quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Conteúdo - Défice de atenção - Como se previne o Défice de Atenção?


Durante a gravidez é importante evitar tudo o que possa prejudicar o desenvolvimento do feto, como o álcool, tabaco, fármacos ou toxinas ambientais.

Também as crianças devem ser protegidas de poluentes e toxinas do meio ambiente, como o fumo de tabaco, agentes químicos industriais ou agrícolas e a tinta com chumbo.

Embora não existam dados concretos, é prudente evitar a exposição excessiva à televisão ou a videojogos nos primeiros 5 anos de vida.


Vídeo - A Célula - Episódio 1 - A Química da Vida





Título Original: The Cell
Gênero: Documentário
Ano de Lançamento: 2009


Série da BBC em três episódios na qual o biólogo Dr. Adam Rutherford conta a extraordinária história da busca científica para desvendar os segredos da célula e da própria vida. Todos os seres vivos são feitos de células, unidades estruturais dotadas de poder e complexidade quase inimagináveis.









Biografia - Bernardim Freire de Andrade

n: 18 de Fevereiro de 1759 em Lisboa (Portugal)
m: 17 de Março de 1809 em Braga (Portugal)

Filho de Fernando Martins Freire de Andrade e Castro, senhor dos morgados de Ribeira do Sado e do Bom Despacho, e de Joana de Lencastre Forjaz. Alistou-se no exército e entrou como cadete no Regimento de Infantaria de Peniche, que fazia parte da guarnição de Lisboa, depois de ter frequentado o Colégio dos Nobres.
Em 1782 foi promovido a Alferes na 5.ª companhia do Regimento, companhia onde se manteve até ser promovido a Major. Em 1793 foi com o seu regimento para a Catalunha, integrado na Divisão Auxiliar que ajudou o exército espanhol na guerra contra a República francesa.

Em 1794, durante a campanha, foi promovido a Coronel do seu regimento, tendo sido ferido no ataque à posição de Madalena. Com o fim da campanha, devido à paz de Basileia, entre a Espanha e a França revolucionária, e subsquente regresso a casa foi promovido ao posto de brigadeiro.

Em 1800 foi nomeado governador e capitão-general da capitania de São Paulo, no Brasil. Não embarcou devido aos preparativos de guerra contra a Espanha, o que veio a acontecer em Maio de 1801. Foi nomeado comandante da brigada de granadeiros e caçadores do exército do Alentejo, tendo participado no combate de Arronches, conseguindo salvar as tropas do comando de Carcome Lobo de serem totalmente destruídas.

A seguir à guerra, participou em diversas comissões, no âmbito das reformas do exército postas em prática a partir de 1803. Em 1807 foi  promovido a marechal de campo, e nomeado Governador das Armas da região militar, com sede no Porto, conhecida por "Partido do Porto". Cargo que não tomou posse imediatamente devido à ocupação do país pelo exército francês do comando de Junot.

A revolta do Verão de 1808 contra o exército francês, despoletada em Madrid, no célebre dia 2 de Maio de 1808, e que de Espanha se propagou a Portugal, encontrou-o em Coimbra, para onde se tinha retirado em finais de 1807, juntando-se aí ao seu primo direito, D. Miguel Pereira Forjaz, futuro secretário da Regência. Dirigiu-se para o Porto para ocupar o posto para que tinha sido nomeado em 1807, e organizou com D. Miguel, e com as poucas forças e armas que existiam, um pequeno exército, que com o nome de «exército de operações da Estremadura» se dirigiu para Coimbra, onde chegou a 5 de Agosto, tendo apoiado sempre o flanco esquerdo do exército britânico, do comando do general Wellesley, o futuro duque de Wellington.

As decisões militares e políticas de Bernardim Freire de Andrade, sobretudo a de não juntar a sua força à do exército britânico, são a posteriori controversas, mas ainda hoje difíceis de analisar. A verdade, é que a sua acção em conjunção com a força comandada pelo general Bacelar, teve como consequência o impossibilitar a junção do corpo de tropas do general Loison ao do general Delaborde, o que permitiu aos britânicos só encontrarem as tropas do último na Roliça, e terem tempo, de receber os reforços que irão ser tão necessários para a derrota do exército francês de Junot, no Vimeiro, em 21 de Agosto.

Após a assinatura da Convenção de evacuação do exército francês de Portugal, a que se opôs, regressou ao Porto onde tomou o comando das forças militares do Porto e do Minho, que se preparavam para a defesa de Portugal, e a dar apoio às forças espanholas na expulsão dos franceses de toda a Península.

Fonte: 
António Pedro Vicente, 
«Um Soldado da Guerra Peninsular - 
Bernardim Freire de Andrade e Castro», 
Boletim do Arquivo Histórico Militar, 40.º volume (1970), 
pags. 201-576

Biografia retirada daqui

Manual - Energia, Calor e Temperatura


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - David Bowie - "Ashes To Ashes"

Vídeo - Isto é Matemática - T09E04 - “Crescimento Fatorial”

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Vídeo - A Célula - Episódio 2 - O Reino Oculto



Título Original: The Cell
Gênero: Documentário
Ano de Lançamento: 2009


Série da BBC em três episódios na qual o biólogo Dr. Adam Rutherford conta a extraordinária história da busca científica para desvendar os segredos da célula e da própria vida. Todos os seres vivos são feitos de células, unidades estruturais dotadas de poder e complexidade quase inimagináveis.








segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Conteúdo - Défice de atenção - Como se trata o Défice de Atenção?


O tratamento, como regra, associa o uso de medicamentos e uma terapia comportamental realizada por um psicólogo infantil e adaptada a cada caso.
Quando as crianças que não são muito agressivas e estão inseridas num ambiente familiar estável, pode ser suficiente o tratamento com medicamentos.

