terça-feira, 31 de outubro de 2017

Notícia - Cientistas devolvem movimentos a ratos paraplégicos


Cientistas da Universidade Zurique, na Suíça, conseguiram que ratazanas paraplégicas voltassem a andar, e até mesmo a correr, graças a uma complexa combinação de medicamentos, estimulação eléctrica e exercício físico.


O estudo desenvolvido sugere que a regeneração de fibras nervosas não é fundamental, como anteriormente se pensava, para que os indivíduos afectados por paralesia recuperem os movimentos, abrindo uma nova linha de investigação no tratamento de lesões da espinal medula.

De acordo com Gregoire Courtine, professor responsável pela equipa de científicos, “a medula contém circuitos nervosos que, por si mesmos, sem intervenção do cérebro, podem gerar a actividade rítmica que faz mover os músculos das pernas, impulsionando o movimento de andar”.

Os cientistas da Universidade suíça trataram ratazanas que não conseguiam mexer as patas traseiras, colocando-as sobre uma passadeira que se movia a baixa velocidade, ao mesmo tempo que lhe administravam fármacos e choques eléctricos no local da lesão.

Esta combinação de técnicas provocou a regeneração do movimento rítmico dos músculos. No final do procedimento os animais caminhavam com normalidade, chegando a correr quando a passadeira rolante aumentava a velocidade.

A equipa dirigida por Courtine sublinha que o procedimento não permite que o indivíduo se desloque quando o seu cérebro ordena, mas sim através de uma acção externa que recupera os movimentos, que poderá também vir a ser aplicada em seres humanos.

L.M.N.

Biografia - Paul von Lettow-Vorbeck

Oficial comandante das forças alemãs que invadiram Moçambique durante a Primeira Guerra Mundial.
Nasceu em Saarlouis, Província do Reno, Prússia [Alemanha] em 20 de Março de 1870; 
morreu em Hamburgo, em 9 de Março de 1964.

Oficial colonial alemão por excelência, Lettow-Vorbeck foi enviado para a China durante a Revolta dos Boxers, tendo sido destinado a seguir para a colónia alemã do Sudoeste Africano, actual Namíbia, servindo nas forças  expedicionárias que combateram a rebelião de Herero e de Hottentot entre  1904 e 1908, durante a qual ganhou uma valiosa experiência da guerra no mato. Ferido, foi enviado para a África do Sul para recuperar.

Promovido a tenente-coronel foi nomeado comandante das forças militares da colónia alemã da África Oriental, a actual Tanzânia. Com o começo da Primeira Guerra Mundial, dirigiu vários bem sucedidos ataques surpresa contra o caminho-de-ferro britânico do Quénia, tentou a conquista de Mombaça e repeliu uma tentativa de desembarque britânico em Tanga, no Norte da colónia, em Novembro desse ano. 

Durante quatro anos, dirigindo uma força que nunca excedeu 14.000 homens, sendo 3.000 alemães e 11.000 askaris - soldados nativos da colónia -, obrigou ao envio de forças aliadas para a região que acabaram por ter um efectivo conjunto que se estima entre 130.000 a mais de 300.000 homens, compostas por tropas britânicas, belgas, e portuguesas, tendo entretanto invadido Moçambique e a Rodésia. O armistício apanhou-o na Zâmbia, quando provavelmente se dirigia para a colónia portuguesa de Angola.

Quando regressou à Alemanha em Janeiro 1919, Lettow-Vorbeck foi acolhido como um herói. Em Julho 1919, com o fim da guerra, comandou um corpo dos voluntários que ocuparam Hamburgo para impedir a tomada do poder na cidade dos comunistas do partido espartaquista de Rosa Luxemburgo. 

Foi deputado ao Reichstag, o parlamento alemão, de Maio de 1929 a Julho de 1930. Sendo membro da ala direita, nunca apoiou os Nazis, tendo tentado organizar em vão uma oposição conservadora a Hitler.



Fontes: 
Enciclopédia Britânica

Vídeo - Isto é Matemática T05E11 A Forma do Universo

Biografia - Richard Boyle

(1627 - 1691) Químico e físico irlandês naturalizado britânico, natural de Lismore Castle, em Lismore, Irlanda, redirecionador metodológico da física e da química modernas em função da valorização das medidas e da racionalidade das deduções experimentais. Um dos catorze filhos de Richard Boyle, o primeiro conde de Cork, estudou em Eton e em vários centros culturais europeus, desenvolvendo conhecimentos com as principais correntes do pensamento da época e tornando-se um admirador da obra de Galileu. Viajou vinte anos pela Europa, inicialmente se dedicando à difusão da fé cristã e ao estudo das línguas orientais, além de se aprofundar na pesquisa científica. De volta à Inglaterra, escreveu diversos ensaios filosóficos e começou seus estudos de física e química. Embora seu principal interesse fosse a química, era também fascinado pelas propriedades físicas do ar. Foi um dos fundadores da Royal Society, a partir de um movimento iniciado entre os cientistas da época (1644).

