução das galáxias, compreender a transformação de átomos leves em pesados e determinar a frequência com que estes últimos se condensam em grãos de pó, um processo fundamental para a génese das estrelas. Os astrofísicos estudam igualmente a quantidade de raios cósmicos, assim como a densidade dos elementos, a fim de desvendar as interacções entre as velozes partículas e o meio interestelar.

“De qualquer modo, o mais importante é compreender a nossa própria estrela”, escreve o especialista Jim Kaler na revista Astronomy. “A velocidade do som no seu interior depende da composição química; e foi através disso que detectámos discrepâncias com os antigos modelos.”

Que tempo (solar) vai fazer?
Observada de perto, a superfície solar é como uma caldeira a ferver, em constante estado de convecção, termo físico que define a propagação do calor por um fluido através do movimento das partículas. O incessante remoinho de gases quentes a elevar-se e de gases frios a submergir cria línguas de fogo e partículas radioactivas, um bombardeamente que se intensifica periodicamente. Durante séculos, contemplámos o astro-rei pelos olhos da religião e da cultura; agora que a nossa civilização se tornou mais vulnerável do que nunca às alterações do clima espacial, a ciência procura aprender a conviver com os seus ímpetos.

“O Sol está a despertar de uma sesta profunda e, durante os próximos anos, deveremos observar níveis muito mais elevados de actividade”, vaticina Richard Fisher, da Divisão de Heliofísica da NASA. “Além disso, a nossa sociedade tecnológica desenvolveu uma sensibilidade sem precedentes às tempestades solares. Qualquer uma poderia inutilizar as redes de electricidade, a navegação por GPS, os transportes aéreos, os serviços financeiros ou as comunicações de emergência por rádio.”

Os ciclos de bom e mau humor do astro sucedem-se a cada onze anos, com uma precisão quase matemática mas ainda incompreendida. Estão relacionados com as escuras e frias manchas que surgem na superfície solar, e a próxima temporada de fúria terá provavelmente início em 2012 ou 2013. “Grande parte dos danos poderiam ser atenuados se soubéssemos quando se aproxima uma tempestade”, explica Fisher. “Nesse caso, poderíamos pôr os satélites a dormir e desligar os transformadores das redes eléctricas.”

A arte de prever o clima espacial ainda está no início, mas a NASA e a Administração Nacional norte-americana dos Oceanos e da Atmosfera (NOAA) têm vindo a lançar uma frota de satélites para remediar o problema. As missões revelaram-nos o modo como a Terra se desloca pela heliosfera, a exótica e gigantesca atmosfera do Sol. Agora, conhecemos melhor esse sistema complexo que evolui em reacção às condições da nossa estrela, dos planetas e do espaço exterior.

Durante o último meio século, duas descobertas permitiram melhorar exponencialmente o nosso conhecimento do astro-rei e da sua influência no Sistema Solar. A primeira foi constatar que a corona é centenas de vezes mais quente do que a fotosfera, a superfície visível. Depois, foi confirmada a teoria de que essa camada superior se expande a velocidades supersónicas, projectando o chamado “vento solar”.

Os cientistas determinaram pormenorizadamente a composição, as propriedades e a estrutura das partículas que compõem o vendaval, e seguiram a sua pista para além da órbita do “ex-planeta” Plutão. Através das últimas imagens enviadas pelos observatórios em órbita, sabemos que a corona e a região de transição acima da fotosfera apresentam uma complexa arquitectura de buracos e colunas. Além disso, um “tapete” de arcos magnéticos prolonga-se sob a corona.

Apesar dos avanços, no entanto, diversas interrogações essenciais permanecem sem resposta: por que motivo é a corona muito mais quente do que a fotosfera? Como acelera o vento solar? Por que se formam as manchas? O que causa as perturbações solares? Que reac­ção provocam na heliosfera e na Terra? E, mais importante ainda, que impacto tem tudo isso na humanidade?

O grande dínamo
O projecto da NASA Living With a Star (viver com uma estrela) vai tentar encontrar resposta para estas questões, nomeadamente através de duas missões principais. A primeira, baptizada com o nome Solar Dynamics Observatory (SDO), já está a enviar imagens extraordinárias de alta resolução, desde Fevereiro de 2010. O objectivo principal do SDO é compreender a influência da estrela sobre a Terra e a região imediatamente adjacente; para isso, estuda a heliosfera em pequenas escalas de espaço e tempo, em diversos comprimentos de onda simultaneamente.

“O Sol é incrível, pois produz, ao mesmo tempo, luz no espectro visível, radiação infravermelha e ultravioleta e raios X”, explica Fisher. “Lança também plasma e cospe partículas praticamente à velocidade da luz. As variações que sofre ocorrem em escalas de tempo que vão dos milésimos de segundo aos milhares de milhões de anos. É algo relacionado com o campo magnético, causado, por sua vez, pelo plasma que se desloca e roda dentro da zona de convecção, de modo a transformar a estrela numa espécie de dínamo. Trata-se de algo semelhante à magnetosfera criada pelo núcleo terrestre.” Os cientistas procuram averiguar as derradeiras causas deste fenómeno, assim como a forma como é libertada a energia magnética em forma de partículas.

“Em Outubro de 2010, assistimos a uma erupção solar colossal”, recorda Philip Scherrer, cientista-principal do SDO. “A explosão atingiu mais de 350 mil quilómetros de altura e projectou uma vaga de gases e matéria; felizmente, foi na direcção oposta à Terra. Nesse mês, o SDO observou um buraco negro no pólo norte do Sol. Depois, com o auxílio dos satélites gémeos STEREO, conseguimos confirmar a presença de outro grande vácuo na extremidade meridional. Os chamados ‘buracos polares da corona’ são lugares por onde emerge o campo magnético e se estende por toda a heliosfera, até chegar à Terra.” Se não fosse a protecção natural proporcionada pela atmosfera terrestre, o flagelo das partículas radioactivas teria esturricado o planeta há milénios. “Temos confiança de que o SDO continuará a enviar-nos informação valiosa”, acrescenta Scherrer.