As crianças com défice de atenção não costumam, geralmente, ultrapassar plenamente as suas dificuldades.
Os problemas que se manifestam ou persistem na adolescência e na idade adulta incluem o fracasso escolar, pouca auto-estima, ansiedade, depressão e dificuldades na manutenção de um comportamento social adequado.
De um modo geral, as pessoas com défice de atenção aparentam adaptar-se melhor às situações laborais do que às escolares.

Quando o défice de atenção não é tratado, o risco de abuso de álcool ou de estupefacientes e a percentagem de suicídios tendem a ser mais elevados do que na população em geral.
É importante reforçar que o tratamento pode aliviar muitos dos sintomas mas não existe uma cura para esta condição.

Vídeo - A Célula - Episódio 3 - A Centelha da Vida





Biografia - D.José Trazimundo Mascarenhas Barreto, 5.º marquês de Alorna, 8.º conde da Torre e 7.º marquês de Fronteira

n.      11 de janeiro de 1802.
f.       19 de fevereiro de 1881.

Vedor honorário da Casa Real, par do reino; 7.º senhor de Fronteira, 8.º senhor dos morgados da Torre da Vargem, senhor de Coculim e Verodá, na Índia; 15.º senhor da quinta das Chantas, no termo de Santarém; 13.º senhor da quinta da Goncharia, em Almeirim; donatário na mordomia-mor de Faro; marechal de campo reformado; grã-cruz da Ordem de Cristo; comendador na mesma ordem, das comendas de Santa Cristina, de Afife, de N. Sr.ª da Conceição, de Rosmaninhal; de S. Miguel, de Linhares; de S. Nicolau, de Carrazedo de Monte Negro; de S. Tiago de Fonte Arcada; de S. Tiago de Torres Vedras. Grã-cruz da Ordem da Torre e Espada, oficial e cavaleiro da mesma ordem; grã-cruz das ordens de Carlos II de Espanha; da Águia Vermelha da Prússia; de S. Gregório Magno de Roma; de Alberto o Valoroso da Saxónia; de S. Maurício e S. Lázaro de Itália e da Rosa do Brasil; condecorado com a medalha das campanhas da Liberdade, algarismo 9, e com as medalhas por Bons Serviços, Valor Militar e Comportamento Exemplar.

Nasceu em Lisboa a 11 de janeiro de 1802, e faleceu na sua quinta de Benfica, a 19 de fevereiro de 1881. Era filho de D. João José Mascarenhas Barreto, 6.º marquês de Fronteira, e de sua mulher, D. Leonor Benedita de Oyenhausen e Almeida. 

Mal conheceu seu pai, que faleceu em 1806, e herdou todos os bens da casa; o príncipe regente D. João o agraciou com os títulos e bens da Coroa, de que os seus antepassados gozavam, em portaria de 17 de maio de 1811, e suplementos de 24 de setembro de 1814 e 26 de abril de 1815. Assentou praça de cadete a 8 de maio de 1818, tendo dezasseis anos, na primeira companhia de Granadeiros do Regimento de Infantaria n.º 4, sendo promovido a alferes do regimento n.º 1 da mesma arma em 10 de dezembro de 1820. Em 14 de fevereiro de 1821 casou com D. Maria Constança da Câmara, dama da Ordem de Santa Isabel, mais tarde, dama de honor das rainhas D. Maria II, D. Estefânia e D. Maria Pia; era filha de D. Luís Gonçalves da Câmara Coutinho Pereira de Sande, 11.o senhor das Ilhas Desertas, de Regalados, e do morgado da Taipa; alcaide-mor de Torres Vedras, casado com D. Maria de Noronha, filha dos 7.os, condes dos Arcos. 

Em 1820, o chefe da revolução liberal, o general Sepúlveda, o nomeou seu ajudante de campo, conservando-o no seu estado-maior até à queda do governo constitucional. Não querendo anuir ao movimento da Vilafrancada em maio de 1823, foi colocado no 7.° Regimento de Cavalaria, de guarnição em Torres Novas. Voltou depois a Lisboa, e foi mandado servir no regimento n.º 4 da mesma arma, poucas semanas antes da revolta de 30 de abril de 1821. Esteve então preso na torre de Belém, e depois na praça de Peniche, correndo os mais sérios perigos de vida, pois esteve quase a ser fuzilado. Saindo da prisão obteve licença para sair do reino, e em companhia de sua mulher percorreu parte da Europa, regressando à pátria depois de ser outorgada a Carta Constitucional em 1826. Foi eleito par do Reino, por carta régia de 30 de abril deste ano, não tomando logo posse, por estar ainda na menoridade, que então se contava de vinte e cinco anos. 

