sábado, 30 de setembro de 2017

Conteúdo - Autismo - Ensinar crianças autistas


Inicialmente, o termo autismo foi implantado por Bleuler (1911), ligado à sintomatologia abrangente que ele havia estabelecido para unificar, através da esquizofrenia, o campo das psicoses. O autismo era chamado “dissociação psíquica”, que se referia ao predomínio da emoção sobre a percepção da realidade.

Ao longo das décadas de 70 e 80, o autismo passa a ser visto, predominantemente, como um distúrbio cognitivo. Nessa época, ele deixa de ser considerado como uma condição envolvendo basicamente retraimento social e emocional, e passa a ser concebido como um transtorno do desenvolvimento, envolvendo déficits cognitivos severos com origem em alguma forma de disfunção cerebral.

O autismo não é considerado, hoje, um estado mental fixo, irreversível e imutável, mas o resultado de um processo que pode, pelo menos em parte, ser modificado por meio de intervenções terapêuticas. Ele não pode ser causado por fatores emocionais e/ou psicológicas. As evidências apontam para a multicausalidade. Descobertas recentes apontam a possibilidade de o autismo ser causado por uma interação gene-ambiente.

As crianças autistas têm um repertório muito limitado de comportamento, ou seja, fazem realmente poucas coisas. Isso, sem dúvida, é um dos motivos que leva às dificuldades de aprendizagem. Algumas delas são:

•Dificuldade de atenção: algumas crianças são incapazes de se concentrar, mesmo por poucos segundos. Para superar esta dificuldade, é necessário planear situações de ensino estruturadas, dividindo em pequenos passos e metas o que elas devem aprender. Também possuem dificuldades em reconhecer a relação espacio-temporal entre acontecimentos que se inscrevem dentro da mesma modalidade sensorial.

•Dificuldades de raciocínio: muitas vezes elas aprendem mecanicamente, sem compreender a essência ou significado do que queremos que aprendam. O planeamento de tarefas pode evitar essa mecanização, acentuando o que realmente é significativo para elas.

•Dificuldade de aceitação dos erros: frequentemente deixam de responder às chamadas de atenção e ordens, baixando o nível de atenção. Dessa forma, a aprendizagem não se produz. Para que isso não ocorra é preciso habituá-los a adaptarem-se a situações cada vez menos gratificantes.

Algumas estratégias podem ser utilizadas no dia-a-dia para solucionar esses problemas, tais como: 
- criar situações de faz-de-conta que despertem o interesse da criança; 
- usar bonecos para representar a família; 
- criar soluções simbólicas para ajudar a resolver os problemas; 
- encorajar a investigar pistas e sinais; e modelar/mediar uma sequência do que se deve fazer; 
- introduzir palavras que a criança se interesse para que, posteriormente, ela possa construir frases com elas.

Os educadores devem desenvolver um programa de educação individualizado para focalizar nos problemas específicos da criança. Isto inclui terapia de fala e do idioma, e também habilidades sociais e treino de habilidades quotidianas. Eles devem elaborar estratégias para que essas crianças consigam desenvolver capacidades de poderem se integrar com as outras crianças ditas “normais”.

Informação retirada daqui

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Vídeo - Isto é Matemática T04E09 A Catenária

Notícia - Telescópio Hubble descobre nova classe de planeta com mais água que a Terra

Astrónomos confirmaram a existência de um planeta diferente de todos os conhecidos até agora e que terá mais água que a Terra. O GJ1214b, a 40 anos-luz do nosso planeta, foi descoberto pelo telescópio espacial Hubble.

O GJ1214b, mais pequeno que Urano e maior que a Terra, é descrito como um “mundo de água” distante, envolvido numa espessa atmosfera de vapor de água, segundo um estudo que foi aceite para publicação na revista Astrophysical Journal.

“Uma grande quantidade da sua massa é feita de água”, disse em comunicado o astrónomo Zachory Berta, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, que coordenou a equipa internacional de investigadores. “O GJ1214b é diferente de todos os planetas que conhecemos.”

O GJ1214b, a 40 anos-luz da Terra, foi descoberto em 2009 por uma equipa liderada por David Charbonneau que trabalhou com uma série de oito telescópios, no estado norte-americano do Arizona. No ano seguinte, uma outra equipa de cientistas, coordenada por Jacob Bean, tinha descoberto que a atmosfera do planeta poderia ser composta maioritariamente por água.

Agora os investigadores conseguiram confirmar detalhes sobre a atmosfera deste planeta, através da observação de imagens conseguidas pelo telescópio espacial Hubble. De acordo com a NASA, o GJ1214b tem 2,7 vezes o diâmetro da Terra e uma massa quase sete vezes maior. O planeta completa uma órbita em volta de uma estrela anã vermelha a cada 38 horas, a uma distância de dois milhões de quilómetros. Os cientistas estimam que a temperatura à sua superfície seja de 230º C.

Como a massa e o tamanho do planeta são conhecidos, os cientistas podem calcular sua densidade: apenas dois gramas por centímetro cúbico. A água, por exemplo, tem densidade de um grama por centímetro cúbico, enquanto a densidade média da Terra é de 5,5. Isso sugere que o GJ1214b tem muito mais água que a Terra e muito menos rocha. Por isso, a estrutura interna do planeta seria "extraordinariamente diferente" em relação à Terra. “As elevadas temperaturas e as elevadas pressões podem formar materiais exóticos como ‘gelo quente’ e ‘água superfluída’, substâncias que são completamente estranhas à nossa experiência do dia-a-dia”, comentou Zachory Berta.

Os teóricos acreditam que o GJ1214b se começou a formar longe da sua estrela, onde o gelo era abundante, e que depois se aproximou, passando pela zona onde as temperaturas à superfície seriam semelhantes às da Terra. Os cientistas não sabem dizer quanto tempo ele teria ficado nesta posição.

Este planeta é um forte candidato para ser objecto de estudo do telescópio espacial James Webb, que deverá ser lançado em 2018.

Notícia - Pólen desvenda crimes

Os microscópicos grãos de pólen das plantas poderão vir a derrubar a ideia de que há crimes perfeitos, ao dar pistas seguras para deslindar casos que desafiam os limites da investigação criminal.


A metodologia utilizada por meia dezena de investigadores forenses no Mundo, entre os quais Mafalda Faria, que desenvolve o seu trabalho na Universidade de Coimbra e no Instituto Nacional de Medicina Legal, não é mais do que a análise do pólen e de esporos de plantas que ficam agarrados ao corpo de pessoas e de objectos. O contributo de estudos de Mafalda Faria foi solicitado pela PJ para ajudar a reconstituir crimes como os do jovem universitário que assassinou a ex-namorada em Coimbra. "Para certas situações, a Palinologia é a única que pode resolver. Se, por exemplo, se encontra a arma do crime sem impressões digitais, poderá ter pólen, não daquele local, mas da sua proveniência", explica a investigadora. C.M.

Ficha de Trabalho - Componentes Informáticos


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biografia - Francis

Manuel Jorge Francis Nunes nasceu em Lisboa no ano de 1955. Começou a tocar guitarra com 12 anos de idade e estudou guitarra clássica entre 1978 e 1981.

Chegou a tocar com António Variações e no grupo Outra Banda, grupo de baile onde também tocaram Kalu e Tim. Depois esteve, entre Fevereiro de 1981 e Maio de 1983, numa das primeiras formações dos Xutos & Pontapés. De Setembro de 1983 até ao verão de 1984 fez parte dos UHF.

Depois tocou com músicos de Blues. Destaca-se também a sua participação no tema "Sete Mares" dos Sétima Legião.

O seu primeiro álbum a solo, "Stilleto", foi editado em Março de 1986 pela EMI. Neste disco colaboraram músicos como Jorge Palma, Tó Pinheiro da Silva, Nanã Sousa Dias, Guilherme Inês e Zé Nabo. Nos coros apareciam Formiga e Isabel Campelo. O disco incluía os temas "Strings", "México", "Horizontes", "Eu Não Quero Ir", "Saudação Ao Sol", "Casa De Campo", "Aos Pontapés", "Nuvens", "De Noite (Vermelho Púrpura)", "Velhos Por Entre a Luz" e "Stilleto (Up Yours)".

Temas como "Aos Pontapés", "México" e "Horizontes Húmidos" obtém grande sucesso nos programas "Ocidental Praia" e "Luso Clube".

Colabora com Jorge Palma no álbum "Bairro do Amor".

Em 1989 foi editado novo álbum, "Rota dos Ventos", que contou com a participação de músicos como Ricardo Camacho, Emanuel Ramalho e Zé Nabo. Francis considerava que este era um álbum mais agressivo do que o anterior. Incluía temas como "Amarumar" e "Suite".

Em 1990 co-produziu com Ricardo Camacho o disco "Ecos de Outono" dos Diva. Formou também os Ravel com quem gravou o disco "Quimera". Abandonou o grupo pouco tempo depois já não participando no segundo disco do grupo.

DISCOGRAFIA
Stilleto (LP, EMI, 1986)
Rota dos Ventos (LP, EMI, 1989)

Notícia retirada daqui

Desenhos para colorir - Primavera


Biografia - Alexandre, o Grande

Alexandre, o Grande (354-323 a.C.) foi rei da Macedónia. Conquistou a Ásia Menor, a Pérsia, e chegou até as margens do rio Indo, na Índia. Fundou a cidade de Alexandria, no Egito.

Alexandre, o Grande (356-323 a.C.) nasceu na Macedônia, norte da Grécia, em 356 a.C. Filho de Filipe II, rei da Macedônia, e Olímpia, descendente de família nobre do reino de Épiro. O herdeiro Alexandre, estudou com os melhores mestres. Aos 13 anos de idade, passou a ter como preceptor o filósofo grego Aristóteles, que transmitiu-lhe o gosto pela mitologia e poesia grega.