“Cheirar” o Sol
Há outro projecto que mantém um abundante grupo de especialistas de várias universidades norte-americanas em estado de “insolação”. Trata-se da Solar Probe Plus, uma emocionante missão que irá mergulhar em cheio na corona solar para analisar o seu conteúdo. A sonda deverá passar a apenas 6,5 milhões de quilómetros da superfície, como um audaz Ícaro da era moderna. Para evitar que tenha o mesmo destino das asas de cera da personagem mitológica, o revolucionário satélite de 612 quilos, fabricado pelo Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, estará protegido por um escudo de compostos de carbono de 2,5 metros de diâ­me­tro e 8 cm de espessura, o qual deverá defendê-lo dos 1370 graus que reinam naquele território hostil. Nenhuma outra nave esteve submetida a uma radiação tão extrema como a que irá atravessar sucessivas vezes a SPP. “Será a nossa primeira visita a uma estrela”, resume Fisher.

As cinco experiências escolhidas para arrancar os segredos do astro-rei vão contar electrões, protões e iões de hélio dentro do vento solar. Além disso, os instrumentos irão elaborar imagens tridimensionais da corona e da colisão das partículas em redor da nave. Outra ferramenta vai determinar os campos eléctrico e magnético, as emissões de rádio e as ondas que navegam através do plasma atmosférico. Por último, um detector gigante irá apanhar poeira cósmica. Como diz Lika Guhathakurta, uma astrofísica que trabalha na sede da NASA em Washington, “pela primeira vez, poderemos tocar, provar e cheirar o Sol”.

Preparados para a tempestade?
Filmes-catástrofe e profecias de calendários maias à parte, parece que a humanidade devia mesmo tomar algumas precauções em 2012: segundo um relatório da NASA, existe a probabilidade de a Terra ser atingida nesse ano (ou em 2013, o mais tardar) pela mais intensa tempestade solar dos últimos 50 anos. Os autores do estudo advertem que a zona afectada poderá ficar sem rede eléctrica e água corrente, e que poderá demorar entre quatro e dez anos a recuperar. As projecções massivas de plasma a partir do Sol já causaram problemas noutras ocasiões. Para nos situarmos no pior dos cenários, teremos de recuar até aos dias 1 e 2 de Setembro de 1859, quando as auroras polares, provocadas pelas partículas do vento solar, alcançaram o México e as Caraíbas. Esse acontecimento é conhecido como “fulguração de Carrington”, devido ao astrónomo britânico que o detectou, e destruiu a rede de telégrafos. Se ocorresse actualmente, seria o caos.



A.P.S.
SUPER 154 - Fevereiro 2011

Notícia - Descobertas três novas espécies de Lampreia que só ocorrem em Portugal


Uma equipa formada por cientistas de diferentes unidades de investigação portuguesas descobriu três novas espécies de lampreia que apenas ocorrem em Portugal. A sua descrição vai ser, a breve prazo, publicada na revista Contributions to Zoology.

Às novas lampreias foram dados nomes alusivos às áreas onde ocorrem: a lampreia da Costa de Prata (Lampetra alavariensis) habita apenas (é endémica) das bacias hidrográficas do Esmoriz e Vouga; a lampreia do Sado (Lampetra lusitanica) ocorre somente na rede hidrográfica do Sado; e a lampreia do Nabão (Lampetra auremensis) está presente apenas na sub-bacia do rio Nabão, afluente da margem direita do rio Tejo.

Os autores do trabalho, que foi desenvolvido no âmbito do projeto de doutoramento de Catarina Mateus, coautora do artigo prestes a ser publicado, determinaram que as novas espécies, para além de ocorrerem de forma localizada, têm áreas de distribuição fragmentadas e populações muito reduzidas, o que justifica a sua inclusão na categoria máxima de ameaça -  “Criticamente Em Perigo”  - do Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal.

Na Península Ibérica já se sabia existirem três outras espécies de lampreia: a lampreia-marinha (Petromyzon marinus), a lampreia-de-riacho (Lampetra planeri) e a lampreia-de-rio (Lampetra fluvialis). Todas as três espécies ocorrem de forma extensa na Europa mas, na Península Ibérica apenas a primeira espécie tem uma distribuição pouco restrira por Portugal e Espanha, já que a segunda espécie está concentrada, sobretudo, em território nacional e a terceira, foi já declarada extinta em Espanha, podendo ser encontranda apenas no troço inferior dos rios Tejo e Sorraia.

A descoberta das novas espécies endémicas e do seu precário estado de conservação resultam assim, na prática, num aumento da responsabilidade de Portugal no que diz respeito à conservação do grupo das lampreias – a família Petromizontidae.

Na investigação participaram também Pedro Raposo, da Universidade de Évora, Judite Alves, investigadora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência/Centro de Biologia Ambiental e Bernardo Quintela, do Centro de Oceanografia/Departamento de Biologia Animal – Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. O trabalho foi financiado pelo Fundo EDP Biodiversidade e pela FCT, tendo o Fluviário de Mora prestado apoio logístico.

Fonte: Filipa Alves/www.ueline.uevora.pt

Biografia - Manuela Moura Guedes


BIOGRAFIA
Nasceu em 23 de Dezembro de 1955, no Cadaval mas a sua infância foi passada em Torres Vedras. Em 1978, quando frequentava o último ano do curso de Direito, entra para a RTP como locutora de continuidade. 

No início assinava Manuela Matos. Em 1979 apresenta o Festival da Canção com Fialho Gouveia. No dia 22 de Maio participou na sessão experimental do concurso "Écran Mágico" e os seus dotes musicais foram logo notados.

Ainda nesse ano edita o seu primeiro single, "Conversa Fiada". No ano seguinte foi editado o single "Sonho Mau".

Manuela Moura Guedes também trabalhava na rádio, primeiro teve, na Comercial, um programa de música, depois fez o programa "Jogo de Damas", com  Dora Maria e Maria João Aguiar, e depois colaborou no programa TNT da Rádio Comercial.

No fim de 1981 é editado o single "Flor Sonhada/Foram Cardos, Foram Prosas", com letra de Miguel Esteves Cardoso e música de Ricardo Camacho. No disco, produzido por Ricardo Camacho e por Jaime Fernandes, participaram  Ricardo  Camacho, nas teclas e sintetizadores, Tóli (bateria), Vítor Rua (baixo e viola) e Tó Pinheiro da Slva (guitarra). (1)

A seguir é editado o álbum "Alibi", feito em conjunto com os GNR (Tóli e Vítor Rua mais Rui Reininho), mas que não consegue repetir o sucesso obtido com o single.

Depois de três anos como locutora tinha passado para a informação. Acaba por largar a música, receando que o facto de cantar pudesse prejudicar a imagem de jornalista.