Começando as lutas do partido do infante D. Miguel, o general conde de Vila Flor tomou o comando das armas da província do Alentejo nos fins de Novembro do referido ano de 1826, e nomeou o marquês de Fronteira seu ajudante de campo. Tomou parte no combate de Arronches, e foi recomendado pelo seu comportamento nesta acção, sendo ele o portador da participação do combate à, regente, a infanta D. Isabel Maria. O conde de Vila Flor passou ás províncias da Beira, Trás-os-Montes e Minho, conservando sempre o marquês ás suas ordens. Nesta qualidade esteve na batalha de Coruche, e nos combates de Ponte da Barca e do Prado. Tendo em 9 de janeiro de 1827 deposto as armas os corpos rebeldes, findou a campanha, conservando-se o marquês no quartel general do conde de Vila Flor, que teve a nomeação de governador das armas do partido do Porto, e nele igualmente se conservou, quando aquele general comandou a força armada de Lisboa. Em julho de 1827 houve tumultos sérios na capital, com o fim de obrigar a regente a nomear um ministério que fosse presidido por Saldanha. Aos miguelistas convinha acusar de cumplicidade nestes tumultos pessoas importantes pela sua hierarquia social, e por isso o intendente da polícia recebeu varias denúncias em que se acusava o marquês de Fronteira de ter empenhado os seus esforços na direcção daqueles movimentos. A esta revolução se ficou chamando a Archotada. Na sessão da Câmara dos Pares de 5 de fevereiro de 1828 prestou juramento e tomou posse o marquês de Fronteira, e logo o ministério público remeteu à câmara um processo em que o novo par estava pronunciado como cabeça de motim. Em 22 de fevereiro seguinte ficou absolvido, quando o infante D. Miguel chegou a Lisboa. Constando-lhe que pretendiam prendê-lo, apesar de ter sido absolvido, emigrou para Inglaterra, passando depois a Paris. Tendo adoecido nessa cidade, não tomou parte na conhecida tentativa do vapor Belfast, onde vieram à costa do Porto, Saldanha, Palmela e o conde de Vila Flor, mas o governo de D. Miguel, acreditando que ele fora um dos da expedição, mandou-o processar com os outros, e sequestrou lhe os bens. Sabendo, porém, mais tarde que o marquês estava doente em Paris mandou suspender o processo e levantar o sequestro. O marquês declarou então no Journal des Debats, que se não tinha tomado parte na expedição de Belfast, fora por motivo da doença, e que não reconhecia outra rainha senão D. Maria II. Esta declaração valeu-lhe um novo sequestro, ficando privado de todos os seus bens até à entrada do exército libertador na capital. 

Assim que o ordenaram, reuniu-se ás forças que sustentavam a dinastia e a Carta nos Açores. Partiu para a ilha Terceira, e continuou no lugar de ajudante de campo do general conde de Vila Flor; desembarcou com ele nas praias do Mindelo, a 8 de julho de 1832, e às suas ordens entrou na batalha de Ponte Ferreira, a 23 de julho, em que foi graduado no posto de capitão; e quando se reformou a ordem da Torre e Espada, foi condecorado com a medalha de cavaleiro, com a data do dia da batalha. Assistiu também ao combate de Souto Redondo, e todo o tempo que o conde de Vila FIor comandou o exército liberal durante o cerco do Porto, esteve seu ajudante de campo. Quando D. Pedro IV assumiu o comando em chefe, nomeou o seu oficial ás ordens. Tomando o conde de Vila Flor o comando da ala direita das linhas do Porto e da 1.ª divisão do Exército, o marquês voltou ao seu quartel-general. Foi também recomendado pela sua conduta no combate das Antas. Acompanhou o general, já, então duque da Terceira, na expedição do Algarve, fez a campanha desta província e a do Alentejo, esteve na batalha de Cacilhas, continuando sempre ás ordens daquele general durante os sítios de Lisboa e de Santarém, e acompanhou-o depois ao norte do país. Assistiu à entrada de Coimbra e à batalha de Asseiceira, onde recebeu o grau de oficial da Torre e Espada. Estava em Evoramonte quando se deu a convenção em 27 de maio de 1834, e o duque da Terceira lhe deu ordem de acompanhar o general Lemos aos postos avançados do exercito de D. Miguel, sendo em seguida mandado como parlamentar à praça de Elvas comunicar ao governador o resultado da convenção, e intimá-lo a render-se. 

Terminada a campanha da Liberdade, o marquês de Fronteira foi colocado no Regimento de Lanceiros n.º 1, que se organizou naquela época, sendo nomeado comandante do 3.º esquadrão. Convocadas as cortes foi um dos 13 pares, que, guardando com a devida honra o seu juramento à Carta e à dinastia, instalaram novamente a referida câmara. A revolução de 8 de setembro de 1836 suprimiu a câmara, e em 1837 instaurou-se o Congresso Constituinte, em que o marquês de Fronteira foi eleito deputado por Lisboa. Depois de votada a nova constituição de 1838, foi também deputado, eleito por Bragança. Em 1840 organizou o 2.° Batalhão do Comércio, mas teve de abandonar o comando para acompanhar o duque da Terceira ás províncias do Norte. Em 1842 restabeleceu-se a Câmara dos Pares, e nesse ano, comandando o duque da Terceira a 1.ª Divisão Militar, realizou-se no Porto a restauração da Carta, e a Junta que a proclamara, marchou sobre Coimbra; a rainha ordenou então ao marquês de Fronteira o desempenho da comissão espinhosa de ir ao encontro da junta e das forças da província do Norte, comandadas pelo barão de Santa Maria, e no regresso à capital foi elogiado pelo ministro da Guerra, José Jorge Loureiro pela forma como se houvera no cumprimento daquela comissão. Em 1846 rebentou a revolução chamada da Maria da Fonte, e o marquês de Fronteira foi nomeado governador civil de Lisboa, cargo que exerceu, com uma pequena interrupção, até 1851. Nesta época foi encarregado pelo primeiro-ministro, o general Saldanha, de organizar os corpos de voluntários nacionais da capital, e de tomar o comando geral desses corpos. Antes da batalha de Torres Vedras em 23 de dezembro de 1846, estando Lisboa ameaçada pelas forças da Junta do Porto, ocupou as linhas da capital com os ditos corpos, merecendo elogios do governo pelo bom serviço que fizera. Em 1847 foi elevado a grã-cruz da Ordem da Torre e Espada. Conservou o comando dos corpos nacionais e o cargo de governador civil até 1851, como dissemos, ano em que rebentou a revolta conhecida pela Regeneração, tendo ele empregado todos os meios de que podia dispor, para evitar que a revolta triunfasse na capital. Saldanha foi nomeado presidente do Conselho de Ministros, e o marquês entendeu na sua dignidade demitir-se dos cargos que exercia. Saiu brigadeiro por antiguidade, em 10 de julho de 1851, e não lhe convindo ficar por mais tempo no serviço efectivo, pediu e obteve a reforma no posto de marechal de campo, reforma, que lhe foi melhorada por um decreto honroso, em 11 de maio de 1869, pelo ministério Sá da Bandeira. 