A Macedônia era uma nação pobre, cujos domínios estendiam-se desde a parte norte da atual Grécia, até a região que hoje forma o sul da Albânia. Na região viviam camponeses rudes, que falavam um dialeto derivado do grego. O poder dos soberanos era limitado. Havia uma assembléia popular, da qual participavam todos os guerreiros. O papel decisivo era desempenhado pelo conselho dos representantes da aristocracia territorial e militar. Para os gregos, a Macedônia era um país de bárbaros.

Filipe conhecia e admirava a riqueza da cultura grega, e se impressionava com a vastidão territorial e a opulência econômica do império persa. Acreditava na união dos dois povos. Em 336 a.C., quando Filipe II foi assassinado, Alexandre tornou-se rei da Macedônia. Assumiu o posto de chefe da Liga de Corinto (união de várias comunidades gregas), e comandante do mais bem preparado exército da época. Alexandre herdou do pai a arte da guerra, e compreendeu que a expansão da Macedônia seria seu principal objetivo.

Alexandre subiu ao trono com vinte anos e não hesitou em liquidar todos os que tramavam contra sua coroa. Algumas cidades gregas tinham se rebelado e tentavam desfazer a Liga de Corinto. Tebas era o centro da revolta, chegara mesmo a proclamar a independência da Grécia. A guerra foi declarada e Tebas foi arrasada. Só foi poupada a casa do dramaturgo Píndaro, como prova do respeito de Alexandre pelas artes.

A Liga de Corinto, atemorizada, concedeu a Alexandre plenos poderes para comandar a guerra contra os persas. Contribuiu apenas com pequeno contingente para a formação do exército grego-macedônico. Em 334 a.C, Alexandre iniciou uma campanha que propagaria o helenismo por toda a Ásia.

Quando Alexandre chegou na Ásia Menor, encontrou um enorme e desorganizado exército persa. Contando com menos soldados, os nove mil lanceiros, estavam distribuídos em seis batalhões, formando as falanges, que eram a espinha dorsal do exército macedônico. Unidades de cavalaria, arqueiros, artilheiros e especialistas em escaramuças, completavam o poderio de conquistador.

A batalha de Granico foi a primeira grande vitória do seu exército, que prosseguiu sua marcha rumando em direção à costa do Mediterrâneo. Por toda parte o Imperador ganhava confiança e o respeito dos povos vencidos. Avançou pela Cilícia, para confronto com o exército de Dário III, que logo foi vencido. Alexandre já tinha sob seu controle considerável parte do Mediterrâneo. Chipre, Tiro, Damasco e Jerusalém também ampliaram o império Macedônico.

O Egito foi ocupado pelo incrível exército. Alexandre visitou o Oásis de Amon, onde se fez tratar pelos sacerdotes como filho de deus. Fundou a cidade de Alexandria, que tornou-se o centro administrativo do império macedônico. Seguindo para o Oriente, foi aclamado "soberano da Ásia". O Gigantesco trabalho de integração realizado por Alexandre resultou, no intercâmbio comercial com os povos conquistados.

Rumores sobre insatisfação das tropas, que cruzou o deserto de Gedrósia, enfrentado escassez de suprimentos, tempestades e hostilidade das tribos conquistadas, chegaram ao conhecimento de Alexandre. Culpados e inocentes foram punidos. Dispunha de grande poder mas quase não tinha amigos. Só confiava em sua mulher e no amigo Eféstio.

Alexandre chega ao vale do rio Indo em 327 a.C., onde funda as colônias de Nicéia e Bucéfala. No caminho de volta, em 324 a. C., chega a Susa, onde toma duas novas esposas, Statira, filha de Dario III e Parisatis, uma jovem persa de nobreza local. Em 323 a.C., chega à Babilônia, onde contrai uma febre que, em dez dias lhe tira a vida.

Alexandre, o Grande morreu na Babilônia, no ano de 323 a.C.

Biografia retirada de e-biografias

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Vídeo - Isto é Matemática T04E08 Quanto Mede a Costa Portuguesa?

Notícia - Ratinhos obesos respondem à hormona da saciedade

Quando, há pouco mais de 13 anos, foi descoberta no ratinho a leptina – uma hormona produzida pelos tecidos adiposos que diz ao cérebro para “desligar” o apetite quando já comemos o suficiente –, pensou-se que vinha aí o medicamento-milagre contra a obesidade. Só que o cérebro das pessoas obesas (e dos ratinhos) se revelou insensível à leptina: por alguma razão, os seus neurónios não “ouvem” o sinal de saciedade. Procuraram-se então substâncias que devolvessem aos neurónios a sua sensibilidade à hormona. Mas em vão. Até agora.

Umut Ozcan e colegas, de Harvard, que amanhã publicam um artigo na Cell Metabolism, desvendaram a provável razão da resistência à leptina associada à obesidade e a seguir conseguiram restaurar a resposta à leptina no cérebro de ratinhos obesos.

Acontece que, nas células do hipotálamo (a região cerebral onde a leptina actua), a estrutura que fabrica as inúmeras proteínas de que a célula precisa não consegue “dar conta do recado”, falhando provavelmente no fabrico da molécula que normalmente receberia o sinal da leptina.

Mas, com a ajuda de uma de duas substâncias (cujo nome de código é PBA e TUDCA) destinadas a aliviar essa situação de stress celular – e que para mais já foram aprovadas para uso clínico nos EUA –, os ditos neurónios passam a responder novamente ao sinal de saciedade, fazendo os ratinhos tratados com leptina perderem peso mesmo quando alimentados com dietas ricas em gorduras. “Se funcionar nas pessoas, isto poderá servir para tratar a obesidade”, diz Ozcan.

Ana Gerschenfeld

Manual - Processador de texto avançado


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biografia - Manuel Cardoso


Manuel Cardoso formou os Tantra que duraram de 1976 até 1981. No álbum "Humanoid Flesh", de 1981,  passou a utilizar o alter-ego Frodo.

Notabiliza-se como produtor de nomes como Iodo, Street Kids, TNT e Adelaide Ferreira, entre outros.

Com o nome Frodo lançou a solo, ainda em 1981, o single "Machos Latinos". No ano seguinte foi editado o LP "Noites de Lisboa" que contava com a participação de António José Almeida e Pedro Luís, seus colegas nos Tantra.

Pouco tempo depois lança o disco "Zbaboo Dança", uma produção independente editada através da Edisom, onde volta a cantar em inglês. O registo é apresentado num formato invulgar que incluía um LP e um máxi-single ("Sedução"). 

Está parado cerca de três anos de forma a a instalar o seu estúdio de gravação. Produz grupos como THC e Urb, entre outros.

Como Manuel Cardoso lançou um  máxi-single com "Dancing in the Air" no lado A e "Pleasure And Pain" e "Fado Triste" no lado B.

Formou depois os Samurai, grupo de Rock FM, que lançou um álbum homónimo em 1987. Gravaram ainda um segundo disco mas que não chegou a ser editado.

Teresa Salgueiro, ainda antes dos Madredeus, chegou a gravar com Manuel Cardoso o tema "?".

DISCOGRAFIA
Novos Tempos/Alquimia da Luz (Single, Valentim de Carvalho, 1976)
Mistérios e Maravilhas (LP, Valentim de Carvalho, 1977)
Holocausto (LP, Valentim de Carvalho, 1978)
Humanoid Flesh (LP, Valentim de Carvalho, 1981)
Terra (CD, Ed. autor, 2003)
Live Ritual (CD, Ed. autor, 2003)

(FRODO)
Machos Latinos/Heróis da Noite (Single, Vadeca, 1981)
Noites de Lisboa (LP, Vadeca, 1982)
Zbaboo Dança (Máxi+LP, Edisom, 1982)

(MANUEL CARDOSO)
Dancing in The Air (Máxi, Materfonis, 1986)
Dancing in The Air/Pleasure And Pain (Single, Materfonis, 1986)

(COM OS SAMURAI)
Samurai (LP, Discossete, 1987)

NO RASTO DE...
Manuel Cardoso dedicou-se durante algum tempo à produção de bandas e à composição de música para publicidade. Actualmente é director de estúdio de pós-produção de filmes. Mais recentemente formou os Everness (com Guilherme da Luz). Os Tantra regressaram em 2003 com a edição dos álbuns "Live Ritual" e "Terra".

Notícia retirada daqui

Conteúdo - Giambattista Vico - Os problemas de saúde e as relações familiares


À medida que a reputação de Vico se espalhava, sua saúde debilitava-se e sua vida era complicada por problemas domésticos. Uma filha sofria de séria doença degenerativa, e um filho foi preso por vida dissoluta e dívidas. Uma segunda filha ganhou renome como poetisa, e seu filho favorito foi indicado para a sua cátedra de retórica. Quando os Bourbon assumiram o trono de Nápoles, Carlos III indicou Vico como historiógrafo real. Logo depois sua saúde colapsou, e o câncer quase destruiu seu poder de falar. Durante quatorze meses ele ficou entre a prostração e a dor, irresponsivo àqueles em torno de si. Subitamente um dia ele ergueu-se, reconheceu sua esposa e filhos e tranquilamente cantou uma passagem dos Salmos. E então morreu rapidamente, passando à história em 20 de janeiro de 1744.