Transferiu-se para Oxford (1654), onde realizou sua maior produção científica. A partir dos trabalhos de Von Guerrick, incentivou Hooke a aperfeiçoar a bomba de vácuo e ambos construíram uma máquina pneumática para desenvolvimento de pesquisas com gases (1659), especialmente com o ar. Publicou Novas experiências físico-mecânicas, tocando a mola do ar (1660), sobre máquinas propulsoras de ar e geradoras de vácuo, criadas juntamente com Robert Hooke. Ambos construíram uma bomba pneumática, que permitiu demonstrar a impossibilidade de se obter o vácuo absoluto.

Analisando o ar, descobriu que ele servia de meio para a propagação do som e que era compressível por ser constituído de partículas minúsculas que se movem no vácuo. Verificou também que seu volume era inversamente proporcional à pressão a que era submetido (anos depois o abade francês Edme Mariotte deu maior precisão a essa lei, observando que só era válida sob temperatura constante). Outra de suas descobertas importantes foi a de que a água se expandia ao se congelar.

Notabilizou-se pelos desenvolvimento de estudos sobre a dilatação dos gases, publicados em The Sceptical Chymist (1661), um dos primeiros textos científicos em que a química se diferencia da alquimia e da medicina. Nela atacou a teoria aristotélica dos quatro elementos (terra, ar, fogo e água) e também os três princípios (sal, enxofre e mercúrio) propostos por Paracelso, desenvolvendo o conceito de partículas primárias que, por combinação, produziriam corpúsculos. Todos os fenômenos naturais, por conseguinte, se explicavam não pelos elementos e qualidades aristotélicas, mas sim pelo movimento e organização de partículas primárias.

Também com Hooke publicou Alguns ensaios fisiológicos (1662), onde formulou a importante Lei de Boyle. Foi a partir de suas definições químicas e reações que se iniciou a separação entre química e alquimia. Estabelecendo-se em Londres (1668), foi eleito presidente da Royal Society (1680), mas declinou da honra por não concordar com os termos do juramento de posse. Os seus múltiplos interesses intelectuais levaram-no a montar uma gráfica em que imprimiu diversas traduções da Bíblia. Durante alguns anos dirigiu a Companhia das Índias Orientais e, sem abandonar a pesquisa, dedicou os últimos anos de vida a pregação religiosa.

Biografia - Angelica Catalani


Uma das maiores sopranos do seu tempo. Nasceu em Senigallia, Marca de Ancona, Estados da Igreja [actualmente Itália] a 10 de Maio de 1780; morreu em Paris, França, a 12 de Junho de 1849. O pai, primeiro baixo no coro da Sé Catedral de Senigallia, e ourives, entregou a sua educação ao maestro da capela Pietro Morandi, que a integrou no coro do Convento de S. Luzia em Gubbio, perto de Roma. Como tinha uma voz naturalmente bonita e ágil, e os progressos tinham sido rápidos, devido à ajuda paterna, o empresário Cavos não hesitou em apresentá-la no teatro La Fenice, de Veneza, em 1797. O público foi indulgente com a imaturidade vocal e cénica da nova cantora de dezassete anos, e aplaudiu-a na Lodoiska de Johann Simon Mayr, ópera que tinha sido estreada no ano anterior naquele mesmo teatro. Regressou a Veneza em 1798 e no Carnaval de 1800, tendo cantado Carolina e Mexicow e Il Ratto delle Sabine de Niccolò Antonio Zingarelli, e Lauso e Lidia e Gli Sciti de Mayr, assim como a Morte di Cleopatra de Sebastiano Nasolini, na nova versão de Gaetano Marinelli. Em 1800 cantou em Trieste Gli Orazi e i Curiazi de Domenico Cimarosa, em 21 de Janeiro de 1801 no Scala de Milão, e depois seguiram-se actuações em Florença e no Teatro Argentina de Roma.

Em 27 de Setembro de 1801 estreou-se em Lisboa cantando a Cleopatra de Nasolini, e em 23 de Dezembro cantou La Morte de Semiramide de Marcos Portugal, de acordo com Ruders. Tinha vindo de Génova, segundo Fonseca Benevides. Em 1804 casou com um oficial francês, Paul Valabrègue, adido à embaixada do seu país em Lisboa. Ficará até 1806 em Portugal, tendo ido nesse mesmo ano para Paris, passando por Madrid. 

Cantou três vezes para Napoleão Bonaparte no Palácio de Saint-Cloud. O público da ópera de Paris pôde ouvi-la em duas árias de Cimarosa, assim como em duas de Marcos Portugal, retiradas das óperas Semiramide e Zaira, uma de Niccolini e uma de Niccolo Piccini. O Imperador francês tentou retê-la em Paris, mas a cantora decidiu-se por Londres, para onde partiu clandestinamente, sem passaporte, embarcando em Morlaix. Ficará no Reino Unido até 1813.