Por ocasião do casamento de D. Pedro V, em maio de 1858, foi nomeado mordomo-mor da Casa da Rainha D. Estefânia, cargo que exerceu até ao falecimento daquela virtuosa senhora, sucedido em Julho de 1859. Quando faleceu D. Pedro V e o infante D. João, em 1861, o duque de Saldanha, que era o mordomo-mor da Casa Real, adoeceu, e o marquês de Fronteira foi substitui-lo nesse elevado cargo. No casamento de D. Luís I, em 1862, foi nomeado mordomo-mor da Casa da Rainha senhora D. Maria Pia. Alguns anos depois, por motivos particulares, pediu a demissão, que lhe foi concedida. 

O marquês de Fronteira era neto pelo lado de sua mãe, da grande poetisa, marquesa de Alorna (V. este título). O titulo de marquês de Alorna foi-lhe dado em 22 de outubro de 1839, ficando desde então reunido ao de Fronteira, que lhe* foi renovado em Julho de 1844. Diz-se que deixou manuscritas algumas memórias valiosas. Do seu matrimónio houve uma única filha e herdeira, D. Maria Mascarenhas, que nasceu a 27 de maio de 1823, e casou com Pedro João de Morais Sarmento, elevado pelo seu casamento a conde da Torre, e depois a marquês de Fronteira (V. o artigo seguinte). O ilustre fidalgo assistiu em França à coroação de Carlos X e a todas as festas que por essa época se realizaram nas Tulherias. Tinha verdadeira paixão pelas artes, e em Roma viveu na convivência do nosso pintor Sequeira.

Nota:
Publicadas por Ernesto de Campos de Andrada em 1926 com o título Memórias do Marquês de Fronteira e d'Alorna, D. José Trazimundo Mascarenhas Barreto, ditadas por ele próprio em 1861 e publicadas em Coimbra pela Imprensa da Universidade.

Biografia retirada daqui




Manual - Reacções Químicas - Equilíbrio Químico Homogéneo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - David Bowie - "Life on Mars"

Vídeo - Isto é Matemática - T09E03 - “Origami”

sábado, 27 de janeiro de 2018

Vídeo - Amy Winehouse - "Rehab - Back To Black"

Vídeo - Amy Winehouse - "You know I'm no good"

Vídeo - Amy Winehouse - "Back to Black"

Vídeo - Elvis Presley - "Suspicious Minds"

Vídeo - David Bowie - "My way"

Vídeo - Modern Talking - "New Version Mix 2016"

Vídeo - Modern Talking - "You're my heart you're my soul"

Vídeo - Patrick Hernandez - "Born to be alive"

Vídeo - Haddaway - "What Is Love"

Vídeo - Snap! - "Rhythm is a Dancer"

Vídeo - Historia da Microscopia

Biografia - José César Ferreira Gil

General, historiador militar e comandante da 3.ª expedição a Moçambique, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial.

Nasceu na Celorico da Beira em 1 de Novembro de 1858;
morreu em 15 de Agosto de 1922.

Frequentou a Escola do Exército (a Academia Militar) de 1876 a 1878, sendo promovido a alferes efectivo e, Outubro de 1881. Em 1899 foi colocado na Escola Prática de Infantaria, em Mafra, sendo o comandante da Companhia Normal de Instrução, a unidade que servia para experimentar, estudar e normalizar os regulamentos. Pouco tempo depois voltou à Escola do Exército como comandante da companhia de alunos. Promovido a major foi nomeado 2.º comandante da Escola Prática de Infantaria. Em 1905 passou a professor do Colégio Militar. Republicano desde cedo, foi promovido a coronel em 1911, sendo transferido para o comando do regimento de infantaria n.º 29, aquartelado em Braga.

Tendo subjugado um motim desencadeado no seu regimento, durante o qual foi ferido, recebeu a medalha de prata de valor militar, sendo nomeado director do Colégio Militar. Promovido a general em 1915, foi escolhido para comandar a maior expedição militar enviada para as colónias africanas no decurso da Primeira Guerra Mundial, para a qual, como escreveu, não se achava verdadeiramente preparado. 

A expedição acabou de sair de Lisboa em 3 de Junho de 1916, chegando a Palma, no Norte de Moçambique, entre 3 e 5 de Julho. Em 19 de Setembro, dirigiu a invasão da «África Oriental Alemã», a colónia germânica a Norte de Moçambique - a actual Tanzânia -, sem sucesso, provocando a subsequente invasão alemã da colónia portuguesa. Em 10 de Outubro de 1916 regressou a Portugal, oficialmente doente, sendo substituído no comando das forças pelo governador-geral de Moçambique, Álvaro de Castro. Com o regresso a Portugal, e após o seu restabelecimento, foi colocado na Secretaria da Guerra, sendo director da 1.ª Direcção Geral quando morreu.

Escritor militar colaborou na Revista de Infantaria e na Revista Militar com artigos técnicos e de história. Escreveu A Infantaria Portuguesa na Guerra da Península, obra que saiu durante as comemorações do centenário da Guerra Peninsular.