Desenhos para colorir - Primavera


Biografia - Abdul al-Aziz Ibn Saud

Descendente de uma família integrada no rigoroso movimento islâmico dos vaabitas, anteriormente expulsa do Kuwait, Ibn Saud conseguiu retomar o poder em Riad (1902) e restaurar o Estado vaabita. Logo após o desmoronamento do império turco, durante a Primeira Guerra Mundial, conquistou, em 1922, o norte da Arábia, então submetido à dinastia Rashid, e, após ter combatido contra o rei haxemita Hussain I Ibn Ali, anexou as cidades santas do Islão (Meca, 1924, Medina, 1925, e Gidá, 1926). Sendo rei de Nayd e de Hedjaz, em 1932, rebatizou o seu reino como Arábia Saudita. A exploração das riquezas petrolíferas do país, iniciada por algumas companhias norte-americanas em 1933, transformou-o no governante mais rico do Oriente Médio, convertendo-o ainda no mediador dos interesses dos EUA no âmbito dos países árabes. Manteve-se neutro durante a Segunda Guerra Mundial, bem como no decurso da primeira guerra árabe-israelense, de 1948. Durante o tempo em que modernizou a infra-estrutura do país, manteve um sistema político feudal, que mais tarde seria parcialmente reformado por seus filhos e sucessores, Saud Ibn Saud (rei entre 1953 e 1964) e Faiçal.

Biografia retirada de NetSaber

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Vídeo - Isto é Matemática T04E07 Half Pipe

Notícia - Biólogos descobriram dez novas espécies de anfíbios na Colômbia

Uma equipa de biólogos da Conservation International descobriu nove espécies de sapos e uma de salamandra nas montanhas da Colômbia. A notícia foi divulgada hoje, Dia Mundial das Zonas Húmidas.

As novas espécies, incluindo três sapos venenosos, foram descobertas na zona montanhosa de Tacarcuna, perto da fronteira da Colômbia com o Panamá. Esta região servia de passagem entre espécies de plantas e de animais entre a América do Norte e a América do Sul.

“Sem dúvida alguma podemos dizer que esta zona é uma verdadeira Arca de Noé”, comentou José Vicente Rodriguez-Mahecha, director científico da Conservation International na Colômbia, citado pela agência Reuters.

Actualmente, Tacarcuna é uma zona que sofre com o abate florestal, exploração de gado, caça, exploração mineira e fragmentação dos habitats. Estima-se que 30 por cento da sua vegetação natural já desapareceu.

“O elevado número de novas espécies de anfíbios é um sinal de esperança, mesmo com a grave ameaça de extinção que enfrentam estes animais em muitas outras regiões do mundo”, acrescentou.

Robin Moore, especialista em anfíbios na Conservation International, sublinhou que actualmente um terço de todas as espécies de anfíbios do planeta está ameaçada de extinção. “Os anfíbios são muito sensíveis às mudanças no ambiente (…). São uma espécie de barómetro e são os primeiros a responder a essas mudanças, como por exemplo as alterações climáticas”, explicou.

Os anfíbios ajudam a controlar a progressão de doenças como a malária e o dengue porque se alimentam dos insectos que transmitem essas doenças às pessoas.

A equipa quer trabalhar com as populações locais de Tacarcuna para que “encontrem formas mais sustentáveis para proteger os seus recursos naturais, também para seu benefício”, considerou Moore.

Hoje comemora-se o Dia Mundial das Zonas Húmidas, habitat de muitas espécies de anfíbios, para relembrar a assinatura da Convenção de Ramsar, a 2 de Fevereiro de 1971.

Ficha de Trabalho - Microsoft Office PowerPoint 2007


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

Biografia - Gabriela Schaaf


Nasceu em 1960 em Basileia, na Suiça, filha de pai suíço e mãe italiana, mas veio viver para o Porto em 1971.

Ainda estudante no Colégio Alemão, encontra José Calvário no Aeroporto de Lisboa a quem revela que adorava cantar. É convidada pelo maestro para uma audição. Nesse dia gravaria os três temas do álbum "Hoje Há Conquinhas Amanhã, Não Sabemos" da Banda do Casaco.

Em 1978 obtém grande sucesso com o single "Põe os Teus Braços à Volta de Mim". No ano seguinte, fica em segundo lugar no Festival da Canção com "Eu Só Quero".

No verão de 1979 é gravado, em Zurique, o álbum "Video". O primeiro single é "Amor É Mais" mas o temaGabriela Schaaf mais popular foi "Homem Muito Brasa".

Depois do Festival RTP da Canção surgiu a oportunidade de sair de Portugal. Nessa tomada de decisão também pesou algum desencanto com o meio artístico e a vontade de viajar. Vai viver para Zurique, na Suiça, onde faz teatro amador, trabalha em publicidade e faz traduções.

Depois de algumas peripécias nas Caraíbas vai para Nova Iorque. Para sobreviver dá aulas de português e alemão. Aproveita para ter lições de canto e dança, incluindo de "jam-session" com o pianista Peter Allen.

O álbum "Outra Vez" foi gravado em Nova Iorque, em Junho de 1982. O disco, com produção de Jerry Marotta e de Nuno Rodrigues, inclui temas como "O Meu Mais-Que-Tudo", "Leva-Me Ao Cinema", "Outra Vez", "A Ilusão", "Taxi Girl Do Meu Coração", "Posta-Restante", "Axe", "Long Time", "Telefona P'ra Semana (O Aluno Exemplar)" e "Pequenos Nadas".

Regressa a Portugal em 1985. Apesar de desejar gravar um novo disco e de dar espectáculos acalentava o desejo de se dedicar mais a sério ao mundo da moda, uma actividade que a fascinava.

Actua no Festival da Canção de 1986 onde interpreta o tema "Cinza e Mel". Em Novembro desse ano é lançado um máxi-single com  os temas "Only a Fool" e "Same Mistake". O disco foi gravado no Landsdown Studios, em Bath, pequena localidade a Oeste de Londres.

Volta para Zurique, em 1988, onde ainda vive. 

Em 1997 é lançado, na série Caravela, o disco "Põe os Teus Abraços à Volta de Mim" que inclui temas gravados entre 1978 e 1982.

Em 1998 revelou à coluna "O Que é Feito de?" do jornal "O Independente" que estava a preparar um disco para ser lançado em Portugal. 

DISCOGRAFIA
Video (LP, EMI, 1979)
Outra Vez (LP, EMI, 1982)

SINGLES
Põe os Teus Braços à Volta de Mim/Cai Boca, Cai Beijo (Single, Decca, 1978)
Eu Só Quero/Eu Só Quero (Instrumental) (Single, Decca, 1979)
O Amor é Mais (Single, EMI, 1979)
Homem Muito Brasa (Single, EMI, 1980)
Leva-me Ao Cinema/Taxi Girl do Meu Coração (Single, EMI, 1982)
Only a Fool (Máxi, Polygram, 1986).

COMPILAÇÕES SE
Põe os Teus Braços à Volta de Mim - Colecção Caravela (Compilação, EMI, 1997)

COMENTÁRIOS
Outro disco que comprei à data do lançamento (Video - Gabriela Schaaf) e que é hoje uma raridade nunca reeditada. Este álbum de estreia é a primeira grande demonstração do génio da dupla António A. Pinho/Nuno Rodrigues como escritores de canções pop, em actividade paralela à Banda do Casaco. Tem um tema disco fantástico ("O Amor é Mais"), canções muito simples, tiques new wave, bossa nova... E a voz inconfundível de Gabriela Schaaf, de quem ainda hoje sou fã e que, infelizmente, nunca mais gravou nada a partir de 1986. Aqui, também podia ter escolhido os singles "Teu Ponto Final", de Lara Li, ou "Qualquer Dia, Quem Diria", de Concha - dois outros exemplos da arte Pinho/Rodrigues no mesmo ano.

Rodrigo Affreixo em declarações ao Público (2002) a própósito da festa "Super Cock"

NO RASTO DE...
Tem uma produtora, a "Look and Listen" e vende a voz para a rádio e televisão.

Conteúdo - Giambattista Vico - O legado


Gianbattista Vico discerniu a explosiva mistura da razão com a mecânica e ofereceu uma nova ciência que poderia trazer as mais altas percepções da Renascença para dentro da metodologia dos primeiros investigadores modernos.

Desenhos para colorir - Primavera


Biografia - D. Catarina de Bragança


É vulgar, em textos portugueses sobre a história de Portugal haver referências à rainha de Inglaterra, D. Catarina de Bragança, como alguém infeliz e desprezada pelo marido, o rei Carlos II. Repete-se constantemente que a filha de D. João IV e de D. Luísa de Gusmão foi uma rainha que sofreu as maiores desconsiderações do marido, por este ter mantido diversas favoritas. Se é facto que isso aconteceu, também é importante frisar que eram os usos da época. Convém divulgar que Catarina introduziu, além do chá, diversas inovações na corte britânica. Conheça melhor esta rainha no ano em que passam 300 anos sobre a sua morte.