A sua estreia na capital britânica realizou-se em 13 de Dezembro de 1806, no King's Theatre, com a ópera de Marcos Portugal, La Morte de Semiramide, tendo as récitas seguintes continuado a agradar. Nos seis meses seguintes cantou Il ritorno di Serse e La morte de Mitiridate do compositor português, Il Fanatica per la musica de Mayr e a Cleopatra de Nasolini. Na temporada de 1807, de durou de Janeiro a Agosto,  foi contratada para cantar duas vezes por semana por mais de 5.000 libras, numa época em que o normal seria receber 500. Em 1809 não foi contratada, mas no ano seguinte regressou ao King's Theatre, para as quatro temporadas seguintes, tendo em 1812 sido Susana na estreia londrina da ópera de Mozart Le nozze di Figaro. As suas interpretações do God Save the King e do Rule Britannia, provocavam grandes manifestações patrióticas em Inglaterra, tendo passado a fazer parte do seu repertório.

Regressou a Paris em 1814, após a Restauração da monarquia, e Luís XVIII acolheu-a muito bem, tendo a cantora assumido a direcção da Opéra-Italien na Salle Favart, com um subsídio de 160.000 francos. A companhia faliu devido à ingerência do marido e Angélica Catalani acabou por abandonar a França, devido ao regresso de Napoleão. Viajou pela Europa do Norte, tendo actuado na Alemanha, Dinamarca e Suécia, onde poderá ter sido ouvida novamente por Carl Israel Ruders. Com a Segunda Restauração voltou a Paris e reassumiu a direcção do mesmo teatro, abandonando-o de novo em Maio de 1816.

Realizou tournées na Alemanha, tendo sido ouvida por Goethe em 1818, tendo estado em Berlim em 1827, em Itália, assim como na Polónia, na Rússia e em Inglaterra onde actuou pela última vez em 1824, regressando várias vezes a Paris. Em 1826 esteve em Itália, passando por Génova, Roma e Nápoles. Retirou-se em 1828, com quase cinquenta anos para uma villa em Florença, onde criou uma escola gratuita para futuras cantoras de ópera. Morreu em Paris em 1849, tentando fugir da epidemia de cólera que assolou a Itália nesse ano, e que acabou por a vitimar.



Fontes: 
Enciclopedia dello Spettacolo, Roma, Casa Ed. Le Machere, 1954;

Carl Israel Ruders, Viagem em Portugal, 1798-1802, trad. de António Feijó, pref. e notas de Castelo Branco Chaves, Lisboa, Biblioteca Nacional («Série Portugal e os Estrangeiros»), 1981; tradução parcial de Portugisk Resa, beskrivfen i bref til vanner, 3 vols., Stockholm, 1805-1809;

Francisco da Fonseca Benevides, O Real Theatro de S. Carlos de Lisboa desde a sua fundação em 1793 até á actualidade: estudo historico, Lisboa, Typ. Castro Irmão, 1883.

Desenhos para colorir - Primavera


Conteúdo - Baruch Espinoza - Conteúdo Filosófico - Substãncia


Espinosa defendeu que Deus e Natureza eram dois nomes para a mesma realidade, a saber, a única substância em que consiste o universo e do qual todas as entidades menores constituem modalidades ou modificações. Ele afirmou que Deus sive Natura ("Deus ou Natureza" em latim) era um ser de infinitos atributos, entre os quais a extensão (sob o conceito atual de matéria) e o pensamento eram apenas dois conhecidos por nós.

A sua visão da natureza da realidade, então, fez tratar os mundos físicos e mentais como dois mundos diferentes ou submundos paralelos que nem se sobrepõem nem interagem mas coexistem em uma coisa só que é a substância. Esta formulação é uma solução muitas vezes considerada um tipo de panteísmo e de monismo, porém não por Espinosa, que era um racionalista e, por extensão, se teria um acompanhamento intelectual do Universo, como define ele em seu conceito de "Amor Intelectual de Deus".

Espinosa também propunha uma espécie de determinismo, segundo o qual absolutamente tudo o que acontece ocorre através da operação da necessidade, e nunca da teleologia. Para ele, até mesmo o comportamento humano seria totalmente determinado, sendo então a liberdade a nossa capacidade de saber que somos determinados e compreender por que agimos como agimos. Deste modo, a liberdade para Espinosa não é a possibilidade de dizer "não" àquilo que nos acontece, mas sim a possibilidade de dizer "sim" e compreender completamente porque as coisas deverão acontecer de determinada maneira. 