Em Novembro de 2007 foi editado, pela primeira vez em CD, o álbum "Alibi" com a inclusão dos dois temas do single anterior.

(1) Ricardo Camacho chega a preparar temas para o sucessor desse single. Um dos temas daria origem ao tema  "Sete Mares" dos Sétima Legião.

DISCOGRAFIA
Conversa Fiada/O Que Pode Ser (Single, Boom/Nova, 1979)
Sonho Mau/Sonho Bom (Single, Nova, 1980)
Flor Sonhada/Foram Cardos, Foram Prosas (Single, EMI/VC, 1981)
Alibi (LP, EMI/VC, 1982)

COMENTÁRIOS
«Tinha algum jeito, mas não propriamente talento, como aliás acontece com muitas coisas. A música fez um enorme sucesso, foi o «single» mais vendido em termos nacionais.» MMG

«foi, acima de tudo, um desafio. Provei a mim mesmo que seria capaz de fazê-lo e sinto-me orgulhoso por causa disso. É um orgulho adolescente e acho que o trabalho, tanto dos músicos, como da Manuela, tem uma sobriedade incrível.» Ricardo Camacho, 11/1981

«Tenho alguma pena de ter deixado a música, porque me divertia, satisfazia, realizava - e isso é extremamente importante, porque, se deixarmos de achar graça às coisas, é melhor largá-las. Tive algum receio de que a imagem de jornalista fosse deturpada pelo facto de cantar, por isso larguei a música.» MMG

«...talvez agora o disco [Álibi] seja bastante mais comercial do que o era na altura em que o gravei, pois estava avançado demais para esse tempo. Hoje, as pessoas talvez estejam mais habituadas aos sons do disco, sons esses da inteira responsabilidade dos GNR.» MMG

NO RASTO DE...
Ficou mais de quatro anos longe do pequeno ecrã e nesse período chegou a ser deputada pelo CDS/PP. Ingressa na TVI  onde assumiu as funções de "pivot" e de chefe de redacção. Cantou em algumas galas da TVI e em 2006 participou no programa "Canta Por Mim".

Informação retirada daqui

Manual - Processador de Texto


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Desenhos para colorir - Primavera


Conteúdo - Francis Bacon - Linha do tempo


1558 — Morte de Maria I, que é sucedida por Elizabeth I.
1561 — Nasce Francis Bacon.
1564 — Nasce Galileu Galilei
1576 — Bacon viaja para França.
1588 — Derrota da Invencível Armada.
1596 — Nasce Descartes.
1618 — Bacon é Lorde Chanceler e barão de Verulam.
1620 — Publicação de Novum Organum
1621 — Bacon é acusado de corrupção
1624 — Publicação de Nova Atlantis
1626 — Morte de Bacon.

Conteúdo - Síndrome de Asperger - Afinal o que é?


Maria Viana, mãe de Bruno, recorda que o filho, por volta dos dois ou três anos, tinha pouca iniciativa em procurar os outros, sobretudo crianças, e, se o fazia, era de forma desajustada mordiscando ou beliscando. Achava-o também muito contido nas emoções, com poucos risos e poucos choros, e embora tivesse com grande léxico de palavras falava pouco, era repetitivo, e não usava o “eu”. A memória era excelente, sobretudo para temas que lhe interessavam, com dois anos foram as marcas de carros. O Bruno tem hoje 27 anos e sabe tudo sobre o clima. Desde os quatros anos passou por vários especialistas, sendo que o diagnóstico de Asperger só chegou aos 18 anos.

Os sintomas clássicos de Asperger são as dificuldades em contacto visual, a ausência de resposta ao ser chamado, a não utilização de gestos ou do apontar, falta de interesse ou uma certa indiferença pelas outras crianças e por jogos interactivos. De acordo com o MedlinePlus, os sintomas podem ser percetíveis logo nos primeiros meses de vida, sendo que pelos três anos os problemas já são óbvios.

O National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS) refere ainda que em crianças mais velhas os interesses obsessivos são um importante sintoma, é referido que muitas crianças se tornam autênticas especialistas em dinossauros, marcas e modelos de carros ou até em objetos aparentemente tão estranho como aspiradores. Igualmente significativa é a dificuldade em entender certos sinais sociais e reconhecer os sentimentos dos outros, sendo que o terceiro sintoma que pode estar presente são alguns problemas a desempenhar certas habilidades motoras como ter dificuldade em aprender a andar de bicicleta ou a apanhar uma bola.

Além dos exames clínicos, outros testes físicos e mentais são sempre feitos de forma a descartar outras possíveis causas e a equipa que segue a criança por norma é multidisciplinar: pediatra do desenvolvimento, neuropediatra, psicólogo ou pedopsiquiatra, terapeuta da fala, etc. Até porque a intervenção precoce pode fazer toda a diferença.

Como nos explica a pediatra do desenvolvimento Mónica Pinto, o Asperger é uma perturbação do espectro do autismo em que não há compromisso da linguagem em termos dos principais marcos – embora possa haver algumas alterações qualitativas – e não existe défice cognitivo associado, pelo que é considerado o extremo “bom” do espectro.

No caso de Bruno, talvez porque os primeiros sintomas surgiram há mais de duas décadas, a psicoterapia só teve início aos 7 anos, mantendo-se até aos 22 anos. Foi avaliado quanto à necessidade de fazer terapia da fala e psicomotricidade mas, na altura, não foram consideradas necessárias, embora hoje em dia a mãe ache que a psicomotricidade teria sido importante.

No caso do Asperger, como de outras perturbações do desenvolvimento, o diagnóstico e intervenção precoces são essenciais. De acordo com Mónica Pinto, uma vez que os sintomas surgem muitas vezes bastante cedo e os pais estão hoje em dia muito atentos, é frequente receber crianças com alterações logo desde os 18 meses ou dois anos, altura em que ainda se pode intervir de forma muito eficaz.

Como explica a pediatra do desenvolvimento, a criança pequena apresenta grande plasticidade cerebral, pelo que através de intervenção precoce dirigida às suas dificuldades específicas é possível modelar o comportamento e melhorar as suas competências sociais e comportamentais. O que quer dizer que quanto mais cedo for feito o diagnóstico e a intervenção, melhores são as possibilidades de tornar a criança funcional.  Em casos raros pode ser necessário recorrer a algum tipo de medicação, mas o principal é o treino da interação, socialização e relação com os outros, idealmente feito nos ambientes naturais da criança (na escola, em casa) e não em gabinete.