Fonte: 
Enciclopédia Portuguesa e Brasileira de Cultura

Biografia retirada daqui

Conteúdo - Tabela Periódica dos Elementos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - David Bowie - "Heroes"

Vídeo - Isto é Matemática - T09E02 - “O Português Médio"

Lista - Escolas de Referência para a Intervenção Precoce na Infância

Conteúdo - Escolas de Referência para a Intervenção Precoce na Infância

No âmbito da intervenção precoce na infância são criados agrupamentos de escolas de referência para a colocação de docentes.
Constituem objetivos dos agrupamentos de escolas de referência:
-Assegurar a articulação com os serviços de saúde e da segurança social;
-Reforçar as equipas técnicas, que prestam serviços no âmbito da intervenção precoce na infância, financiadas pela segurança social;
-Assegurar, no âmbito do Ministério da Educação, a prestação de serviços de intervenção precoce na infância.

Lista - Escolas de Referência para a Educação Bilingue de Alunos Surdos

Lista - Escolas de Referência para a Educação de Alunos Cegos e com Baixa Visão

Conteúdo - Escolas de Referência para a Educação de Alunos Cegos e com Baixa Visão

Foi criada uma rede de escolas de referência para a inclusão de alunos cegos e com baixa visão, com vista a concentrar meios humanos e materiais que possam oferecer uma resposta educativa de qualidade a estes alunos.

Constituem objetivos destas Unidades, entre outros:

a) Assegurar a observação e avaliação visual e funcional;

b) Assegurar o ensino e a aprendizagem da leitura e escrita do Braille bem como das suas diversas grafias e domínios de aplicação;

c) Assegurar a utilização de meios informáticos específicos (linhas Braille, impressoras Braille, etc);

d) Assegurar o treino visual específico;

e) Orientar os alunos nas disciplinas em que as limitações visuais ocasionem dificuldades particulares (educação visual, educação física, etc);

f) Assegurar o acompanhamento psicológico e a orientação vocacional.

Lista - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo - Região Alentejo

Lista - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo - Região de Lisboa e Vale do Tejo

Lista - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo - Região Norte

Lista - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo - Região Algarve


Lista - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo - Região Centro

Conteúdo - Unidades de Ensino Estruturado para a Educação de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo

Foi criada uma rede de Unidades de Ensino Estruturado para o Apoio à Inclusão de Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo em escolas ou agrupamentos de escolas, com vista a concentrar meios humanos e materiais que possam oferecer uma resposta educativa de qualidade a estes alunos.

Constituem objetivos destas Unidades, entre outros:

a) Promover a participação dos alunos com perturbações do espetro do autismo nas atividades curriculares, entrosando com os seus pares de turma;

b) Implementar e desenvolver um modelo de ensino estruturado, consistindo na aplicação de um conjunto de princípios e estratégias que promovam a organização do espaço, do tempo, dos materiais e das atividades;

c) Aplicar e desenvolver metodologias de intervenção interdisciplinares que, com base no modelo de ensino estruturado, facilitem os processos de aprendizagem, de autonomia e de adaptação ao contexto escolar;

d) Proceder às adequações curriculares necessárias;

e) Assegurar a participação dos pais/encarregados de educação no processo de ensino e aprendizagem;

f) Organizar o processo de transição para a vida pós-escolar.

Lista - Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita - Região Norte

Lista - Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita - Região Centro

Lista - Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita - Região Lisboa e Vale do Tejo

Lista - Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita - Região Algarve

Lista - Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita - Região Alentejo

Conteúdo - Unidades de Apoio Especializado para a Educação a Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita

Foi criada uma rede de Unidades Especializadas para Apoio à Inclusão de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira congénita em escolas ou agrupamentos de escolas, com vista a concentrar meios humanos e materiais que possam oferecer uma resposta educativa de qualidade a estes alunos.Constituem objetivos destas Unidades, entre outros:

a) Promover a participação dos alunos com multideficiência e surdocegueira nas atividades curriculares, entrosando com os seus pares de turma;

b) Aplicar metodologias e estratégias de intervenção interdisciplinares visando o desenvolvimento e a integração social e escolar dos alunos;

c) Proceder às adequações curriculares necessárias;

d) Assegurar a participação dos pais/encarregados de educação no processo de ensino e aprendizagem;

e) Assegurar os apoios específicos ao nível das terapias, da psicologia, da orientação e mobilidade;

f) Organizar o processo de transição para a vida pós-escolar.

Conteúdo - Áreas de Intervenção

A Direção-Geral da Educação do Ministério da Educação e Ciência tem como atribuição coordenar, acompanhar e propor orientações no âmbito da Educação Especial, Orientação Escolar e Profissional, Educação para a Saúde e Ação Social Escolar (Portaria n.º 258/2013, de 28 Agosto - Lei Orgânica da DGE). São atribuições da DSEEAS:

a) Conceber orientações e instrumentos de suporte às escolas no âmbito da implementação e acompanhamento de respostas de educação especial e de apoio educativo,designadamente as de orientação escolar e profissional, de educação para a saúde e de ação social escolar;
b) Coordenar, acompanhar e propor medidas e orientações, em termos organizativos pedagógicos e didáticos, promotoras da inclusão e do sucesso educativo dos alunos com necessidades educativas especiais na educação pré--escolar e escolar na modalidade de educação especial
nos ensinos público, particular, cooperativo e solidário, 4770 Diário da República, 1.ª série — N.º 166 — 28 de agosto de 2012 designadamente atividades de complemento e acompanhamento pedagógico;
c) Conceber e coordenar modalidades de intervenção precoce dirigidas a crianças com necessidades educativas especiais em articulação com os serviços competentes dos ministérios responsáveis pelas áreas da segurança sociale da saúde;
d) Conceber, produzir e distribuir manuais escolares e outros materiais pedagógicos em formatos acessíveis,adaptados e em desenho universal;
e) Recolher e tratar a informação relevante respeitante à educação especial para efeitos de regulação e de monitorização das respostas educativas e de apoio educativo;
f) Assegurar a participação nas ações de natureza logística,operacional e de correção de provas adaptadas necessárias em matéria de avaliação externa de aprendizagens,em articulação com o Gabinete de Avaliação Educacional;
g) Identificar e planear a afetação de recursos diferenciados no quadro de uma avaliação compreensiva de necessidades;
h) Promover, conceber e acompanhar as medidas tendentes à utilização pedagógica das tecnologias de informação e de comunicação no âmbito da educação especial.Dado o carácter transversal da educação especial e as preocupações com a organização de uma resposta educativa integrada ao longo da vida a intervenção contempla domínios que abrangem a intervenção precoce até à transição da escola para o emprego.