A filosofia de Espinosa tem muito em comum com o estoicismo, mas difere muito dos estoicos num aspecto importante: ele rejeitou fortemente a afirmação de que a razão pode dominar a emoção. Pelo contrário, defendeu que uma emoção pode ser ultrapassada apenas por uma emoção maior. A distinção crucial era, para ele, entre as emoções activas e passivas, sendo as primeiras aquelas que são compreendidas racionalmente e as outras as que não o são.

Para Espinoza, a substância não possui causa fora de si, ela é causa de si mesma, ou seja, uma causa sui. Ela é singular a ponto de não poder ser concebida por outra coisa que não ela mesma. Por ser causa de si, a substância é totalmente independente, livre de qualquer outra coisa, pois sua existência basta-se em si mesma. Ou seja, a substância, para que o entendimento possa formar seu conceito, não precisa do conceito de outra coisa. A substância é absolutamente infinita, pois se não o fosse, precisaria ser limitada por outra substância da mesma natureza.

Pela proposição VI da Parte I da Ética, ele afirma: "Uma substância não pode ser produzida por outra substância", portanto, não existe nada que limite a substância, sendo ela, então, infinita. Da mesma forma, a substância é indivisível, pois, do contrário, ao ser dividida ela, ou conservaria a natureza da substância primeira, ou não. Se conservasse, então uma substância formaria outra, o que é impossível de acordo com a proposição VI; se não conservasse, então a substância primeira perderia sua natureza, logo, deixaria de existir, o que é impossível pela proposição 7, a saber: "à natureza de uma substância, pertence o existir". Assim, a substância é indivisível.

Assim, sendo da natureza da substância absolutamente infinita existir e não podendo ser dividida, ela é única, ou seja, só há uma única substância absolutamente infinita ou Deus.

Apesar de ser denominado Deus, a substância de Espinoza é radicalmente diferente do Deus judaico-cristão, pois não tem vontade ou finalidade já que a substância não pode ser sem existir (se pudesse ser sem existir, haveria uma divisão e a substância seria limitada por outra, o que, para Espinoza, é absurdo, como foi explicado no parágrafo anterior). Consequentemente, o Deus de Espinoza não é alvo de preces e menos ainda exigiria uma nova religião.

Powerpoint - Respiração e Transpiração nas Plantas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - Reprodução nas Plantas - A Polinização


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - Fotossíntese


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - Fotossíntese Respiração e Transpiração


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - A Reprodução nas plantas - A Polinização


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - A Importância das plantas para o mundo vivo


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Powerpoint - A Fotossíntese


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint - O Ciclo de Vida das Árvores


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Powerpoint - Alimentação das Árvores


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


Vídeo - Polonização

Vídeo - Germinação da Semente - I

Vídeo - Plantas: Porque precisamos delas?

Vídeo - Polonização - A importância das Abelhas

Vídeo - Fábrica de vidas! (A importância das plantas)

Vídeo - "Fábrica de vidas!" (A importância das plantas)

Vídeo - Germinação da Semente - II

Conteúdo - Constituição da Flor



pedúnculo – liga a flor ao caule.
receptáculo – parte dilatada do pedúnculo, onde estão inseridos as peças florais.
cálice – constituído por folhas modificadas chamadas sépalas.
corola – constituída por folhas modificadas chamadas pétalas.
perianto – nome que se dá ao conjunto de cálice e corola.
androceu – constituído por folhas modificadas chamadas estames.
gineceu – constituído por folhas modificadas chamadas carpelos.

Vídeo - As Plantas

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Conteúdo - Constituição da Flor




Exercíco - Constituição da Flor




  1. grão de pólen
  2. estigma
  3. antera
  4. filete
  5. estigma
  6. ovário
  7. óvulo
  8. tubo polínico
  9. fruto
  10. semente
  11. radícula
  12. caulículo
  13. gémula
  14. pétala
  15. folha
  16. caule
  17. raiz

A - Frutificação
B - Disseminação da sementes
C - Germinação da semente
D - Polinização
E - Germinação do grão de pólen
F - Fecundação

domingo, 29 de outubro de 2017

Notícia - Relatório apresenta 163 novas espécies


O mais recente relatório da WWF (World Wide Fund for Nature), uma organização não-governamental ambientalista, revela 163 novas espécies identificados durante 2008, na região asiática do Grand Mekong. Entre as criaturas mais bizarras pode encontrar-se uma rã com dentes que se alimenta de aves e uma osga de olhos laranja e pintas de leopardo.

O relatório, denominado ‘Close Encounters’, refere que no ano passado os cientistas identificaram 100 novas plantas, 28 peixes, 18 répteis, 14 anfíbios, dois mamíferos e uma ave nas selvas e rios no sudoeste asiático, nos seis banhados pelo Rio Mekong: China, Cambodja, Laos, Birmânia, Tailândia e Vietname.

Coube a Stuart Chapman, director da WWF, apresentar o relatório que acrescenta as novas descobertas às cerca de 1000 espécies já identificadas na região entre 1997 e 2007.