Informação retirada daqui

domingo, 2 de julho de 2017

Biografia - Infante D. Henrique

n.      4 de março de 1394.
f.       13 de novembro de 1460.

Infante de Portugal, 5.º filho do rei D. João I, e da rainha sua mulher, D. Filipa de Lencastre; grão-mestre da Ordem de Cristo, duque de Viseu, fronteiro-mor de Leiria, cavaleiro da Ordem da Jarreteira, de Inglaterra, senhor da Covilhã, de Lagos e de Sagres, do Algarve, de cujo reino foi governador perpetuo. Nasceu no Porto a 4 de março de 1394, faleceu em Sagres a 13 de novembro de 1460.

Dedicou-se muito ao estudo das Matemáticas, e em especial ao da Cosmografia, quando estas ciências apenas começavam a ser conhecidas na Europa, e que ele fez cultivar em Portugal. Foi devido a esses estudos, ás meditadas informações que alcançou de seu irmão D. Pedro, que viajara na Europa e na Ásia, e à leitura dos escritores antigos, que no seu espírito se formou a certeza de que ao norte do Senegal, então considerado braço do Nilo, existiam povos hereges, que comerciavam entre si. Levar a luz cristã ao espírito desses povos e colher fruto do seu comércio, foi o grandioso plano do infante.

Contava apenas vinte e um anos de idade quando D. João I determinou armá-lo cavaleiro e aos seus dois irmãos D. Duarte e D. Pedro, com as festas publicas de grande solenidade, segundo o costume daqueles tempos. Mas o infante D. Henrique desejava antes receber as armas em verdadeira guerra, para onde o arrastava a sua inclinação e valor. O monarca louvou-o muito, e quando se pensou na tomada de Ceuta, a maior e a mais fortalecida praça de toda a Mauritânia, os três infantes tomaram parte, distinguindo-se na renhida batalha realizada em 21 de Agosto de 1415, sendo e infante D. Henrique quem ainda mais se distinguiu. Foi o comandante da frota do Porto, e o primeiro que saltou em terra. No dia 25 do referido mes de Agosto seu pai o armou cavaleiro da ordem de Cristo. D. João I saiu de Ceuta com a armada em 2 de Setembro seguinte, e pouco dias depois ancorou em Tavira, no meio das jubilosas aclamações do povo. Reunindo ali os seus filhos, declarou querer remunerar-lhes o grande serviço que tinham prestado. Ao príncipe D. Duarte, como herdeiro da Coroa, nada podia oferecer que fosse de maior valor; mas a D. Pedro conferiu-lhe o título de duque de Coimbra, e o senhorio de Montemor-o-Velho, Aveiro e outras terras que daí em diante, por constituírem o apanágio da sua categoria, passaram a denominar-se do Infantado; o infante D. Henrique foi feito duque de Viseu e senhor da Covilhã. O título de duque era então desconhecido em Portugal. Foi a conquista de Ceuta que vem ainda mais fixar os vagos desejos do infante D. Henrique de desvendar os mistérios do oceano. Portugal, efectivamente, formava nessa época, para o ocidente o extremo do mundo conhecido. O mar para o ocidente e para o sul era a região dos profundos misteriosos, povoado de terrores e de visões fantásticas. Foi na expedição de Ceuta, em que ele apenas viu primeiro como seus irmãos o ensejo de praticar brilhantes feitos de armas, e de conquistar dignamente as suas esporas de cavaleiro, que não tardou a achar também estímulo para empresa de maior alcance. Ceuta era um empório do comércio entre a Ásia, a África e a Europa. Além de todas as razões que já tinha para tentar estas novas aventuras, não deixou também de actuar no seu espírito a razão comercial. Como de costume foi o infante D. Pedro o confidente das intenções de seu irmão, e não se esqueceu de auxiliá-las. Em 1416 saiu do reino para viajar, e quando regressou em 1428, trouxe-lhe um tesouro precioso, o livro manuscrito das viagens de Marco Pólo com que o presenteara a senhoria de Veneza. O infante D. Henrique, em 1416 ou 1419, fundou uma vila no promontório de Sagres, para onde foi viver; começou a encarar as ondas do Oceano Atlântico, e a pensar na forma de intentar por elas as suas expedições descobridoras. Chamou do estrangeiro um cosmógrafo celebre, Jaime de Maiorga, e auxiliado por ele, entregou-se com fervor ao estudo. A vila ficou conhecida por Vila do Infante, e actualmente tem o nome de Sagres. D. Henrique estabeleceu ali uma escola de cosmografia e de navegação que foi frequentada pelos cavaleiros da sua casa, e por outros homens que se entusiasmavam pelas suas empresas. Ainda que não tivessem a forma regular dum curso aqueles estudos, contudo a conversação do infante, de Jaime de Maiorga, e de outros homens célebres que se agrupavam em redor do filho de D. João I, seria altamente instrutiva para os cavaleiros que os escutavam, e foram os mesmos que depois guiaram as caravelas de D. Henrique nos seus empreendimentos. Na vila, também o infante estabeleceu estaleiros e oficinas de construção naval, e erigiu o primeiro observatório astronómico que existiu em Portugal. Dentro da povoação havia uma capela dedicada a N. Sr.ª da Conceição, e fora a igreja de Santa Catarina, acima do porto onde desembarcavam os que vinham nos navios, e para que os mareantes que ali morressem, fossem enterrados no cemitério dela.