            Relendo obras portuguesas e estrangeiras sobre a sua vida, pode-se afirmar que D. Catarina de Bragança foi, como tantas infantas portuguesas, casadas com reis e imperadores estrangeiros, tão feliz como as outras, tendo em conta que os casamentos reais eram contratos, onde interesses políticos e económicos pesavam mais que os aspectos românticos. Amor no casamento era um «luxo» que muito raramente acontecia na vida dos monarcas e imperadores, e consequentemente das rainhas e imperatrizes e isso quer a Oriente quer a Ocidente. 
            Mesmo no séc. XX fomos testemunhas de como isso foi verdade, com o xá do Irão ou com o herdeiro do trono da Grã Bretanha (Eduardo VIII) e mesmo com Nerhu, que não sendo monarca foi obrigado a casar com quem os pais decidiram, já para não falar do actual príncipe de Gales que teve de casar com Diana por imposição familiar.
            Carlos II de Inglaterra dedicou grande parte da sua vida às favoritas, que se contam pela vintena, e muitas não foram nada simpáticas para com a rainha, mas D. Catarina, mas esta com o tempo ganhou uma sabedoria muito especial para lidar com elas. No cômputo geral, os 23 anos de casamento de D. Catarina de Bragança, não foi menos conseguido que o da maioria das princesas do seu tempo e a prova é que Carlos II, foi por diversas vezes instado a divorciar-se e não o fez. Não tinha motivos, afirmava, aos que o aconselhavam a dar esse passo. Disse-o mesmo em declarações públicas. À sua maneira, respeitou e amou a sua rainha. 
            Quando já viúva, Catarina de Bragança, regressou a Portugal foi alvo de grandes manifestações de júbilo tanto da parte dos portugueses como da comunidade inglesa. Em Inglaterra teve, à despedida, todas as honras prestadas a uma rainha, a que o povo da rua se solidarizou e trouxe no seu séquito ingleses e inglesas que permaneceram vários anos no nosso país e de quem D. Catarina era amiga. Afinal era já, nos costumes e hábitos adquiridos, mais inglesa, que portuguesa. Podemos perguntar, e se Catarina de Bragança tivesse casado com Luís XIV como esteve para acontecer, em 1659? Teria sido mais feliz? Teria a casta e ingénua Catarina, educada num convento, alheia à vida mundana sido mais feliz movimentando-se numa corte cheia de intrigas, futilidades e invejas, num perfeito vespeiro que foi a corte de Luís XIV, com o constante rodopio de favoritas onde as irmãs Mancini se movimentavam, e depois entre a perfídia da Montespan e a duvidosamente virtuosa madame de Maintenon? Temos quase a certeza, que Catarina de Bragança acabou por ter mais sorte ao casar com Carlos II de Inglaterra. Pelo menos ele tinha consideração por ela e jamais pensou em a repudiar apesar de lhe não ter dado um herdeiro, o que era, na época, igual ou pior que ter má conduta moral!
            Catarina de Bragança foi a quarta filha de D. Luísa de Gusmão (espanhola de nascimento) e do futuro rei D. João IV (1604-1656), o rei da Restauração. Tiveram sete filhos. Dois faleceram à nascença e dois já adultos, entre eles o herdeiro, D. Jaime. Dois filhos de D. João IV foram reis de Portugal, Afonso VI, afastado do trono por ser parcialmente paraplégico e por haver uma forte facção da corte que o não apoiou e seu irmão D. Pedro II, que viria a casar com a cunhada quando o casamento de D. Afonso foi declarado nulo, por se suspeitar que não tinha sido consumado, por incapacidade física do rei. Este rei deu origem a uma peça literário El Rei Pasmado, passado ao cinema com êxito. 
            Como por vezes acontece, numa irmandade de sete, a coroa acabaria na cabeça do mais novo. Das infantas, apenas sobreviveu D. Catarina, que nasceu no dia de Santa Catarina, a 25 de Novembro de 1638, em Vila Viçosa. Foi muito mimada em pequenina pela mãe e damas da corte e quando deixou de ser pequenina foi mandada educar num convento em Alcântara. D. João IV partiu de Vila Viçosa para Lisboa depois do triunfo de 1 de Dezembro de 1640, e o resto da corte, a rainha e filhos só chegaram à capital, no Natal. Tinha a princezinha apenas dois anos. D. Catarina terá aprendido no convento a rezar, a bordar, a ouvir e aprender os rudimentos de música e algumas generalidades sobre História. Não aprendeu francês, nem inglês e terá saído do convento, até casar, apenas meia dúzia de vezes. Os únicos homens com quem falou eram da família. Não estava de modo algum preparada para um casamento com um estrangeiro e menos ainda com um inglês. Se fosse com um espanhol como eram a maior parte dos casamentos entre os dois países, seria certamente mais fácil, dada a afinidade de cultura e religião.
            Apetecia dizer como na história da Carochinha: «Quem quer casar com a princezinha que é que é bonita e formozinha! Depois de ponderadas várias hipóteses de casamento, nomeadamente com D. João de Áustria, bastardo de Filipe IV, o Duque de Beaufort, neto de Henrique IV, a mãe, D. Luísa de Gusmão já viúva e regente, procurou o melhor casamento para a filha. A diplomacia ditava-lhe uma aliança com Inglaterra para cimentar a nova dinastia de Bragança, que substituía o período filipino e que ainda nem todos os países tinham reconhecido, bem como a Santa Sé. E assim se fez. Foi escolhido Carlos II de Inglaterra. O contrato de casamento levou o seu tempo, pois foi tratado ao pormenor. Neste caso, havia ainda um problema que era forçoso ultrapassar, o da diferença de religião, mas os conselheiros da rainha D. Luísa de Gusmão adoptaram o estratagema de realizarem o casamento em território inglês, de modo que o papa não pudesse interferir. Desde o tempo de Henrique VIII, que a Igreja Anglicana não obedecia a Roma. 
            Carlos II de Inglaterra, viu os retratos da noiva e gostou da cara e cabelos dela. D. Catarina tinha deslumbrantes cabelos pretos, olhos muito escuros e um ar doce. É certo que os retratos pintados naquelas épocas e com fins de casamentos nunca mostravam as imperfeições. Neste caso o noivo ficou sem saber a estatura da noiva, que era pequenina, roliça e com os dentes ligeiramente salientes, mas, mesmo assim, não seria por falta de beleza que Catarina não seria rainha de Inglaterra. 
            Tudo ficou preparado para receber a católica princesa portuguesa em Portsmouth. Havia ainda algo que raras princesas da época podiam oferecer a Carlos II – um dote irrecusável de dois milhões de cruzados, a praça de Tânger em África, e a pequena feitoria na ilha de Bombaim, na Índia – que no séc. XVII era um território pobre e pouco previsível vir a ter o imenso desenvolvimento que os ingleses lhe deram. Estas possessões portuguesas significavam muito para a Inglaterra, que sempre privilegiou os pontos estratégicos, em termos de comércio e de guerra, e que mereceram do conde de Clarendon, conselheiro de Carlos II, mais tarde Lord Chanceller, o seguinte comentário: «podiam razoavelmente avaliar-se em mais do que o dote em dinheiro». A quantia do dote foi difícil de conseguir, dado o país atravessar um período de quase penúria. A rainha foi a primeira a vender as suas jóias pessoais, que eram muito valiosas, pois D. Luísa de Gusmão foi provavelmente a rainha portuguesa que mais rico dote trouxe, quando casou. Pertencia à casa Medina Sidónia e era quase um reino dentro do reino de Espanha. Para completar o dote de D. Catarina foi necessário empenhar pratas, jóias e outros tesouros de conventos e igrejas. O Brasil também contribuiu, porque ainda era colónia. 
            Nas cláusulas do contrato de casamento o dote seria pago em mais do que uma vez, pois era difícil conseguir o montante combinado. Aqui, mais uma vez a diplomacia portuguesa prestou um bom serviço. Foi Francisco de Melo Furtado, mais tarde conde da Ponte e marquês de Sande, quem tratou do contrato de casamento, assinado em 23 de Junho de 1661 e que se revestiu de grandes dificuldades, dada a influência do embaixador da Espanha em Inglaterra, que não podia dizer pior do nosso país e do aspecto físico da princesa Catarina. Valia-nos o interesse de Luís XIV que apoiou o enlace, tendo oferecido a Carlos II, seu primo, 30.000 pistolas e durante todo o reinado apoiou-o monetariamente, por diversas vezes.
            Carlos II foi também rei de uma Restauração, a chamada Restauração de Monck. Nasceu em 29 de Maio de 1630. O pai, Carlos I, subiu ao trono, em 1628 e depois de um reinado conturbado foi executado, em 1649. À decapitação de Carlos I seguiu-se uma república ditatorial liderada por Oliver Cromwell, entre 1649 e 1659. (Cromwell faleceu em 1658). Carlos II viveu no exílio, na Holanda, de 1651 a 1660. Quando o Parlamento restaurou a monarquia e o proclamou rei, ainda ele se encontrava em Haia. No dia da coroação, ainda na Holanda, tinha na sala um amigo português, o ministro Francisco de Sousa Coutinho, e nesse dia o novo rei disse que a coroa inglesa estava grata a Portugal pelo apoio que lhe fora dado no período de incerteza e solidão. 
            Carlos II é triunfalmente recebido em Londres em 29 de Agosto de 1660 e coroado no dia de São Jorge, em 23 de Abril de 1661. Durante os anos de exílio, o jovem príncipe da casa dos Stuarts esteve em diversos países, viu cometer muitas injustiças por questões religiosas e provavelmente passou ater uma visão aberta quanto à liberdade de culto, que facilitou durante o seu reinado, começando por casar com uma princesa católica, se bem que o povo e a maioria do Parlamento a isso se opusesse. E relembramos que a mãe de Carlos II era católica - Henriqueta Maria de França, filha de Henrique IV e de sua segunda mulher, Maria de Médicis. 
            D. Catarina de Bragança já rainha, teve, por diversas vezes, que passar por intrigas e perigosas conspirações pelo facto de ser católica. Vivia-se na Europa um período tenebroso de lutas e intolerância religiosa. 
            Carlos II tinha uma cultura acima da média para a época (era versado em História e aprendera Matemáticas com o filósofo Thomas Hobbes). Carlos II, Rei de InglaterraO seu rol de amantes variavam desde as aristocratas de boa linhagem a comediantes de duvidoso estatuto social. Teve quinze bastardos. Um rei Ter amantes era vulgaríssimo, para não dizer generalizado, desde sempre, e as futuras consortes dos reis já sabiam, a priori, que assim era. E se muitos reis tinham favoritas apenas pelo prazer físico e o jogo da sedução, não pudemos esquecer a elevadíssima taxa de mortalidade infantil, que grassou praticamente em toda a Europa até finais do séc. XIX. Daí que filhos, bastardos ou não, eram bem-vindos. E quantos não foram reis? Carlos II, apesar de Catarina de Bragança não ter nunca conseguido levar avante nenhuma gravidez foi um marido atencioso e meigo, passem algumas humilhações que lhe terá feito passar. Mas isso foi apenas nos primeiros tempos. 
            Ser rainha pressupõe também uma preparação específica que a infanta portuguesa não tivera. Foi à sua custa que aprendeu. A jovem rainha D. Catarina também não teve sorte com as damas de companhia que lhe tinham escolhido. Eram senhoras aristocratas, é certo, mas algumas já viúvas eivadas de preconceitos, extremamente religiosas, ou quase beatas, que não serviam como conselheiras da jovem princesa naquela corte tão diferente da portuguesa. Catarina levou poucas damas de companhia jovens e com espírito alegre e arejado. Entre as damas que foram no seu séquito, por sugestão da França, que apoiou, sem reservas o enlace, encontrava-se Frances Teresa Stewart, educada em França, e que caiu nos braços de Carlos II, em 1663. Era considerada extremamente bela e viria mais tarde a ser duquesa de Richmond e Lennox, quando casou com o duque do mesmo nome. Mas a amante oficial de Carlos II era a condessa de Castlemaine, mais tarde duquesa de Cleveland (Barbara Villiers, depois, por casamento, Palmer, conhecida apenas por Lady Palmer.) Também se contavam entre as favoritas uma Lady Byron. 