“Depois de vários milénios escondidas, estas espécies estão agora finalmente sob os holofotes e, certamente, existem ainda muitas mais à espera de serem descobertas”.

Uma das novas criaturas é a Limnonectes megastomias, uma rã com dentes que vive em pequenos riachos tailandeses. Após alguns estudos, a equipa de cientistas que analisou o local, anunciou a descoberta de penas nas fezes do animal, o que significa que a sua alimentação inclui aves, além de outros anfíbios e insectos.

A osga Cat Ba (Goniurosaurus catbaensis), habitante das Ilhas Cat Ba, no Vietname, tem grandes olhos de cor lararanja e um corpo coberto de pintas, à semelhança dos leopardos.

Quando um dos cientistas se preparava para capturar a osga descobriu, acidentalmente, uma nova espécie de víbora.

“Estávamos concentrados a tentar apanhar a nova espécie de osga. Foi nesse momento que o meu filho me alertou que a meros centímetros de distância da minha cabeça estava uma víbora! Decidimos capturá-la e só depois percebemos que era uma espécie desconhecida.”, contou Lee Grismer, da Universidade La Sierra da Califórnia.

A víbora Cryptelytrops honsonensis, mede um metro e apresenta 92 listas amarelas que ziguezagueiam pelo seu corpo.

O relatório da organização alerta ainda para os perigos que as alterações climatéricas poderão ter na sobrevivência destas espécies.

Luís Murteira Nunes

Biografia - Leclerc, Victor-Emmanuel

n: 17 de Março de 1772, Pontoise (França)
m: 2 de Novembro de 1802 em Cap-Français (Haiti)

Tendo-se alistado no exército em 1791, é eleito tenente pelos voluntários do departamento de Seine-et-Oise, e nomeado chefe do Estado-maior do Exército enviado contra Toulon, ocupada pelos espanhóis e britânicos.
Enviado para Marselha em 1795 para restabelecer a ordem, participa na Campanha de Itália sob o comando de Napoleão Bonaparte, a partir de 1796, tendo-se distinguido nas batalhas  de Lonato, Roveredo e Rivoli. Regressa a França para anunciar ao governo os preliminares da paz de Leoben. Tendo-se tornado amigo de Bonaparte, casou com a irmã mais nova deste - Pauline - em 14 de Junho de 1797.

Fez parte da expedição ao Egipto, comandando a brigada de cavalaria ligeira do exército, sendo promovido a general de divisão em Agosto de 1799. Regressa com o comandante-em-chefe do Exército a França tomando parte activa no Golpe de Estado de 18 de Brumário que coloca o cunhado no poder.

Homem de confiança do Primeiro Consul françês exerce comandos cada vez mais importantes.  Em 1800, é colocado no Exército da Alemanha para vigiar o seu comandante-chefe, o general Moreau, tomando a fortaleza de Landshut. Mais tarde é-lhe dado o comando do corpo expedicionário que deve apoiar o Exército espanhol na sua campanha contra Portugal, mas a conclusão rápida da campanha impede-o de intervir.

Em 24 de Outubro de 1801, após a assinatura da paz de Amiens, é colocado à frente da expedição enviada a São Domingos, com o título de Capitão General, para restabelecer a soberania francesa na ilha. Tendo chegado ao Haiti em Fevereiro de 1802, consegue pacificar a ilha, vencendo as forças militares compostas por negros rebeldes, e prendendo Toussaint-Louverture o seu comandante. O anúncio do restabelecimento da escravatura na Ilha de Guadalupe reaviva a rebelião, que as tropas francesas vindas da Europa, dizimadas pela febre amarela, têm dificuldade em por cobro. 

O general Leclerc atacado pela febre amarela acaba por morrer em finais de 1802.



Fonte:
Jean Tulard e outros,
Histoire et Dictionnaire du Consulat et de l'Empire, 
Paris, Laffont, 1995.

Vídeo - Isto é Matemática T05E10 Fenómenos Estroboscópios

Biografia - Rudolf Emmanuel Clausius

(1822 - 1888) Físico alemão nascido em Köslin, na Prússia, agora Koszalin, Polônia, um dos fundadores da ciência da termodinâmica moderna.

Filho de um pastor e professor, estudou nas universidades de Berlim e Halle. Apresentou um artigo corrigindo a teoria calórica de Carnot, aproximando-a ao trabalho de Joule, demonstrando que calor não era um fluido e, sim, uma forma de energia, ou seja, formulando o segundo princípio da termodinâmica e dando importante contribuição para o desenvolvimento da teoria cinética dos gases (1850). Foi (1855-1888) sucessivamente professor no Polytechnic Institute, em Zurique, e nas universidades de Würzburg e Bonn.

A partir do teorema de Carnot, definiu a nova grandeza: a entropia (1865). Sua teoria sobre eletrólise antecipou em parte a teoria iônica do químico sueco Svante Arrhenius.