Estavam pois reunidos todos os, elementos precisos para se levar a efeito a empresa intentada pelo infante. Recursos não lhe faltavam; como grão-mestre da ordem de Cristo, podia aplicar os imensos rendimentos dessa cavalaria religiosa a expedições em que tanto lucrava a propagação da fé cristã. Armado com as informações que obtivera em Ceuta, decidiu-se a mandar todos os anos alguns navios tentar explorações para o sul. Começou então a série de descobrimentos, que deviam levar o pendão das quinas aos confins da terra, e imortalizar a memória do infante D. Henrique. Em 1418 Bartolomeu Perestrelo descobriu a ilha do Porto Santo, cuja capitania lhe foi confiada com permissão de el-rei; e João Gonçalves Zarco acompanhado de Tristão Vaz Teixeira encontrou a Madeira; estas ilhas, contudo, e a dos Açores, está provada já serem conhecidas, tendo sido descobertas no tempo de D. Afonso IV. Quando os navegadores voltaram ao reino trazendo notícias maravilhosas do que tinham visto. D: João I e o infante rejubilaram; este por ter conseguido o fim a que aspirava, aquele pela glória e proveito que destes descobrimentos provinham para o país, ilustrando o seu reinado. D. Henrique, porém, não se limitou a dirigir as navegações, procurou colonizar as ilhas que se iam descobrindo. A Madeira, principalmente, mereceu-Ihe os maiores desvelos. Anos depois, em 1432, Gonçalo Velho Cabral, comendador de Almurol, encontrou as ilhas dos Açores. No entretanto, não eram as ilhas do Atlântico que cativavam os cuidados do infante; o que mais o preocupava era esse mar tenebroso, que os mareantes da Idade Média julgavam impossível de transpor. Passar além do cabo Bojador, julgava-se impossível. Vinte tentativas se haviam feito para dobrar o cabo, mas os navegantes sempre recuavam por terror supersticioso. Finalmente, D. Henrique armou uma barcha, cuja capitania confiou a Gil Eanes, seu escudeiro, que partiu cm 1433 cheio de terror, e voltou sem nada ter adiantado. Aportando às Canárias, retrocedeu com uns cativos, convencido de que ir além, era empresa que Deus puniria com severidade. Instado pelo infante, tornou a embarcar em 1434, e vencendo o terror, teve a fortuna de dobrar o cabo fatídico. (V. Eanes, Gil). Este facto ficou registado como a data mais memorável da história das nossas descobertas. As navegações continuaram, recomendando sempre o infante aos navegantes nas suas instruções, que estudassem minuciosamente as costas que percorriam, colhessem o maior número possível de informações, e sobretudo não deixassem de procurar saber onde vivia o famoso Prestes João das Índias. Em 1436 Afonso Gonçalves Baldaia, copeiro de D. Henrique, percorrendo a costa ao sul do Bojador, descobriu o Rio do Ouro, e desembocando na Angra dos Cavalos, continuou navegando para o sul, e chegou à Pedra da Galé. Distraiu-o desta ocupação, que foi a sua glória, a infeliz empresa de Tânger, em que ele foi com seu irmão, o infante D. Fernando, que por ser ainda muito criança não pudera acompanhar el-rei seu pai e seus irmãos na tomada de Ceuta. Obtida a licença de el-rei D. Duarte, partiram ambos os irmãos a 22 de Agosto de 1437 para Tânger, com uma esquadra e um exército bem pouco proporcionado à grandeza da empresa que iam tentar. Foi uma fatalidade, de que resultou o cativeiro e morte do infante D. Fernando, que ficou conhecido pelo cognome de infante santo (V. Fernando, D.) Regressando a Portugal, por ordem do monarca seu irmão, D. Henrique continuou com os descobrimentos. Em 1441 Nuno Tristão descobriu o Cabo Branco, em 1443 a ilha de Arguim, onde se estabeleceu uma feitoria, e em 1445 visitou a costa da Senegâmbia, chegando até Palmar. A seguir, Diniz Dias dobra o Cabo Verde; João Fernandes, em 1445, que sendo cativo em Mauritânia, aprendera o árabe, penetra no interior do Sudão e chega ao país dos Tuaregues, sendo o primeiro europeu que explorou o interior do continente negro até Taguor; no ano seguinte, 1446, Álvaro Fernandes descobre a Serra Leoa, e reconhece a ilha de Gorea; em 1457 o veneziano Luís de Cadamosto e o genovês António Nola, ambos ao serviço do infante, descobriram a Gambia; em 1460 Diogo Gomes descobriu o arquipélago de Cabo Verde, que Cadamosto pretendia haver descoberto, e que mais tarde se provou não ser verdade, pela relação do próprio Diogo Gomes publicada em 1847 pelo Dr. Schmelles, de Munique.

A fama de D. Henrique chegara às nações estrangeiras e muitos homens ávidos de aventuras, vinham pedir-lhe emprego nas suas caravelas. Devotado apaixonadamente às ciências cosmográficas, D. Henrique foi o maior matemático do seu tempo; aplicou utilmente o astrolábio à navegação, e inventou as cartas planas. Quando se reformou a Universidade, em 1431, estando em Lisboa, fez-lhe doação por escritura da 12 de Outubro, dumas casas que comprara na freguesia de S. Tomé, para nelas se lerem as ciências que eram então aprovadas, e teve o cuidado de distribuir ordenadamente as diversas salas para os diversos exercícios escolares. Em 25 de Março de 1448 fez mercê à mesma Universidade de 12 marcos de prata, anuais, e consignados nos dízimos da ilha da Madeira, para salário da cadeira de prima de teologia. Esta mercê foi confirmada por carta de 12 de Setembro de 1460, pelo que se lhe deu o título de Protector dos Estudos em Portugal. O infante D. Henrique deixou um nome glorioso, e à, sua pátria uma herança sublime. Foi o vulto mais brilhante da história da Idade Média, o homem que deve simbolizar para a história a glória dos descobrimentos.

Apesar de não ter nunca sulcado as ondas do Oceano; senão para as suas expedições de conquista africana, teve o cognome de Navegador, e na verdade bem merecido, porque a ele se deve o primeiro impulso e o grande incitamento das grandes navegações, que tanto contribuíram para o progresso da civilização, que ampliaram tanto o conhecimento do mundo. Faleceu em Sagres, conforme dissemos, no estado de solteiro. Seu corpo foi primeiramente depositado na igreja de Lagos, sendo dali trasladado para o convento da Batalha em 1461, pelo infante D. Fernando, seu sobrinho, filho de el-rei Duarte, a quem pouco tempo antes havia constituído herdeiro e adoptara como filho. D. Fernando veio a casar com sua prima D. Beatriz, filha do infante D. João, e foi o pai de D. Diogo, duque de Viseu, e de D. Manuel, duque de Beja, e rei de Portugal (V. Beja, duques de). Sobre o túmulo vê-se a sua estátua de pedra, que em relevo o representa ao natural, vestido de armas brancas. e coroado de coroa real entretecida de folhas de carvalho, e uma rosa no meio; tem nela três escudos: o primeiro com as armas do reino de Portugal e as suas, e nos outros dois as insígnias das duas ordens que professara, de Cristo e da Jarreteira. Foram sua divisa uns ramos pequenos, e curtos como de carrasco com seus frutos pendentes, e por mote em língua francesa as palavras: Talent de bien faire. Esta divisa também se vê no túmulo, tendo por baixo numa só linha, em todo o comprimento do túmulo, um epitáfio em letra alemã. El-rei D. Manuel lhe mandou colocar também seu retrato na estátua de mármore sobre a coluna, que divide a porta travessa da igreja de Belém, como fundador da antiga ermida de Nossa Senhora do Restelo, que existiu primeiro naquele local.