O I Plano de Ação Para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacidade, (Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2006, 21 Setembro) publicado em Setembro de 2006 integrou um conjunto de medidas no sector da Educação que foram implementadas até finais de 2009. O relatório final de avaliação da execução do PAIPDI foi publicado em Fevereiro de 2010.


A Estratégia Nacional para a Deficiência (ENDEF 2011-2013) foi publicada em 14 de Dezembro pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 97/2010, integrando várias medidas da responsabilidade do ME - Apresentação da ENDEF.

Portugal prossegue uma política inclusiva, enquadrada por orientações emanadas a nível nacional, europeu e internacional.

O Ministério da Educação é membro da European Agency for Special Needs and Inclusive Education.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Vídeo - O Sistema Respiratório

Vídeo - Sistema Respiratório

Vídeo - Sistema Respiratório

Vídeo - Sistema Respiratório dos Peixes

Vídeo - A respiração

Powerpoint - Sistema Respiratório


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint - Sistema Respiratório dos Peixes


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha de Avaliação - Sistema Respiratório



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - Sistema Respiratório


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Ficha Informativa - Circulação de Ar


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Jogo - O que o nosso corpo pode fazer!


(Clique na Imagem)


Ficha de Trabalho - Sistema Respiratório Humano


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biografia - D.Pedro José Vito de Meneses Coutinho

Meneses Coutinho, Dom Pedro José Vito
6.º marquês de Marialva, 8.º conde de Cantanhede

n:  
m: 22 de Novembro de 1823 (Paris, França)

Filho do 5.º marquês de Marialva, entrou para o exército como cadete em Outubro de 1786, no regimento de cavalaria de que o seu pai foi coronel de 1777 até finais de 1796.
A sua carreira foi progredindo no regimento de cavalaria de Alcântara, tendo saído do regimento quando foi nomeado, em 1796, ajudante de ordens (ajudante de campo) do Duque de Lafões, ao mesmo tempo que o seu pai era nomeado Ajudante General do Exército

Em 1801, com a preparação do Exército português para a Guerra com a Espanha e a França, foi promovido a coronel e comandante do Regimento de Cavalaria de Mecklemburgo. Comandou o regimento quando este saiu de Lisboa, dirigindo-se com parte da guarnição de Lisboa, e a Brigada de Emigrados franceses a soldo da Grã-Bretanha, em reforço do exército do Alentejo que recuava para o Gavião, perto de Abrantes.

Tendo participado na Junta que reformou os artigos de guerra do tempo do conde de Lippe, e que formavam o Código Penal militar, foi em Setembro de 1802 nomeado Director do Arquivo Militar para a conservação das Cartas militares, geográficas e marítimas, função que manteve até à chegada do exército francês de ocupação, comandado por Junot.

Fez parte da delegação enviada a França por Junot para cumprimentar Napoleão e sofreu por isso as vicissitudes por que esta passou.

Em 1814, foi encarregue de cumprimentar Luís XVIII, quando este regressou a França, enquanto embaixador extraordinário. Manteve-se como embaixador em Paris, tendo também negociado o casamento da arquiduquesa Maria Leopoldina com o príncipe D. Pedro.

Morreu em Paris quando regressava ao seu posto de embaixador, solteiro e sem descendência.

Informação retirada daqui

Manual - Projecto Faraday - Texto do 11ºano


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - Suede - "Trash"

Vídeo - Isto é Matemática - T09E01 - “Cenas ao Nível do Terabit”

Protocolo - Observação de seres unicelulares numa infusão


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Biografia - Luís Augusto Ferreira Martins

Sub-chefe do Estado Maior do Corpo Expedicionário Português em França.
Nasceu em Lisboa, a 7 de Abril de 1875;
morreu em  Algés em 26 de Junho de 1967.

Tendo frequentado o Colégio Militar, ingressou na Escola Politécnica de Lisboa, onde se preparou para entrar na Escola do Exército, tendo concluído o curso de Artilharia em 1895, tendo tirado também o de Estado-Maior. Em 1897 participou na campanha de Moçambique  que continuou o trabalho de Mouzinho de Albuquerque realizado de 1895-97, tendo regressado a Portugal em 1898.

Em 1906 passou para o Estado-Maior do Exército, sendo enviado às manobras do exército suíço, em 1912. Foi chefe da repartição de gabinete do Ministério da Guerra, de 1913 a 1914, durante a administração do general Pereira Bastos, ministro da guerra do 5.º governo constitucional, dirigido por Afonso Costa, sendo nomeado sub-chefe do estado-maior do Corpo Expedicionário Português enviado para a Flandres, no Norte de França, em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial. Com o fim da guerra voltou a Portugal, sendo nomeado chefe do estado-maior do Campo Entrincheirado de Lisboa. Mais tarde, comandou o regimento de infantaria n.º 5, e a seguir, de 1929 a 1933, a Escola Central de Oficiais. Entretanto, em 1924, tinha feito parte da Comissão de Estudo da Organização do Exército Colonial. Escolhido para general foi promovido a esse posto em 1930, tendo servido de 1936 a 1940 como administrador geral do Exército, sendo a partir de 1938 também vogal do Conselho Superior do Exército.