Biografia - Adelaide Ferreira

Adelaide Ferreira nasceu no dia 1 de Janeiro de 1960 em Minde.  Aos 3 anos, mudou-se para as Caldas da Rainha, onde teve o seu primeiro contacto com as artes, ao substituir a sua irmã mais velha, Laurinda, numa peça infantil.

Ruma para Évora, em 1976, para participar no Curso de Formação de Actores Profissionais. Após um ano de curso, foi contratada pelo Grupo 4 do Teatro Aberto onde permaneceu durante três anos. 

Em 1979 entra no filme "Kilas, o Mau da Fita" de José Fonseca e Costa, aparecendo na banda sonora a cantar o tema "Balada da Rita". Em 1980 consegue o  seu primeiro papel como protagonista na peça "Andorra", ao lado de António Rama. 

Durante esse período gravou dois discos a solo pela mão de Paulo de Carvalho, um dos temas foi o grande êxito radiofónico "Meu Amor Vamos Conversar os Dois".

Participa nas semi-finais do Festival RTP da Canção de 1980 com o grupo As Alegres Comadres, formado por Adelaide Ferreira, Mila Ferreira, Ana Bola e Helena Isabel.  

Vai para o Algarve com o namorado, Luís Fernando, para cantar em bares. Quando volta a Lisboa é desafiada a gravar um disco. Assim, em 1981 é editado o single "Baby Suicida", tema composto por ela e por Luís Fernando num quarto de uma pensão. O disco vendeu mais de 20 mil exemplares.

"A Tua Noite", o lado b do single, atinge o primeiro lugar da tabela "TNT - Todos No Top".

Adelaide Ferreira junta-se aos Preço Fixo. Os Preço Fixo eram formados por Necas (bateria), Luís Fernando (viola), Vasco Alves (viola-baixo), Eduardo Quintela (teclas) e Carlos Borracha (viola-solo). Tó Freitas entra para o lugar de Necas. Ainda em 1981 lançam um novo single com os temas "Bichos" e "Trânsito". Vasco Alves é substituído por Zacarias.

Chega a gravar um álbum para a editora Vimúsica mas que não seria editado devido a problemas contratuais.

Em 1983 é editado um máxi-single com os temas "Não, Não, Não" e "A Danada do Rock'n'Roll". O disco foi gravado em Madrid, numa produção dirigida e  realizada por Joni Galvão. Na capa aparece apenas o nome Adelaide, situação que se voltaria a repetir em outros lançamentos posteriores.

Participa no Festival RTP da canção de 1984 com o tema "Quero-Te, Choro-Te, Odeio-Te, Adoro-Te". Vence o prémio de interpretação mas fica apenas em 5º lugar.

No mesmo ano alcança o segundo lugar no Festival da OTI, no México, com a música "Vem No Meu Sonho", da autoria de Luís Fernando. Foi convidada a gravar em espanhol pela Polygram espanhola mas esse projecto não se chegaria a concretizar.

Em 1985 representa Portugal no Festival da Eurovisão, que se realizou na Suécia, com o tema "Penso em Ti (Eu Sei)".

O seu primeiro álbum, "Entre Um Coco e Um Adeus", com produção de Ramón Galarza, é editado em Maio de 1986. O disco apresentava uma música de sabor mais "tropical". Os maiores sucessos deste disco foram a balada "Papel Principal" e "Coqueirando".

Participa como actriz no filme "Ana" e na conhecida série "Duarte & Companhia".

Em 1989 volta ao estilo roqueiro com "Amantes e Mortais" ("Fast And Far" na versão inglesa). O disco foi gravado em Lisboa (no Angel Studio) e em França, no Studio du Palais des Congrés, com produção de Jean Louis Milford dos Century. O tema em maior destaque foi "Dava Tudo" (All The Tears We Cried" na versão inglesa). O disco chegou a ter distribuição internacional pela alemã SPV.

Aparece na série de programas "Grande Noite" de Filipe Lá Féria. Em 1991 faz locução, separadores, sinal horário e jingles cantados da Rádio Nostalgia. E em 1993 e 1994 faz locução para Tv e Rádio da revista "Marie Claire".

Regressa aos discos em 1995 com o álbum "O Realizador Está Louco". O tema mais conhecido deste disco é a balada "Alma Vazia". No ano seguinte colabora no tema "Novo Amanhã" da iniciativa "Correr Contra A Sida".

Em 1998, a BMG lança o álbum "Só Baladas", que reúne as suas baladas antigas mais bonitas e mais seis inéditas. O primeiro single é uma nova versão de "Papel Principal" com a colaboração de Dulce Pontes. Outro dos convidados deste disco foi Fernando Girão ("Olho A Vida Nos Olhos").

Participa num tributo a George Gershwin com o tema "They Can't Take That Away From Me".