Para perpetuar a memória do infante D. Henrique, erigiu-se em Sagres um monumento modesto. A portaria tem a data de 8 de Abril de 1836, reinando D. Maria II, e é referendada pelo então ministro do reino, marquês de Sá da Bandeira. O escultor do monumento foi Manuel Simões. Consta duma lápide de mármore com 10 palmos e meio de altura e 5 e meio de largura, embutida na parede sobre a porta interior da entrada principal da fortaleza de Sagres. Este corpo é dividido em dois planos, tendo o superior. em meio relevo, o escudo das armas do infante com a legenda Talent de bien faire e uma esfera armilar à direita e um navio à vela, à esquerda. O plano inferior compreende duas almofadas, na do lado esquerdo com uma inscrição latina e na do direito com a versão em português. Esta lápide foi lavrada no arsenal da marinha, levando o fabrico mais de três anos. O encarregado de a levar a Sagres, foi o capitão-de-mar-e-guerra Lourenço Germach Possolo. A colocação do monumento realizou-se solenemente a 21 de Julho de 1840, assistindo a câmara municipal, o capelão e a oficialidade de guarnição, o governador da praça, e outras pessoas. Em 1844, o abade titular de Santa Eulália de Rio de Moinhos, António Dâmaso de Castro e Sousa, mais conhecido pelo abade de Castro, requereu ao governo para ser colocada uma estátua do infante D. Henrique na sala do risco do arsenal de marinha, e sendo nomeada uma comissão para estudar o assunto, decidiu ela que a estátua devia ser levantada de Belém. Afinal nada se fez, até que, na sessão da Sociedade de Instrução no Porto, realizada em 4 de Março de 1882, houve uma proposta para que se erigisse uma estátua ao grande navegador. Depois de muitos trabalhos e contrariedades, constituiu-se em 1892 uma grande comissão que dedicadamente trabalhou, celebrando-se no Porto, sua terra natal, o centenário do infante D. Henrique com toda a solenidade e brilhantismo. Efectuaram-se as festas nos dias 1, 2, 3 e 4 de Março de 1894, sendo os dias 3 e 4 considerados de grande gala, por decreto de 28 de Fevereiro de 1894. No dia 4 foi solenemente assente a primeira pedra no momento, na praça do Infante D. Henrique, assistindo a esta cerimónia suas majestades el-rei senhor D. Carlos e a rainha senhora D. Amélia, representantes do governo, autoridades, etc. O monumento é obra do escultor Tomás Costa, e inaugurou-se, também com a assistência da família real, em31 de Outubro de 1900.

Publicou-se no Porto em 1894 um livro, O centenário do infante D. Henrique, comemorativo do centenário henriquino, profusamente ilustrado, com muitos artigos e notícias curiosas. Em Londres, no ano de 1868, publicou-se uma grandiosa obra intitulada: The life of Prince Henry of Portugal, surnamed the navigator, de que é autor Richard Henry Major. No Archivo Pittoresco, vol. IX vem a biografia do infante D. Henrique, escrita por Luís Augusto Rebelo da Silva. Também se encontram artigos no Summario de varia historia, do Dr. José Ribeiro Guimarães, vol. IV, pág. 50; nos Varões e Donas; Occidente de 1894, número dedicado ao centenário henriquino, etc.

Biografia retirada daqui

sábado, 1 de julho de 2017

Vídeo - Isto é Matemática T04E05 O 3D e a Trignometria

Notícia - ESA - Rosetta

A sonda Rosetta foi lançada pelo foguete Ariane 5 G+ na base de Kourou, a 2 de Março de 2004. A sua missão é estudar o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, que viaja entre as órbitas da Terra e de Júpiter.

Biografia - Mão Morta


BIOGRAFIA
Joaquim Pinto encontra em Berlim um dos elementos dos Swans que lhe disse que ele tinha cara de baixista. Volta para Portugal, compra um baixo e decide formar um grupo. 

Os Mão Morta aparecem, em Novembro de 84, para satisfazer o desejo de Joaquim Pinto e para ir tocar a Berlim. O grupo era formado por Joaquim Pinto (baixo), Miguel Pedro (guitarra) e Adolfo Luxúria Canibal (voz), que anteriormente se tinham juntado nos PVT Industrial.

Estreiam-se ao vivo, em Janeiro de 1985, no Orfeão da Foz, no Porto. Como estavam muito vazios em palco decidiram alargar a formação a um quarto elemento. Entra, assim, o guitarrista Zé dos Eclipses (antigo colega de Adolfo Luxúria Canibal nos AuAuFeioMau) passando Miguel Pedro para a bateria. 

Começam a participar em concursos e ficam em 4º lugar no Festival Nacional de Nova Música Rock, no Porto, em 1985 e  ganham o Prémio de Originalidade do III Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz (1986).

Em 1986 participam no Rock Vigo-Oporto, no El Kremlin, em Vigo. No fim desse ano entra para a banda o guitarrista Carlos Fortes.

O tema "1º de Novembro" é utilizado na banda sonora do filme "Um Dia no Bairro" de Paulo Miguel Fortes. Em Agosto de 1987 é editada uma k7 pela "Malucos da Pátria". Fazem a primeira parte dos Gun Club nas Jornadas do Império, em Lisboa.

Gravam para a Ama Romanta o mini-LP "Mão Morta" que seria editado em Julho de 1988. Gravado e misturado em três dias, o disco incluía seis temas. Englobava alguns dos primeiros temas ("Oub'Lá", "Aum") e músicas mais recentes que ainda não tinham sido tocadas ao vivo.

Em 1989 participam, com "1º de Novembro", na colectânea "À Sombra de Deus". No dia 2 de Junho desse ano actuam no Rock Rendez-Vous num concerto em que Adolfo Luxúria Canibal corta a própria perna com uma faca. (1)

Joaquim Pinto abandona o grupo, por motivos pessoais, em Janeiro de 1990. Entram para o grupo José Pedro Moura (baixo) e António Rafael (teclas).