            Carlos II tivera filhos ainda solteiro. O primeiro bastardo nasceu quando vivia na Holanda e contava apenas 16 anos. Seguiu-se outro filho de uma ligação com Lucy Walter, filho legitimado mais tarde e a quem foi dado o título de duque de Monmouth que viria a dar ao casal real, bastantes amarguras e sobressaltos. O rei terá escapado de atentados perpetrados por este filho que o quis tirar do trono, com o apoio de uma parte da Câmara dos Comuns que também não queria como rei o irmão Jaime, duque de Iorque. Enfim, eram as habituais intrigas da corte, muitas vezes sangrentas.
            Uma armada de vinte navios, comandada pelo conde de Sandwich, saiu de Lisboa, no meio de grandes festejos de despedida no rio Tejo. A infanta D. Catarina de Bragança embarcou no Royal Charles, que rumou a Portsmouth e onde chegou a 25 de Maio. O rei não a foi esperar, devido a qualquer assunto urgente de Estado ou para satisfazer o capricho da favorita, ciumenta com a proximidade do casamento. Receberam Catarina de Bragança o conde de Manchester e vários outros representantes do monarca. A infanta portuguesa ficou hospedada em King’s House, residência do governador da cidade. Porém, uma infecção na garganta vai retê-la no leito. Nessa altura alguém da corte, talvez o médico, sugeriu dar-lhe a beber um copo de cerveja, bebida já vulgar em Inglaterra. D. Catarina de Bragança, com a garganta a arder e com muita febre pediu em espanhol, uma chávena de chá, o que deve ter provocado uma enorme perturbação entre os presentes, pois o chá não era bebida conhecida na corte. O chá, hoje a bebida oficial do Reino Unido, foi, como sabemos, introduzida por esta nossa rainha na corte inglesa, já vamos saber como e quando. 
            O atencioso marido foi visitá-la, ainda convalescente, tendo o casamento tido lugar em 31 de Maio de 1662. O enlace foi uma cerimónia privada pelo rito católico e depois, para os convidados, pelo rito da Igreja Anglicana, como estava estipulado no contrato de casamento. Embora alguns escritores e cronistas ingleses, da época, se referissem à fealdade de Catarina, isso não passou de intriga e pura maledicência, pois Carlos II, que sabia apreciar o belo sexo e que recusara outras princesas europeias, nomeadamente duas de Parma, uma por ser como disse «demasiado feia e a irmã por ser demasiado gorda», também dizia: «detesto as alemãs e as princesas de países frios». D. Catarina, estava precisamente no meio. Era oriunda de um país temperado, morena, jovem e relativamente bonita de cara. Em carta a Clarendon, Carlos II, refere-se à sua esposa, nestes termos: «se não pode ser considerada uma grande beleza tem os olhos excelentes. A sua cara não repele e, se eu sei ser fisionomista, deve ter muita bondade. A sua conversa é agradável e tem boa voz. Já nos entendemos muito bem e julgo-me feliz». Carlos II, como vemos, desde logo, mostrou-se satisfeito com a sua mulher, embora a achasse muito pequenina. 
            D. Catarina amou o marido, desde o primeiro momento e até ao dia da sua morte, em 1685. Sobre o amor que Catarina dedicou ao marido fala-nos a inglesa, Margaret Campbell Barnes, na obra With All My Heart: the love story of Catherine of Braganza, Londres, 1951, e ali dá-nos uma visão positiva de um casamento real do séc. XVII europeu. 
            Os primeiros dias de casados foram passados em Hampton Court que estava luxuosamente mobilado e decorado. D. Catarina também levou móveis, entre eles preciosos contadores indo-portugueses que nunca tinham sido vistos em Inglaterra.
            Quando D. Catarina iniciou a sua vida de rainha, o rei, que tinha como favorita Barbara Palmer, de quem teve seis filhos pressionou-a para escolher Barbara como dama da corte. A rainha começou por recusar, e foi com muita relutância que aceitou. Ficou famosa a sua frase: «O rei pode fazer o que lhe aprouver, mas não com o meu consentimento», o que prova que a sua bondade não era ilimitada. 
            As damas de companhia que a infanta portuguesa levou de Portugal eram motivo de troça na corte inglesa. Usavam trajes antiquados eram extremamente sisudas. Foi a camareira-mor, a inglesa condessa de Suffolk e o mordomo-mor, também inglês quem aconselharam a rainha Catarina a «desculpar» o comportamento do rei. Foi uma adaptação difícil, mas com o tempo a rainha a tudo se habituou e chegou a proteger os bastardos do marido e a suportar a presença das favoritas. 
            D. Catarina aderiu à moda de vestir inglesa o que a beneficiava e que era copiada da corte francesa, que, com Luís XIV, marcava a Europa inteira. Muitas rendas, tecidos de sedas que vinham de longe, sapatos sempre a condizer com o a cor do vestido, cabeleiras, jóias e colares de pérolas enormes. Os homens usavam caprichosas cabeleiras cuidadosamente tratadas (em Inglaterra, as cabeleiras não eram de cabelo natural como em França, devido ao perigo de doenças de pessoas mortas, eram artificiais).
            D. Catarina, infanta de Portugal, o tal país que os detractores diziam ser paupérrimo e com uma corte sem maneiras, introduziu inovações na corte inglesa, e não apenas o hábito de se tomar chá. Uma das primeiras inovações tem a ver com a estranheza que a rainha demonstrou ao ser servida, às refeições em pratos de ouro ou prata. Os alimentos estavam sempre frios e a rainha terá perguntado porque se não usavam pratos de porcelana, algo que na corte portuguesa já se usava há muitos anos. Não sabemos se demorou muito tempo a efectuar-se essa importante mudança na baixela, mas acreditamos, que Carlos II terá mandado substituí-los. A primeira fábrica de porcelana inglesa só foi fundada, em 1743, em Chelsea, e a de Worcester em 1751. 
            A infanta portuguesa também se deslocou para Inglaterra com uma orquestra composta de músicos portugueses, o que era um sintoma de civilidade e cultura. Se não formos nós portugueses a fazer referência a estes pormenores, eles ficam esquecidos na História Universal, normalmente feita por homens e que pouco valor dão aos pormenores que marcam a diferença. 
            As cartas entre mãe e filha eram constantes. A rainha D. Luísa de Gusmão ainda a filha estava no alto mar já lhe enviava palavras repassadas de saudades, assim: « My Catalina de mis ojos yo se sentir las saudades q declararlas no se sy esto effecto dellas sy medio para no deslicirlas mas espero deverte el conocimiento do q te amo y q me es mayor verdugo que la soledad cõ q me dexas (...) ». Como vemos é uma carta repassada de ternura onde se misturam as saudades lusitanas e «la soledad» espanhola. Era também em espanhol que D. Catarina comunicava com o seu marido, antes de dominar a nova língua, que começou a aprender em Portugal logo após o contrato de casamento. Mas sabe-se que teve alguma dificuldade com o inglês.
            O reinado de Carlos II não foi fácil. O Parlamento tinha um poder imenso que lhe vinha do facto de ser ele a acordar ou negar apoio financeiro a todas as propostas do rei. Mais tarde, como o herdeiro tardava a chegar a Câmara dos Comuns pressionou o rei para se divorciar de Catarina de Bragança podendo invocar dois motivos de peso - a esterilidade e o facto de ser católica, num país protestante. Todos os métodos foram usados para a afastar. Houve mesmo quem falasse com o confessor da rainha para este a convencer a entrar para um convento e assim o rei poder divorciar-se para casar com outra princesa que lhe pudesse dar um filho., porém D. Catarina respondeu «nunca me separarei do homem que amo». A própria cunhada, Henriqueta Ana, de quem Catarina muito gostava (era casada com Filipe de Orleães, irmão de Luís XIV) foi induzida a convencer Catarina a divorciar-se, mas Henriqueta de Orleães recusou fazê-lo. O Parlamento chegou a oferecer ao rei uma importância de 500 000 libras caso aceitasse divorciar-se, mas Carlos II, mesmo com pouca disponibilidade de fundos não se deixou convencer. Sempre firme argumentava que não tinha qualquer censura a fazer à sua rainha, que era muito bondosa. 
            E pudemos perguntar: Se Catarina de Bragança fosse assim tão infeliz como afirmaram alguns autores, teria pura e simplesmente aceitado o divórcio e regressado a Portugal. Ela não quis. 
            Porém, a rainha ainda teve de passar por mais provações, estas não da parte do rei. Em 1678, surgiu a chamada Conspiração Papista, em que a rainha foi formalmente acusada no Parlamento, por um ex-jesuíta depois padre protestante, ligado a grupos muito dissolutos, Titus Oates, de estar por detrás de uma conspiração para matar o rei. Foram perseguidos e mortos muitos católicos. O rei tudo ouviu e nunca duvidou da lealdade de D. Catarina, que, nestas ocasiões se refugiava na capela a rezar a Nossa Senhora da Conceição (escolhida para padroeira de Portugal por seu pai em 25 de Março de 1646). O próprio azeite que iluminava a lamparina da imagem era-lhe enviado de Portugal. 
            Segundo os biógrafos de Carlos II, passadas as tormentas políticas e desfeitos os equívocos, o casal real passeava de mãos dadas pelos palácios. Residiam de Verão em Windsor e passavam o Inverno em Whitehall, com atitudes de dois apaixonados. Iam ver os barcos e o mar em Richmond, de que ambos tanto gostavam. Um dos primeiros navios saídos dos estaleiros ingleses, logo após o casamento, teve o nome da rainha, por escolha do rei. Mais tarde, durante as lutas entre a Holanda e a Inglaterra, Catarina fez questão de oferecer à esquadra de Carlos II, uma fragata, paga por si, com o significativo nome de Saudades. Como vemos isto é uma atitude de uma rainha perfeitamente respeitada e integrada na sociedade inglesa. 
            D. Catarina teve, nos momentos de crise, da parte do conde de Castelo-Melhor um grande aliado. O conde tinha sido banido de Portugal por ter conspirado contra a rainha viúva Luísa de Gusmão por causa dos filhos Afonso e Pedro e as facções da corte, mas, em Inglaterra, Castelo-Melhor foi um fiel servidor da infanta portuguesa. Mais tarde também o marquês de Arronches iria proteger Catarina, durante a ofensiva de Oates na Conspiração Papista. Em 1661 o casal real muda de Whitehall para Windsor. Em 1665 houve uma terrível peste em Londres, tendo a corte mudado para Hampton Court e depois para Oxford. Na corte inglesa, apesar de algumas convulsões políticas, internas e duas guerras com a Holanda, havia tempo para a alegria de viver. Havia jogos em que toda a corte participava, bailes constantes e muito teatro. D. Catarina tímida, de início refugiava-se na capela. Depois, triste por ver o seu marido rodopiar nos salões com outras damas, também aprendeu a dançar, o que passou a fazer muito bem. O aniversário do seu nascimento era festejado com um grande baile, um banquete requintado e muito fogo de artifício lançado das margens sobre o Tamisa. 
            Segundo o embaixador francês na corte inglesa, de 1661 a 1665 havia bailes e teatro com grande frequência e durante o dia. O rei ocupava o seu tempo «junto da rainha ou de Lady Castlemaine». Nos bailes do palácio a corte intriguista interrogava-se: «Será que o rei hoje vem com a portuguesa?» 
            Carlos II, além de grande caçador, gostava de corridas de cavalos, jogava bem ténis e tinha uma perfeita loucura por cães, que levava para a cama. Era vulgar rodear-se de mais de quinze caninos e era visto regularmente a passear-se com a sua matilha entre Knightsbridge e St. James. 
            D. Catarina de Bragança tentou impor na corte as saias mais curtas, onde se pudessem ver os seus pés delicados, mas as damas da velha Albion, de pés grandes, não a seguiram. Outra inovação introduzida por Catarina foi a substituição da máscara de passeio em seda negra pelos leques, numa perfeita herança espanhola de sua mãe, D. Luísa de Gusmão.