Dois anos depois  é editado o álbum "Sentidos", em que se destacam os temas "Gostar de Alguém Assim", um original de Luís Pedro Fonseca, e "Ainda Te Sinto Tão Perto".

Nos anos seguintes participa como actriz em várias séries de televisão, tais como "Alves dos Reis", "Bastidores", "Segredo de Justiça"  e "Ganância".

Em 2001 é escolhida para interpretar "Outro Sol", a canção principal da terceira edição do programa Big Brother.

Colabora com Roberto Leal no tema "Nau de Paz", do álbum "Uma Carreira em Dueto", de 2003.

Lança novo disco em 2006. O álbum "Mais Forte Que A Paixão", com produção de Luís Jardim.

Regrava alguns dos seus sucessos no disco "O Melhor de".

Participa no disco dos Black Company.

(1) Entrou para o teatro dos Quatro onde actuou nas peças "Os Macacões" e "O Caso  da Mãozinha Misteriosa" (foi lançado o EP homónimo que contou com a participação de Adelaide Ferreira), ambas da autoria de José Carlos Ary dos Santos, onde apareciam nomes como Paulo de Carvalho e Fernando Tordo. Desse convívio e dessa mistura: dança, teatro e música, logo surgiu a oportunidade de gravar um primeiro single.

(2) «A segunda oportunidade de internacionalização aconteceu quando o manager da Madonna ouviu o álbum "Amantes e Mortais" e se interessou muito. Mas tudo acabou sendo inviabilizado economicamente pelo meu produtor executivo.» AF

(3) Com o nascimento da filha, Luana, achou que não devia passar tantas inquietações à criança. Queria concentrar-se apenas na criança, e optou por criar temas mais confortáveis. Por isso resolveu reunir as baladas todas num só disco.

DISCOGRAFIA
Entre Um Coco e Um Adeus (LP, Polygram,1986)
Amantes e Mortais/Fast And Far (2LP, MBP, 1989)
O Realizador está Louco (CD, Vidisco, 1996)
Só Baladas (Compilação, BMG, 1998)
Sentidos (CD, BMG, 2000)
Mais Forte Que A Paixão (CD, Farol, 2006)
O Melhor de Adelaide Ferreira (Compilação, Farol, 2008)

SINGLES
Meu Amor (Vamos Conversar os Dois)/Maria (O Dia Não Quer Nascer) (Single, Boom/Nova, 1979)
Espero por Ti/Alegria Em Flor (Single, Nova, 1980)
Baby Suicida/A Tua Noite (Single, Vadeca, 1981)
Bichos/Trânsito (Single, Vadeca, 1981)
Não, Não, Não/A Danada do Rock'n'Roll (Máxi, Polygram, 1983)
Quero-Te, Choro-te, Odeio-Te, Adoro-te/Instrumental (Single, Polygram, 1984)
Penso em Ti, Eu Sei/Vem No Meu Sonho (Single, Polygram, 1985)
Coqueirando (Single, Polygram, 1986)
Papel Principal (Single, Polygram, 1986)

COMPILAÇÕES SE
A Arte e a música (Compilação, Universal, 2004)

Colectâneas
Summer Star's (1985) - So Sad (Losing You)
Festa de Abril (1987) - Na Raíz da Memória 
Tribute To George Gershwin (1998) - They Can't Take That Away From Me
BB3 (2001) - Outro Sol
O Olhar da Serpente (2002) - O Olhar da Serpente

NO RASTO DE...
Luís Fernando é músico da banda de Luís Represas.

Tó Freitas esteve na banda até 1983. Necas fez parte da Banda Atlântida de Lena d'Água.

Biografia retirada de Anos80

Desenhos para colorir - Primavera


Conteúdo - Baruch Espinoza - Reconhecimento


As suas obras o fizeram reconhecido em vida, tendo recebido cartas de figuras proeminentes como Henry Oldenburg da Royal Society; do inventor alemão Ehrenfried Walther von Tschirnhaus; do cientista holandês Huygens; de Leibnitz; do médico Louis Meyer, de Haia; e do rico mercador De Vries, de Amsterdã. Luís XIV lhe ofereceu uma larga pensão para que Spinoza lhe dedicasse um livro. O filósofo recusou polidamente.

O príncipe de Condé, na chefia do exército da França que invadira a Holanda, novamente convidou-o a aceitar uma pensão do rei da França e ser apresentado a vários admiradores. Spinoza, desta vez, aceitou a honraria, mas se viu em dificuldades ao retornar a Haia, por causa dessa suposta "traição". Porém, logo o povo, ao perceber que se tratava de um filósofo, um inofensivo, se acalmou.

O monumento feito em homenagem a Spinoza em Haia foi assim comentado por Renan em 1882:

“Maldição sobre o passante que insultar essa suave cabeça pensativa. Será punido como todas as almas vulgares são punidas — pela sua própria vulgaridade e pela incapacidade de conceber o que é divino. Este homem, do seu pedestal de granito, apontará a todos o caminho da bem-aventurança por ele encontrado; e por todos os tempos o homem culto que por aqui passar dirá em seu coração: Foi quem teve a mais profunda visão de Deus.