O segundo álbum, "Corações Felpudos", é editado em Setembro de 1990 pela Fungui, editora ligada ao agenciamento da banda. 

Em Junho de 1991 editam "O.D., Rainha do Rock & Crawl" através da Área Total. O disco, gravado numa semana, funcionou quase como uma encomenda da editora da Guarda que já tinha mostrado interesse em editar o disco anterior. Zé dos Eclipses sai da banda e é substituído por Sapo (ex-Pop Dell'Arte).

Devido a alguns problemas com a Área Total, o grupo regressa à Fungui que edita o álbum "Mutantes S.21" em Dezembro de 1992. O disco obtém um grande êxito devido sobretudo aos temas "Budapeste" e "Lisboa".

Em Maio de 1993, o álbum  "Mutantes S.21" seria reeditado, numa edição limitada a 500 exemplares, acompanhada por uma banda desenhada.

Os Mão Morta fazem a banda sonora da curta metragem "Os Primeiros cinco Minutos Depois da Morte" produzida pela Oh! Brother Productions.

Assinam com a multinacional BMG e lançam, em Março de 1994, o álbum "Vénus em Chamas". («Os Escorpiões com Sida entram minúsculos pelas frinchas das portas e tornam-se gigantes no calor do corpo...»). O disco inclui temas como "Cães de Crómio" (lançado também num single que incluía  remisturas desse tema) e "Velocidade Escaldante". 

Ainda em 1994 participam nos discos de homenagem a António Variações e a José Afonso.

Devido a alguns conflictos, Carlos Fortes acaba por sair do grupo e é substituído por Vasco Vaz (ex-Braindead).

A BMG lança, em 1995, a compilação "Mão Morta Revisitada" que assinala o 10º aniversário da banda. Nesse ano, o grupo recebe a Medalha de Mérito (Grau Prata) da Cidade de Braga. 

"Chabala" é lançado como single. O teledisco, realizado por Nuno Tudela, venceria no ano seguinte a categoria video dos Prémios Blitz.

Adolfo Luxúria Canibal participa no tema "E O Verbo Criou A Mulher" dos Diva.

Em Janeiro de 1997 apresentam a peça "Müller no Hotel Hessischer Hof" no pequeno auditório do CCB. O registo do concerto seria depois lançado em CD pela editora Norte Sul. A edição em VHS seria lançada no ano seguinte.

O álbum "Há Já Muito Tempo que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável",  baseado no movimento da Internacional Situacionista(2), é editado em 1998. 

Os discos "Mão Morta" (incluindo os temas da K7 de 1987), "Corações Felpudos" e "O.D., Rainha do Rock & Crawl" (incluindo como faixas bónus os temas das colectâneas "À Sombra de Deus") são reeditados pela Norte Sul.

Participam no disco de homenagem aos Xutos e Pontapés com uma versão de "Mãe".

O 15º aniversário do grupo é celebrado no  Lux e enchem o Coliseu dos Recreios. Fazem uma versão de "No Domingo Fui às Antas" para o disco de tributo a Rui Veloso.

O álbum "Primavera de Destroços"(3) foi editado em 2001. O disco, com produção de Miguel Pedro, contou com a prestação da baixista Marta Abreu, que substituira José Pedro Moura, mas após a gravação do disco é substituída por Joana Longobardi.

O grupo recebe, em 2001, o "Prémio Carreira" atribuído pelo semanário "Blitz".

No início de 2002 é lançada uma edição limitada do álbum "Primavera de Destroços" que inclui um cd bónus com 12 temas gravados ao vivo no concerto de 8 de Maio na Aula Magna e ainda a versão longa de "Chabala" incluída no Cd-single promocional de "Cão da Morte".

No final de 2002, o grupo percorre vários bares e discotecas na Carícias Malícias Tour.

Em Fevereiro de 2003 apresentam o espectáculo "Carícias Malícias" no auditório da RDP. O disco seria editado em Maio por uma nova editora, criada pelo grupo, a Cobra Records.

"Narradores da Decadência", a primeira biografia dos Mão Morta, da autoria de Vítor Junqueira, é lançada em Março de 2004. O disco "Nus" é editado no dia 13 de Abril.

Em 2006 é editado no formato DVD o espectáculo "Muller ...". Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal editam em disco a banda sonora para "Estilhaços".

Em Maio de 2007 estreiam em palco o espectáculo baseado nos "Contos de Maldoror".

(1) «O concerto do RRV foi um concerto especial. Aconteceu assim porque tinha de acontecer. As condições levaram a isso. O ambiente daquela sala era... de cortar à faca. De maneira que era necessário sangue ali senão aquilo podia ser trágico.» ALC

(2) «Tínhamos há muito um tema perfeitamente Situacionista, que nunca chegou a ser gravado, que era o "Broche É Bom", e que tinha um olhar com alguma ironia sobre o mundo que era uma ironia profundamente Situacionista. Aliás, essa ironia Situacionista está presente em toda a nossa obra, mas este disco foi talvez o que fez melhor a ligação entre todos os retratos que sempre traçámos com as nossas canções»ALC/Blitz

(3) "Primavera dos Destroços", com letra e música de Zé dos Eclipses, era um tema dos AuAuFeioMau. Contactaram José Mário Branco para que fizesse um arranjo de cordas e participasse vocalmente mas por dificuldades de agenda não foi concretizada essa ideia.

DISCOGRAFIA
Mão Morta (LP, AmRo, 1988)
Corações Felpudos (LP, Fungui, 1990)
O.D., Rainha do Rock & Crawl (LP, Área Total, 1991)
Mutantes S.21 (LP, Fungui, 1992)
Venús em Chamas (CD, BMG, 1994)
Mão Morta Revisitada (Compilação, BMG, 1995)
Müller no Hotel Hessischer Hof (CD, Nortesul, 1998)
Há Já Muito Tempo que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável (CD, Nortesul, 2000)
Primavera de Destroços (CD, Nortesul, 2001)
Primavera de Destroços+Ao Vivo na aula Magna - 8 Maio 2001 (2CD, Nortesul, 2002)
Carícias Delicias (CD, Cobra, 2003)
Nus (CD, Cobra, 2004)
Maldoror (CD, Cobra, 2008)
2009

Colectâneas
À Sombra de Deus - Braga 1988 (1989) - 1º de Novembro
Insurrectos (1990) - Véus Caídos
Variações - As Canções de António (1994) - Visões - Ficções (Nostradamus)
Os Filhos da Madrugada (1994) - O Avô Cavernoso
À Sombra de Deus Vol. 2 (1994) - Rotte - A Morte é um Acto Solitário
XX Anos XX Bandas (1999) - Mãe
Ar de Rock - Vinte Anos Depois (2000) - No Domingo Fui Às Antas
Manifesto (2004) - Estilo / Berlim
À Sombra de Deus Vol. 3 (2004) - Sobe, Querida, Desce
3 Pistas (2005) - 

NO RASTO DE...
Zé Eclipses saiu do grupo porque foi para os Estados Unidos onde concluiu o seu doutoramento.