            O duque de Iorque, segundo irmão de Carlos II casou, em primeiras núpcias com Ana, filha de Lorde Chanceler. Tendo enviuvado casou com a muito jovem e católica princesa italiana, Maria Beatriz de Modena e passou também ele a professar a religião católica. A corte mostrou-se extremamente fria com a nova princesa, e foi a rainha Catarina quem a recebeu com muito afecto e mandou vir uma companhia de ópera expressamente de Itália, para comemorar o facto e para lhe agradar. Foi esta a primeira vez que uma ópera italiana foi ouvida em Inglaterra. A rainha discreta sabia, com muita diplomacia, mostrar que também tinha poder na corte. 
            D. Catarina de Bragança é uma das infantas portuguesas de quem há mais iconografia. Foi pintada por inúmeros pintores, desde o miniaturista Samuel Cooper, que nos deixou aguarelas, passando por Peter Lely, o pintor oficial da corte de Carlos II, que nos legou mais de meio milhar de obras, mas, quem melhor imprimiu na tela a «verdadeira» infanta portuguesa Catarina de Bragança, rainha de Inglaterra, foi Huyssman, pintor que além de admirar a rainha, era católico e a imortalizou em dois retratos muito ao gosto dela. Um, onde Catarina está com o cordeiro pascal e um Cupido, numa alegoria misto de religiosa e profana onde se faz a apologia do amor. Foi assim representada a rainha num quadro como pastora e noutro onde Catarina está representada como Santa Catarina. Também o pintor francês Henry Gascar a retratou em belas composições.
            Sem dúvida que o primeiro chá bebido na corte inglesa por D. Catarina de Bragança lhe terá sido enviado de Lisboa vindo da China via Macau, primeiro entreposto comercial entre o Ocidente e o Oriente (desde 1557). Ela não o levou na sua bagagem como aparece escrito em todo o lado, erradamente. 
            Sobre a história do chá uma das primeiras referências encontra-se na obra de Giani Battista Ramusio em Delle Navigationi et Viaggi, 1559 e segundo as enciclopédias britânicas, o chá terá sido introduzido em Inglaterra em 1579 por Christopher Borough depois de uma expedição à Pérsia, mas só se generalizou por volta de 1660. 
            Porque é importante saber a história verdadeira da introdução do chá na corte britânica, procurámos textos que nos provaram que o chá começou a ser bebido, naquela ilha, nas camadas baixas da sociedade, não na camada mais pobre, mas sim por homens e mulheres vendedores de produtos alimentares e outros que se levantavam de madrugada para abastecer a grande cidade. Na ausência de alimentos, bebiam chá, que não passava de água quente, preparada, sem grande cuidado com umas folhas de má qualidade de chá, ou moído, para enganar a fome. 
            A palavra chá entrou na língua portuguesa através «da forma fonética da língua mandarínica e do dialecto de Cantão e passou a várias línguas como o espanhol (arcaico), o grego e línguas eslavas. A palavra «tê» do dialecto Amoy e de Fun-Kien foi adoptado pelas línguas espanhola, francesa, inglesa, alemã e grego moderno (tem as duas formas)». É curioso notar, que ainda hoje, nas camadas populares de certas regiões da Grã Bretanha se diz «tchá», como em Liverpool. 
            A rainha Catarina terá ensinado a preparar o chá e a bebê-lo acompanhado de bolos. E passou a ser preparado em bules de porcelana. Pensa-se que a princesa portuguesa, ou alguma dama da sua comitiva, terá levado para a corte inglesa a receita do doce de laranja, preparado na zona de Vila Viçosa, onde este fruto abunda. A verdade é que o termo «marmalade» é a palavra portuguesa «marmelada», que é confeccionada com marmelo, fruto que não era conhecido em Inglaterra. A «marmalade» inglesa é doce de laranja. A «marmelada» portuguesa entrou em Inglaterra em 1495 «In fact, marmalade did first arrive thus in England from Portugal and before long also from Spain and Italy, where the Portuguese term for the confection was like wise (sic.) adopted». Quanto ao chá eram principalmente os ingleses e holandeses que o comerciavam na Europa. 
            Uma das amantes do rei que mais humilhações causou a D. Catarina de Bragança foi Luísa de Kéroualle, que era também a ponte de informações políticas entre a Inglaterra e a França. Teve um filho e uma filha do rei e mais tarde foi-lhe dado o título de duquesa de Portsmouth. «Mulher de grande beleza, mas enormemente viciosa e voraz», segundo um autor da época. 
            Quando a rainha, embora dócil e serena, «perdia a paciência» com as favoritas do marido, ia para o palácio de Somerset-House, onde passeava muito a pé e fazia por esquecer os desgostos. Estava perto do rio e da capela e essa solidão acalmava-a. Uma das actividades a que D. Catarina de Bragança deu particular atenção foi exercitar-se no tiro ao alvo e viria a ser nomeada protectora da Corporação dos Archeiros de Londres. 
            No Novo Mundo, a cidade de Nova Amsterdão, fundada por holandeses, em 1626, foi conquistada pelo duque de Iorque, irmão de Carlos II e passou, em 1664, a denominar-se Nova Iorque. As áreas próximas da cidade passaram a King’s Country e Queens Country. (Nova Iorque só passou definitivamente para a posse de Inglaterra, em 1674). 
            Em 1998 esteve programada a inauguração, em Queens de uma estátua monumental à rainha Catarina. A iniciativa da construção da uma estátua partiu da associação Friends of Queen Catherina e contou com o apoio de várias entidades portuguesas, públicas e privadas. Previa-se uma festa com pompa e circunstância, o que não aconteceu, porque houve movimentos cívicos norte-americanos que se opuseram, alegando que a rainha D. Catarina de Bragança fora «a responsável» pela introdução de mão-de-obra negra, ida de África, nas então colónias inglesas. Enfim, nada como pôr as culpas aos mais fracos. Que puder tinha D. Catarina para tal? Essa decisão coube ao rei e aos seus conselheiros. 
            Normalmente o cidadão comum não sabe exactamente o que é um anacronismo, isto é não sabe que se não pode ver uma época com a mentalidade que se tem no presente. A escravatura era algo, que era aceite na época, passe tudo o que isso hoje nos possa repugnar. Daí que D. Catarina ficou com a estátua arrumada num armazém. E não se fala de nada porque não é politicamente correcto. 
            Pessoalmente espero que um dia a tragam para Portugal. Fica cá muito bem e há tão poucas mulheres na estatuária urbana! Talvez em Vila Viçosa, onde a infanta portuguesa nasceu. 
            A autora da estátua, Audrey Flack talvez gostasse de ver a sua obra exposta, até porque é uma escultura extremamente bela. D. Catarina é mostrada como uma rainha jovem de cabelos encaracolados, bonita e com uma bola de vidro ( o mundo) na mão esquerda.
            À corte de Carlos II e Catarina de Bragança chegavam grandes pintores como Rafael e Ticiano entre outros e Luís XIV enviou para a corte inglesa arquitectos, paisagistas e grandes gravadores. O reinado de Carlos II saldou-se por um período de grande incremento cultural e protecção das artes e ciências. O rei tinha o seu laboratório onde gostava de fazer experiências químicas. Vários palácios foram recuperados. O palácio de Windsor sofreu grandes beneficiações, e Winchester dizia-se ser parecido com Versalhes. Foi reorganizada a Marinha, fundou-se, em 1662 a Royal Society, foi criado o Royal Observatory of Greenwich e a Mathematical School at Christ’s Hospital e, em termos de legislação, foi promulgada a lei do Habeas Corpus, em 1679. 
            Quando D. Catarina e D. Carlos II viviam já uma vida de mais tranquilidade e harmonioza, e o rei reduzira a sua constante mudança de favoritas, começou a ter problemas de saúde. Nunca se soube exactamente o que o vitimou a 6 de Fevereiro de 1685, com cinquenta e cinco anos. Várias teorias foram avançadas, uma, que não foi excluída, foi o perigo a que o rei se expusera ao fazer experiências químicas e ao manipular matérias como o mercúrio, no seu laboratório. Como sempre, levantaram-se suspeitas de envenenamento e o rei foi autopsiado, mas nada ficou provado. Teve numa primeira fase uma paralisia facial, piorou, mas esteve lúcido até ao fim, tendo mesmo recomendado que se não esquecessem de dar corda a um determinado relógio. Curioso, que se verificou que só com os reis de quem o povo gosta é que se levantam suspeitas de envenenamento. É sempre difícil aceitar a morte de quem se ama. 
            Carlos II despediu-se dos filhos bastardos, tendo pedido ao irmão e sucessor no trono que os protegesse, bem como às ex-amantes. A rainha D. Catarina passou os piores dias da sua vida, ao ver o homem que amava piorar de dia para dia. Chorou muito a ponto de não conseguir entrar no quarto do marido. Pediu a alguém que transmitisse ao rei que ela lhe pedia perdão se involuntariamente o tinha feito sofrer e Carlos II terá dito: «Ai de mim. Pobre mulher. Pedir-me perdão. Eu é que lhe peço perdão de todo o coração». D. Catarina tudo perdoou e chorou amargamente a perda do homem que amara com respeito durante 23 anos. 
            O funeral foi de noite, apenas para os mais íntimos, no dia 14 do mesmo mês, por causa das eternas guerras das religiões. O caixão de Carlos II ficou na Abadia de Westminster onde depois se procedeu às cerimónias fúnebres. O rei no seu leito de morte, como era desejo da mulher e do duque de Iorque converteu-se ao catolicismo e comungou. Alguém disse deste rei que foi «Príncipe de muitas virtudes e muitas imperfeições».
            D. Catarina ainda ficou no seu país de adopção mais nove anos. Viveu oito anos em Whitehall e depois foi residir para Somerset House. Viu subir ao trono o cunhado, Jaime II, com quem se dava muito bem, mas que foi deposto, em 1688, pelo genro Guilherme de Orange, que subiu ao trono com o título de Guilherme III. Este rei como era protestante, embora tratasse a rainha viúva com respeito, mandou reduzir a sua criadagem e D. Catarina passou a ser olhada com desconfiança, pois era, agora, a única católica da corte. E assim a rainha viúva passou a viver recolhida escrevendo cartas constantes ao irmão e rei de Portugal, D. Pedro II, pedindo-lhe para regressar. 
            Chegou finalmente o dia do regresso à pátria. A rainha D. Catarina de Bragança, saiu, em finais de 1692, de Somerset-House acompanhada por uma comitiva de cento e vinte pessoas e chegou a Portugal no início de 1693. A viagem foi longa e demorada e Luís XIV convidou-a para descansar da viagem e fazer uma estada em França. A rainha viúva declinou o convite que a sensibilizou muito. À passagem por Espanha (país da mãe) teve manifestações de simpatia. A sua chegada a Portugal foi festejada com verdadeiro júbilo, em todo o percurso até Lisboa. Aqui as festas da sua chegada duraram três dias. D. Catarina residiu em diversos palácios, hábito que trouxe de Inglaterra. Teve como primeira morada o palácio de Alcântara, passou para o dos condes de Redondo, depois residiu na Penha de França, no palácio dos condes de Soure e ainda no palácio de Belém, dos condes de Aveiras, até que acabou os seus dias no palácio que mandou construir - Palácio da Bemposta - no último dia do ano de 1705. Até morrer recebeu uma pensão que lhe era enviada por paquetes ingleses, datando dessa data uma carreira regular entre os dois países. 
            Por impedimento do rei de Portugal D. Pedro II, Catarina de Bragança foi por duas vezes regente. Antes de morrer quis voltar a Vila Viçosa, o que aconteceu, em Fevereiro de 1699. 
            Dela disse a escritora Lillias Campbell Davidson, «She was one of the best and purest women who ever shared the throne of England». E Hamilton diria desta rainha portuguesa «It was a sensible woman and devoted all her energies to pleasing the King by those services which were least painful to her tender feeling (...) » . 
            Em 1914 os seus restos mortais foram transladados do Mosteiro dos Jerónimos para S. Vicente de Fora. 