O retrato de Spinoza foi impresso nas antigas notas de 1000 florins dos Países Baixos, até a introdução do euro, em 2002.

sábado, 28 de outubro de 2017

Pelosiro - Educação - Lista de Sites


Ensino Regular
Educadora de Infância - Link
Net Ciências - Link
Net Matemática - Link
Net Física Química - Link
Net Primeiro Ciclo - Link
Ciencias Sociais na Net - Link
Explica Filosofia - Link
Explica Geografia - Link
Explica História - Link
Departamento de Expressões - Link
Departamento de Línguas - Link
Tecnologias de Informação e Comunicação - Link

Educação Especial
A Educação Especial - Link

Educação de Adultos
Educação e Formação de Adultos - Link

Ensino Profissional
Portal Nacional de Saúde e Socorrismo  - Link
Portal Ambiental Nacional - Link
Portal Nacional da Indústria Alimentar - Link
Portal Nacional de Turismo - Link
Agricultura e Desenvolvimento Rural - Link
Ensino Profissional e Vocacional - Link
Higiene e Segurança no Trabalho - Link

Educação Sexual
A Educação Sexual - Link

Educação
Escola XXI - Link

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Vídeo - Plantando na Cidade

Mapa Conceptual - Diversidade de Locomoção nos Animais


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - Oficina de expressão criativa em Paredes de Coura

Powerpoint - A importância do ar para os seres vivos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Documento - Tipos de Poluição


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Vídeo - O seu carro e o CO2

Vídeo - Poluição do ar

Exercício - Rochas, arquivos da Terra





Imagens de exercícios, da aplicação para QI "ROCHAS, ARQUIVOS DA TERRA" 
Integrada no tema introdutório à componente de Geologia, do programa de Biologia e Geologia (ano I), a abordagem às rochas enquanto arquivos que relatam a História da Terra, afigura-se importante para a compreensão do objecto da Geologia, da complexidade do trabalho dos geólogos e da necessidade de diferentes métodos e instrumentos de trabalho para o estudo da Terra. Eis alguns comentários de imagens integradas numa aplicação para quadros interactivos sobre rochas.
Exercício 1

O exercício seguinte permite explorar os conceitos de rochas consolidadas e não consolidadas, bem como os ambientes de sedimentação e de diagénese. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após indicação das localizações mais correctas...

Exercício 2

O exercício seguinte permite explorar a classificação das rochas sedimentares. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
 


Exercício 3

Este exercício permite a exploração do magmatismo. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução.
Exercício 4

Neste caso são explorados os conceitos de rocha vulcânica ou extrusiva e de rocha plutónica ou intrusiva. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
 
Exercício 5

Este exercício permite classificar o granito e o basalto e associar as rochas ao seu ambiente de formação. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 6

Este exercício permite explorar a classificação das rochas magmáticas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 7

Este exercício permite explorar um ambiente de formação de rochas metamórficas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 8

Este exercício permite explorar a classificação das rochas metamórficas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 9

Este exercício permite explorar o ciclo das rochas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...

Escrito por José Salsa

Protocolo - Sedimentação


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Exercício - Rochas, arquivos da Terra


Integrada no tema introdutório à componente de Geologia, do programa de Biologia e Geologia (ano I), a abordagem às rochas enquanto arquivos que relatam a História da Terra, afigura-se importante para a compreensão do objecto da Geologia, da complexidade do trabalho dos geólogos e da necessidade de diferentes métodos e instrumentos de trabalho para o estudo da Terra. Eis alguns comentários de imagens integradas numa aplicação para quadros interactivos sobre rochas.
Exercício 1

O exercício seguinte permite explorar os conceitos de rochas consolidadas e não consolidadas, bem como os ambientes de sedimentação e de diagénese. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após indicação das localizações mais correctas...

Exercício 2

O exercício seguinte permite explorar a classificação das rochas sedimentares. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
 


Exercício 3

Este exercício permite a exploração do magmatismo. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução.
Exercício 4

Neste caso são explorados os conceitos de rocha vulcânica ou extrusiva e de rocha plutónica ou intrusiva. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
 
Exercício 5

Este exercício permite classificar o granito e o basalto e associar as rochas ao seu ambiente de formação. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 6

Este exercício permite explorar a classificação das rochas magmáticas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 7

Este exercício permite explorar um ambiente de formação de rochas metamórficas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 8

Este exercício permite explorar a classificação das rochas metamórficas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...
Exercício 9

Este exercício permite explorar o ciclo das rochas. As imagens seguintes mostram o exercício e a sua resolução, após deslocação dos termos para as posições correctas...

Escrito por José Salsa

Recomendamos ...

Recomendamos ...