José Pedro Moura ainda faz parte dos Pop Dell' Arte. É também DJ e é gerente da antiga loja VC de Santa Apolónia. Antes de entrar para os Mão Morta tinha estado nos Pop Dell' Arte, SPQR e Acidoxibordel.

Carlos Fortes está nos Um Zero Amarelo.

 Informação retirada daqui

Notícia - Madagáscar precisa de três anos para vencer praga de gafanhotos



Três anos e cerca de 33 milhões de euros serão necessários para que Madagáscar consiga vencer uma devastadora praga de gafanhotos que está a afectar o país.

O alerta é da organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura (FAO, na sigla em inglês), que diz que a segurança alimentar de 13 milhões de pessoas está em risco.

No final do ano passado, o Governo do país já tinha lançado um alerta e pedido auxílio técnico à FAO. A situação degradou-se depois do ciclone Haruna, que atingiu Madagáscar em Fevereiro. Além dos danos em si, o ciclone deixou zonas alagadas, proporcionando boas condições para a reprodução dos gafanhotos, que se espalharam pelo país em densos enxames.

Se nada for feito, segundo a FAO, dois terços do país poderão ser afectados pela praga, com consequências dramáticas sobretudo na Região Sudoeste, onde 80% da população vive abaixo do limiar da pobreza. “Dependendo do seu tamanho e densidade, uma enxame de gafanhotos pode consumir até 100.000 toneladas por dia de vegetação, incluindo culturas agrícolas”, lembra a FAO, num comunicado.

Serão necessárias três campanhas anuais para controlar a situação, com a aplicação de insecticidas e outras medidas de controlo. A primeira deverá começar já a partir de Setembro, com o tratamento de 1,5 milhões de hectares.

http://www.publico.pt

Powerpoint - As cores


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Desenhos para colorir - Primavera


Conteúdo - Francis Bacon - Morte e legado de Bacon


Francis Bacon esteve envolvido com investigações naturais até o fim de sua vida, tentando realizar na prática seu método. No inverno de 1626, estava envolvido com experiências sobre o frio e a conservação. Desejava saber por quanto tempo o frio poderia preservar a carne. A idade havia debilitado a saúde do filósofo e ele acabou não resistindo ao rigoroso inverno daquele ano. Morreu em 9 de abril, vítima de uma bronquite. Encontra-se sepultado em St Michael Churchyard, St Albans, Hertfordshire na Inglaterra.

Efetivamente, Bacon não realizou nenhum grande progresso nas ciências naturais. Mas foi ele quem primeiro esboçou uma metodologia racional para a atividade científica. Sua teoria dos idola antecipa, pelo menos potencialmente, a moderna Sociologia do Conhecimento. Foi um pioneiro no campo científico e um marco entre o homem da Idade Média e o homem moderno. Ademais, Bacon foi um escritor notável. Seus Essays são os primeiros modelos da prosa inglesa moderna. Há muitos que acreditam que tenha sido ele o verdadeiro autor das peças de Shakespeare, teoria surgida há séculos, na chamada Questão da autoria de Shakespeare.

Conteúdo - Síndrome de Asperger - Causas


Hans Asperger afirmou existir semelhanças no comportamento de seus pacientes com alguns de seus familiares, principalmente os pais, defendendo a tese de que a origem da Síndrome de Asperger pode ser genética. Embora as pesquisas ainda não apontem um gene especificamente responsável, muitos fatores embasam tal crença, principalmente devido à variabilidade fenotípica observada dentre as crianças com SA. Uma destas evidências se concentra no fato de que a síndrome pode ser diagnosticada em mais de um membro da família e uma maior incidência de indivíduos, dentro do mesmo círculo familiar, apresentarem sintomas de forma extremamente leve (como por exemplo, dificuldades de leitura, interação social ou linguagem). Grande parte dos estudos sugerem que todos os transtornos do espectro autista compartilham mecanismos genéticos, podendo ter uma origem comum e de maior destaque, no caso, o autismo em si. No entanto, sua origem provavelmente não é causada por um grupo de genes comuns nos quais os alelos tornam um indivíduo vulnerável ao ponto de desenvolver Asperger, mas, se for o caso, a combinação de alelos, em cada caso determinaria a gravidade e os sintomas de cada indivíduo que possui a condição. 

Exames de imagem apontam evidências de alterações estruturais em determinadas regiões do cérebro, o que comprova o forte fator genético. Tais formações se dão logo após a concepção, ainda em estado embrionário, e são características que quase sempre podem observadas também nos pais ou em um deles, caracterizando o que se chama de Fenótipo Ampliado do Autismo (FAA), que é quando o indivíduo não tem a síndrome completa, mas possui alguns traços. Irmãos de crianças com a Síndrome de Asperger, muitas vezes, também apresentam traços ou condições afins, mais uma vez reforçando a ligação genética do quadro.

Embora a causa exata do transtorno ainda não seja conhecida, sabe-se, no entanto, que o transtorno está presente desde o nascimento e que tem um forte componente genético, e que não é, portanto, causado por estilos inadequados de criação dos filhos ou traumas emocionais.

Alguns poucos casos de transtornos globais do desenvolvimento são considerados efeitos de agentes teratogênicos ocorridos nas primeiras semanas de gestação. Embora isso não exclua a possibilidade da Síndrome de Asperger se manifestar antes ou depois disso, conclui-se que, provavelmente seu surgimento seja precoce no desenvolvimento humano. Outra hipótese, sem conclusões advindas da comunidade científica é que fatores ambientais possam exercer alguma influência após o nascimento. Dentre esses fatores, poder estar certos produtos químicos, medicações utilizadas pela mãe durante a gravidez (especialmente nos primeiros 3 meses de gestação) ou mesmo a poluição, mas por enquanto são apenas especulações sem comprovação.

Recomendamos ...

Recomendamos ...