Notícia retirada daqui

sábado, 23 de setembro de 2017

Notícia - Buracos Negros - Um enigma colossal

Como se formaram os buracos negros?

Imensos sorvedouros cósmicos que engolem tudo o que encontram pelo caminho, os buracos negros ainda ocultam inúmeros mistérios no seu interior. Esta é a sua história.

Há 100 milhões de anos, três estrelas ligadas entre si por ondas gravitacionais viajavam pelo cálido centro da nossa galáxia. Nessa altura, aconteceu algo que mudou para sempre o seu destino: o sistema triplo passou demasiado perto do enorme buraco negro que ocupa o centro da Via Láctea. O monstro cósmico capturou uma das estrelas e lançou as outras duas a mais de 2,5 milhões de quilómetros por hora, isto é, a uma velocidade três vezes maior do que aquela a que o Sol viaja em redor do centro da Via Láctea e duas vezes superior à velocidade da nossa galáxia. No caminho, os dois astros fundiram-se e deram origem a uma abrasadora estrela azul que ainda hoje, já longe da nossa grande cidade cósmica, se distancia à velocidade de um enfarte fulminante.

Isto é o que os astrónomos supõem que se passou com o objecto designado por “HE 0437-5439”, um dos mais velozes jamais detectados. Desde 2005, já foram descobertos 16 destes astros à Speedy Gonzalez, exilados à força da nossa galáxia: a teoria defende que o gigantesco buraco negro central expulse uma estrela para o espaço intergaláctico a cada cem mil anos. Todavia, aquilo que torna este caso especial é que foi possível estabelecer, em Junho passado, a sua trajectória, a qual parte, precisamente, do centro da Via Láctea.

Curiosamente, um mês antes, a revista Month­ly Notices of the Royal Astronomical Society anunciava que fora possível, graças ao telescópio espacial Chandra, de raios X, observar o que poderá ser um buraco negro de grande massa expulso da sua galáxia. Segundo a autora da descoberta, Marianne Heida, da Universidade de Utrecht (Países Baixos), existe a possibilidade de estarmos diante de um caso semelhante, só que desta vez a união se registava entre dois buracos negros.

Os mistérios que rodeiam os invisíveis objectos celestes são inúmeros, mas os astrónomos consideram que vão conseguir encontrar resposta para muitos dentro de uma década, com o lançamento do maior telescópio de raios X desenvolvido até agora: o IXO, concebido em conjunto pela ESA, pela NASA e pela JAXA (a agência espacial nipónica). Entretanto, o trabalho preparatório fica a cargo do eROSITA, uma sonda russa e alemã que será lançada no espaço já em 2012. O objectivo é procurar buracos negros de grande massa que se formaram quando o universo era jovem, antes do aparecimento das primeiras estrelas. Os astrónomos esperam localizar cerca de três milhões, o que irá seguramente lançar luz sobre um dos maiores mistérios da astronomia moderna: como surgiram semelhantes objectos, cuja massa equivale a vários milhões de sóis?

Incógnitas a desvendar

Além desses colossos situados no centro das galáxias, há outros bastante mais pequenos, com apenas algumas dezenas de vezes a massa do Sol. Destes, em contrapartida, conhecemos a origem: quando uma estrela de grande massa (mais de 20 massas solares) chega ao fim dos seus dias, transforma-se numa supernova e explode; adquire tanto brilho como todas as estrelas da galáxia juntas. Por detrás da supernova, fica um buraco negro.