Escritor sobre assuntos militares, escreveu, entre muitas outras obras:
Jogo de Guerra simplificado, em 1911;
Portugal na Grande Guerra, em 1935, obra colectiva que dirigiu;
O poder militar da Grã-Bretanha e a aliança anglo-lusa, em 1939.

Fonte:
Enciclopédia Portuguesa e Brasileira de Cultura

Manual - Projecto Faraday - Texto do 12ºano - Capítulos 9 a 13


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - Mark Knopfler - "Brothers in arms"

Vídeo - Isto é Matemática - T08E13 - “A Bomba Atómica do Trigo”

Protocolo - "As nossas mãos contêm microrganismos"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Vídeo - Viagem Fantástica do Corpo Humano, o incrível processo do Nascimento ate à morte

Vídeo - Fisiologia - A alimentação

Ficha de Avaliação - 6ºAno - Sistema Digestivo e Sistema Respiratório


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - Sistema Digestivo

Ficha de Trabalho - Digestão nos Mamíferos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha Informativa - Digestão nas Aves


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Conteúdo - Conhecer o meu corpo

(Clique na Imagem)

Ciências Naturais - Sistema Digestivo dos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha de Estudo - Corpo Humano


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Guião de Exploração - "Era uma vez a vida - A respiração"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Ficha de Trabalho - 5ºAno - Os Adjetivos - Flexão: em género, número e grau

Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Protocolo - "Os microrganismos ajudam-nos a produzir alimento"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

domingo, 21 de janeiro de 2018

Biografia - Francisco da Cunha de Mendonça e Meneses

n: 26 de Abril de 1761 (Portugal)
m: 7 de Abril de 1821 (Portugal)

Entrou para o Exército como cadete, tendo sido promovido a alferes,  em Maio de 1782, no Regimento de Infantaria do Marquês das Minas, tendo sucedido na Casa dos Cunhas, em 1777. Em Setembro de 1786  foi promovido a capitão. Em 1793 foi nomeado coronel do Regimento de Cascais, sendo desde 1789 monteiro-mor do Reino e, tendo o regimento integrado a Divisão Auxiliar que foi apoiar o exército espanhol na guerra contra a República francesa, partiu para a Catalunha com o seu Regimento, comandando-o durante toda a campanha do Rossilhão, de 1793 a 1795. 

Foi incluído na promoção que premiou os serviços prestados durante aquela expedição a Espanha, sendo graduado em marechal de campo.

Em 1797 foi nomeado capitão-general e governador das Armas do Algarve. Na Guerra de 1801 defendeu o Algarve de uma tentativa de invasão espanhola, o que lhe valeu o título de Conde de Castro Marim, dado por decreto de 14 de Novembro de 1802. Título outorgado a premiar não um grande feito de armas, mas o único feito de armas da Guerra de 1801, na Europa.

Em 1807, com a ida da corte para o Brasil, foi nomeado presidente do Senado da Câmara de Lisboa, e governador do Reino suplente, tendo regressado ao Algarve, quando Junot assumiu o governo de Portugal em nome de Napoleão. A revolta de Junho de 1808 encontrou-o em Tavira, tendo assumido o Governo da Junta Governativa. Comandou a força militar que se dirigiu para Évora e Alcácer do Sal e que, no momento em que foi assinada a Convenção de Sintra, se achava nas imediações de Palmela. Por ter sido a revolta do Algarve a primeira de que se teve notícia no Brasil, devido a uma embarcação de pesca de Olhão ter conseguido atravessar o Atlântico chegando ao Rio de Janeiro, foi feito marquês de Olhão em 21 de Dezembro de 1808.

Foi escolhido para integrar a nova Regência, em substituição dos que, por terem colaborado com o regime napoleónico, não integraram o governo instituído após a evacuação de Lisboa pelos franceses. Até 1820, exerceu o cargo de governador do Reino e de membro do Conselho de Guerra.

Informação retirada daqui


Manual - Projecto Faraday - Texto do 12ºano - Capítulos 1 a 8


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - Isto é Matemática - T08E12 - “Mostra-me a Tua Simetria”

Vídeo - Mark Knopfler - "Sultans of Swing"

Protocolo - "Os objectos e as superfícies contêm microrganismos"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Conteúdo - John Locke - Filosofia política


A filosofia política de Locke fundamenta-se na noção de governo consentido, pelos governados, da autoridade constituída e o respeito ao direito natural do ser humano - à vida, à liberdade e à propriedade. Influencia, portanto, as modernas revoluções liberais: Revolução Inglesa, Revolução Americana e a fase inicial da Revolução Francesa, oferecendo-lhes uma justificação da revolução e da forma do novo governo. Locke costuma ser incluído entre os empiristas britânicos, ao lado de David Hume e George Berkeley, principalmente por sua obra relativa a questões epistemológicas. Em ciência política, costuma ser classificado na escola do direito natural ou jusnaturalismo.