Claro que as coisas nem sempre acontecem do mesmo modo. Em Agosto de 2010, uma equipa de astrónomos europeus descobria, no cúmulo Westerlund 1, situado a 16 mil anos-luz, a CXO J164710.2-455216, uma estrela de neutrões com um campo magnético extraordinariamente intenso (um milhão de milhões de vezes superior ao da Terra). Era o que restava de uma estrela que tinha 40 vezes a massa solar, embora a teoria estipule que não devia ter acontecido: o seu destino era transformar-se num buraco negro. A única explicação aceitável é que deve ter partilhado a existência com uma estrela-companheira que se dedicou a roubar-lhe grande quantidade de matéria. No final, a explosão da supernova projectou-a para longe. Tal como afirmou o principal responsável pelo estudo, Simon Clark, “trata-se do grande programa dietético para estrelas extragordas, pois elimina mais de 95 por cento da massa inicial”.

Vagabundos e vândalos

Existe ainda um terceiro tipo de buracos negros, também conhecidos por “vagabundos”. Segundo os astrónomos Ryan O’Leary e Avi Loeb, do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, há centenas deles a errar pela nossa galáxia e apostados em arrasar tudo o que encontram pelo caminho. Felizmente para nós, o mais próximo está a vários milhares de anos-luz. Com uma massa que poderá alcançar entre mil e cem mil sóis, os “vagabundos” movimentam-se pelos bairros mais periféricos do centro da Via Láctea. São autênticos vestígios de um passado remoto, quando a nossa galáxia se formou a partir de uniões e colisões de outras menores, num processo que pode ter-se prolongado por milhares de milhões de anos. Quando duas protogaláxias se fundiam, os seus buracos negros faziam o mesmo, dando origem às relíquias que hoje podemos observar. O seu estudo irá proporcionar-nos muita informação sobre o que aconteceu e constitui um verdadeiro desafio para os astrónomos, pois são difíceis de observar: só se tornam visíveis quando capturam (acrescentam) matéria interestelar que se aproxima.

Por sua vez, os físicos teóricos encontram nos buracos negros uma fonte quase inesgotável de possibilidades para desenvolver as noções mais extravagantes. Por exemplo, na edição de Outubro da revista Physics Letters B, o físico polaco Nikodem Poplawski explica o modo como todo um universo pode existir dentro de um buraco negro. Baseou-se, para isso, numa versão da teoria que prevê a existência dos buracos negros, a relatividade geral de Albert Einstein. Conhecida como “teo­ria da gravidade de Einstein-Cartan-Kibble-Sciama”, introduz nas primitivas equações do génio alemão uma propriedade das partículas sub­atómicas designada por spin: implica, essencialmente, admitir que as partículas rodam sobre si mesmas, como a Terra.

A teoria estabelece que, ao fazê-lo, consegue deter-se o colapso gravitacional que dá origem ao buraco negro e forma-se um novo espaço-tempo no seu interior. Deste modo, surge um novo universo-filho ligado ao universo-pai através de um cordão umbilical designado por “ponte de Einstein-Rosen” ou “buraco de verme”. A passagem da matéria através do buraco é feita apenas num sentido, não em ambas as direcções. Na opinião de Poplawski, o facto explica um dos enigmas mais extraordinários do universo: os gamma-ray bursts (GRB, na sigla inglesa), as explosões mais violentas do cosmos, apenas ultrapassadas pelo Big Bang.

Dimensão desconhecida

De acordo com este físico teórico, os GRB seriam descargas de matérias provenientes de cosmos ligados ao nosso através dos referidos buracos de verme. “Parece uma ideia louca, mas quem sabe?”, interroga. Contudo, que o nosso universo seja o interior de um buraco negro existente noutro universo não é uma ideia nova. Porém, como assinala Damien Easson, outro físico teórico da Universidade do Estado do Arizona, “a novidade é que ele encontrou uma solução real, um buraco de verme que funciona como passagem do exterior de um buraco negro para o interior de um universo”.

Como se isto fosse pouco, os buracos negros também podem ajudar a demonstrar se existem mais dimensões espaciais para além das quatro conhecidas: três espaciais (altura, largura e comprimento) e o tempo. De facto, os físicos teóricos defendem que podemos estar a viver num mundo com dez dimensões, seis das quais estão ocultas. Em Fevereiro passado, durante uma reunião da American Physical Society, Amitai Bin-Nun, uma astrofísica da Universidade da Pensilvânia, propôs uma forma de comprovar se o nosso universo possui mesmo essas dimensões suplementares. Assim, simulou em computador o modo como se alteraria o brilho de uma estrela que passasse suficientemente perto do enorme buraco negro que se encontra no centro da galáxia.

Os resultados mostram que a transformação no brilho da estrela ao longo de dez anos, devido ao efeito da gravidade do buraco negro, depende do número de dimensões do nosso universo: durante a época de maior brilho, a estrela irá parecer 44% mais resplandecente se tiver cinco dimensões do que se tiver quatro. Infelizmente, é impossível confirmar por enquanto as ideias de Bin-Nun, mas ela acredita que poderá fazê-lo já na próxima década, quando entrar em funcionamento o ELT (sigla inglesa de Telescópio Extremamente Grande), com um espelho de 42 metros.

Como é o espaço em que vivemos?

A teoria geral da relatividade que Albert Einstein apresentou ao mundo, em 1915, explicava o que é a gravidade: um efeito da existência da matéria (e da energia) no universo, de modo que a sua presença modifica a estrutura do espaço-tempo. Podemos visualizar o fenómeno se imaginarmos que o cosmos é como uma cama elástica. Se não houver nada em cima dela (matéria), a sua forma (geo­metria) é totalmente plana, sem deformações. Porém, se colocarmos uma esfera de ferro maciço (uma estrela), a superfície fica deformada devido à presença de uma massa. Ao lançarmos um berlinde (um planeta, uma sonda espacial), veremos que se desloca em linha recta até encontrar a deformação criada pela esfera. Nessa altura, cairá na sua direcção, ou descreverá uma trajectória curva em seu redor, orbitando em torno da massa central. É óbvio que quanto maior for a massa de uma estrela maior será a deformação ou distorção do espaço-tempo e, por conseguinte, maior será a força da gravidade. Será que a deformação se pode forçar ao máximo? Sim: é um buraco negro, uma depressão cavada na tela do nosso espaço-tempo.


M.A.S.
SUPER 152 

Notícia - Ressuscitar o Neanderthal

A sequenciação completa do genoma (totalidade de bases de ADN, molécula que contém o código da hereditariedade) dos parentes humanos desaparecidos da Terra há 30 mil anos é uma das notícias mais esperadas para este ano. Embalados pelo genoma quase recuperado do mamute dos gelos siberianos, os cientistas voltam-se agora para as ossadas do homem de Neanderthal com vista a reconstituir o genoma deste hominídeo.




No entanto, para Eugénia Cunha, antropóloga da Universidade de Coimbra, as condições de preservação são muito diferentes. "O gelo dá uma maior garantia de preservação do ADN do que o de um fóssil de Neanderthal como o que foi descoberto em 2006 na Croácia, cujo material genético está a ser analisado".

Na realidade, o feito só pôde ser obtido graças a avanços recentes nas técnicas de leitura de ADN, que ao longo dos últimos 15 anos transformaram a decifração de genomas de missão hercúlea e milionária num procedimento quase banal de processamento de dados.

As amostras de ADN do mamute estavam fortemente degradadas, tiradas do pêlo de indivíduos que morreram há cerca de 20 mil anos e foram preservados no gelo. Mas, tomando por base o genoma do elefante africano, um parente próximo, os cientistas vão concluir a tarefa.

Agora, o grande objectivo dos investigadores é sequenciar o genoma do Neanderthal dentro de dois anos.

Para ressuscitar um mamute há uma série de formidáveis obstáculos a ultrapassar que a genética actual ainda não pode resolver. Mas são puramente técnicos e que serão resolvidos mais tarde ou mais cedo. E o que dizer de um homem de Neanderthal? "Não somos apenas genoma. Ainda falta um bom bocado para lá chegar", afirma Eugénia Cunha.

O genoma em estudo do Homem de Neanderthal revelou que na Europa viveram muito poucos indivíduos, o que facilitou a sua extinção.

Ao analisar os restos fósseis procedentes da Roménia, Portugal e República Checa, foram detectadas características tanto do homem de Neanderthal como do homem moderno, o que indica um possível cruzamento entre ambas as espécies depois de uma coexistência por cerca de 100 mil anos.

Este hominídeo, que povoou a Europa entre 170 mil e 30 mil anos poderá ter-se extinguido não subitamente: a sua população terá decrescido paulatinamente, misturando-se com o Homo Sapiens (menos forte, mas com um cérebro mais desenvolvido) cultural e sexualmente. Os últimos neandertais poderão ter vivido na Península Ibérica.

Comparando com o homem moderno, os neandertais eram mais robustos e possuíam feições morfológicas distintas, especialmente no crânio.

Os neandertais eram muito hábeis na fabricação de utensílios para a caça e de ferramentas. Várias pesquisas apontam para que possam ter sido caçadores sofisticados, mostrando que possuíam um total controlo dos materiais que encontravam na natureza e do local em que viviam.

Dos vários utensílios criados destacam-se artefactos elaborados sobre lascas, semelhantes a lâminas regulares e outros com entalhes, laterais e denticulados.

O milhão de bases já sequenciadas permite afirmar que a semelhança com o genoma do homem moderno é de 99,5% (99% com o do chimpanzé).

A descoberta do gene FOXP2 no genoma do homem de Neanderthal sugere que estes seres tinham a faculdade de falar.


Mais fortes do que o Homo Sapiens, os neandertais dominaram a Europa glacial durante cerca de 200 mil anos.

Mário Gil

Recomendamos ...

Recomendamos ...