Suas ideias ajudaram a derrubar o absolutismo na Inglaterra. Locke dizia que todos os homens, ao nascer, tinham direitos naturais - direito à vida, à liberdade e à propriedade. Para garantir esses direitos naturais, os homens haviam criado governos. Se esses governos, contudo, não respeitassem a vida, a liberdade e a propriedade, o povo tinha o direito de se revoltar contra eles. A falha do Estado de Natureza levam à tal invasão da propriedade e, devido a tal, cria-se um contrato social para que haja transição do Estado de Natureza à Sociedade Política. As pessoas podiam contestar um governo injusto e não eram obrigadas a aceitar suas decisões. Locke ainda diz que se o governo viola ou deixa de garantir o direito dos indivíduos à propriedade o povo tem o direito a resistência ao governo tirano. O que define a tirania é o exercício do poder para além do direito, visando o interesse e não o bem público ou comum.

Outra constante na obra de Locke é do papel dos poderes na organização do Estado, sendo o legislativo o poder supremo, sobrepondo-se ao executivo e federativo. Assim, há no Estado um poder limitado, pois quando esses órgãos criados pelo consentimento do povo falha no atendimento dos fins a que foram concebidos perdem a razão de ser, dando aos cidadãos o direito de revolução. Locke apresenta ainda o trabalho como o fundamento originário da propriedade, tendo o seu valor corrompido com a introdução do ouro e do comércio, gerando a distribuição desproporcional das riquezas entre os homens.

O contrato social, embora não se trate de um contrato físico histórico, como acontece com qualquer contrato, consistiria na transferência de poder dos indivíduos carecidos de proteção para um conjunto de instituições artificiais e avantajada de meios para punir os que violam a obediência a essas mesmas instituições. De forma generalizada, o contrato social é a relação entre o povo e seu governante.

Há alguns pontos de contato entre o pensamento lockiano e hobbesiano. Primeiro na condição natural em que o homem vivia inicialmente e na sua passagem para organização social através do contrato social. Porém, distingue-se por caracterizar esse estado natural do homem como pacífico, sendo o homem nele plenamente livre. Enquanto Hobbes coloca o medo da morte violenta como fonte da organização dos homens, Locke impõe a defesa da propriedade como principal fonte de formação do Estado. Esta propriedade já existia anteriormente à formação do Estado.

Dedicou-se também à filosofia política. No Primeiro Tratado sobre o Governo Civil, critica a tradição que afirmava o direito divino dos reis, declarando que a vida política é uma invenção humana, completamente independente das questões divinas. No Segundo Tratado sobre o Governo Civil, expõe sua teoria do Estado liberal e a propriedade privada, onde ele caracteriza a propriedade privada como tudo a que você atribui um valor e tenha conquistado por direito. É algo legítimo e todo indivíduo tem direito a tais conquistas, e assim como Locke sugeriu, o Estado teria uma função primordial de proteger esses direitos.

Para Bernard Cottret, biógrafo de João Calvino, contrastando com a história trágica da brutal repressão aos protestantes na França no século XVI e a própria intolerância e zelo religioso radical de Calvino em Genebra, o nome de John Locke está intimamente associado à tolerância. Uma tolerância que os franceses aprenderam a valorizar apenas na década de 1680, quase às portas do Iluminismo. Como Voltaire afirmou, a tolerância é, para os franceses, um artigo de importação. Bernard Cottret afirma: A tolerância é o produto de um espaço geográfico específico, nomeadamente o noroeste da Europa. Ou seja: a Inglaterra e os Países Baixos. E ela é, no final, em especial, a obra de um homem - John Locke - a quem o século XVII dedica um culto permanente.

Dentre os escritos políticos, a obra mais influente de Locke foi Dois Tratados sobre o Governo (1689). O Primeiro Tratado é um ataque ao patriarcalismo, e o segundo introduz uma teoria da sociedade política ou sociedade civil baseada nos direitos naturais e no contrato social. Segundo Locke, todos são iguais, e a cada um deverá ser permitido agir livremente desde que não prejudique nenhum outro. Com este fundamento, deu continuidade à justificação clássica da propriedade privada, ao declarar que o mundo natural é a propriedade comum de todos, mas que qualquer indivíduo pode apropriar-se de uma parte dele, ao acrescentar seu trabalho aos recursos naturais. Este tratado também introduziu a chamada "cláusula lockeana ", que resume a teoria da propriedade-trabalho de John Locke: os indivíduos têm direito de se apropriar da terra em que trabalham desde isso não cause prejuízo aos demais. O direito de se apropriar privadamente de parte da terra comum a todos seria pois limitado pela consideração de que ainda houvesse bastante [terra] igualmente boa e mais do que aqueles ainda não providos pudessem usar.  Em outras palavras, que o indivíduo não pode simplesmente apropriar-se dos recursos naturais mas também tem que considerar o bem comum.

No âmbito das Relações Internacionais, Locke aponta que estas fazem parte do estado de natureza, mas isso não quer dizer que há uma falta de legalidade (deveres e direitos) entre as comunidades políticas no cenário internacional. Sendo assim, o poder de fazer guerra não é sem restrições, obedecendo às diretrizes da política interna, que trata dos interesses locais dos cidadãos, quanto à Lei Natural, caracterizada pela garantia da preservação da comunidade civil e da humanidade.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Vídeo - Alimentação Saudável

Vídeo - Funcionamento do Sistema Digestivo

Vídeo - Funções dos Nutrientes

Vídeo - Dieta Saudável

Protocolo - "Quais os efeitos dos microrganismos nos alimentos?" - A conservação dos frutos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Protocolo - "Como chegam os microrganismos aos alimentos?"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Protocolo - "Quais os efeitos dos microrganismos nos alimentos?" - A conservação do iogurte


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Teste de Avaliação - Alimentação



Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Protocolo - "Fazer queijo em casa de uma forma rápida, fácil e segura"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - A Alimentação do Bebé


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Ficha de Trabalho - 6ºAno


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - A Roda dos Alimentos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box



Recomendamos ...

Recomendamos ...